Simulação computacional

aspectos do ensino da probabilidade frequentista

Palavras-chave: Probabilidade frequentista, Formação de professores, Simulação

Resumo

Neste artigo discutem-se aspectos didáticos da abordagem frequentista da probabilidade por meio de simulação computacional. Para tanto, utilizamos um applet que simula o jogo franc-carreau. Os dados para discussão foram colhidos em oficina para professores. O referencial teórico abrangeu a teoria das situações didáticas, de Brousseau e o modelo de letramento probabilístico, de Gal, adotando-se pressupostos baseados na engenharia didática de segunda geração como metodologia de pesquisa, uma vez que o objetivo era relacionado à formação continuada de professores. Nos relatos dos professores sobre atividades que trabalhavam com o enfoque frequentista, observamos que a manipulação das frequências relativas acumuladas em uma planilha Excel mostrou-se relativamente propícia para superar dificuldades no uso de tecnologias, abrindo possibilidades de ampliação de aspectos do letramento probabilístico, com reflexões e discussões sobre sua aplicação na educação básica e superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cileda de Queiroz e Silva Coutinho, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutora em Didatica da Matematica pela Université Joseph Fourier, França. Professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Auriluci de Carvalho Figueiredo, Universidade Metropolitana de Santos

Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora da Universidade Metropolitana de Santos.

Referências

Badizé M., Jacques A., Petitpas M., & Pichard J. F. (1996). Le jeu du franc-carreau: une activité probabiliste au collège. Rouen: IREM de Rouen.

Batanero, C. B., Contreras, J. M., Díaz, C. & Cañadas, G. (2013). Definición de la probabilidad y probabilidad condicional: un estudio con futuros profesores. Revemat, 8(1), 75-91. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/1981-1322.2013v8n1p75

Batanero, C. & Diaz, C. (2007). Probabilidad, grado de creencia y proceso de aprendizaje. XIII Jornadas Nacionales de Enseñanza y Aprendizaje de las Matemáticas. Granada. Disponível em: http://www.ugr.es/~batanero/pages/ARTICULOS/PonenciaJAEM.pdf

Batanero, C., Contreras, J. M., Fernandes, J. A. & Ojeda, M. M. (2010). Paradoxical games as a didactic tool to train teachers in probability. In C. Reading (ed.), Data and context in statistics education: towards an evidence-based society. Proceedings of the Eighth International Conference on Teaching Statistics (ICOTS 8). Retirado em: 10 de fevereiro, 2019 de: https://iase-web.org/documents/papers/icots8/ICOTS8_C105_BATANERO.pdf

Ben-Zvi, D. & Garfield, J. (2004). The challenge of developing statistical literacy, reasoning, and thinking. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

Bernoulli J. (1713). L’ars conjectandi. Traduction de N. Meusnier, 1987). Rouen: IREM de Rouen et Université de Rouen Haute-Normandie.

Biehler, R. (1991). Computers in probability education. In K. Kapadia, & M. Borovcnik (eds.), Chance encounters: probability in education (pp. 169-212). Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

Borovcnik, M. & Kapadia, R. (2009). Research and developments in probability education. International Electronic Journal of Mathematics, 4(3). Disponível em: www.iejme.com/032009/IEJME_p00_introd_E.pdf.

Brousseau, G. (1986). Fondements et méthodes de la didactique des mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, 7(2), 33-116.

Caberlim, C. C. L. (2015). Letramento probabilístico no ensino médio: um estudo de invariantes operatórios mobilizados por alunos. Dissertação de mestrado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Retirado em 20 de março, 2019 de: https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/11028/1/Cristiane%20Candido%20Luz%20Caberlim.pdf

Carvalho, J. I. F. (2015). Conhecimentos de futuros professores de matemática sobre probabilidade condicional por meio do jogo das três fichas. In: J. M. Contreras, C. Batanero, J. D. Godino, G. R. Cañadas, P. Arteaga, E. Molina, M. M. Gea, & M.M. López (eds.), Didáctica de la estadística, probabilidad y combinatoria, 2 (pp. 189-196). Granada: Universidad de Granada.

Carvalho, J. I. F., Silva, C. D. B. & Paraíba, T. S. (2016). Um estudo sobre probabilidade nos livros didáticos dos anos finais do ensino fundamental: significados, representações e contextos. Anais do XII Encontro Nacional de Educação da Matemática. São Paulo: ENEM. Retirado em 20 de setembro, 2019 de: http://www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/6224_2715_ID.pdf

Coutinho, C. Q. S. (2001). Introduction aux situations aléatoires dès le collège: de la modélisation à la simulation d’expériences de Bernoulli dans l’environnement informatique Cabri-géomètre II. Thèse de doctorat. Grenoble: Université Joseph Fourier.

Coutinho, C. Q. S. (2013). Introdução ao conceito de probabilidade e os livros didáticos para ensino médio no Brasil. In A. Salcedo (ed.). Educación estadística en América Latina: tendencias y perspectivas. Caracas: Universidad Central de Venezuela. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/274961347_Educacion_Estadistica_America_Latina_Tendencias_Perspectivas

Erdrich, N. (s.d.). Simulation du jeu du franc-carreau. Disponível em https://www.geogebra.org/m/zegKUvqP

Fernandes, J. A., Batanero, C. B., Contreras, J. M. G. & Díaz, C. B. (2009). A simulação em probabilidades e estatística: potencialidades e limitações. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/262818121_A_simulacao_em_Probabilidades_e_Estatistica_potencialidades_e_limitacoes.

Fernandes, J. A., Correia, P. F. & Contreras, J. M. (2013). Ideias intuitivas de alunos do 9.º ano em probabilidade condicionada e probabilidade conjunta. AIEM: Avances de Investigación en Educación Matemática, 4, 5-26.

Gal, I. (2002). Adults’ statistical literacy: meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, 70(1), 1-25.

Gal, I. (2005). Towards “probability literacy” for all citizens: building blocks and instructional dilemmas. In G. Jones (ed.), Exploring probability in school: challenges for teaching and learning (pp. 39-63). New York: Springer.

GeoGebra: aplicativos matemáticos. (s.d.) Disponível em: https://www.geogebra.org/

Gürbüz, R. (2008). Olasılık konusunun öğretiminde kullanılabilecek bilgisayar destekli bir materyal [A computer-aided material for teaching ‘probability’ topic]. Mehmet Akif Ersoy University Journal of Faculty of Education, 8(15), 41-52.

Koparan. T. & Kaleli Yılmaz. G. (2015). The effect of simulation-based learning on prospective teachers’ inference skills in teaching probability. Universal Journal of Educational Research, 3(11), 775-786.

Laplace P. S. (1814). Essai philosophique sur les probabilités. (5e édition en 1825, réimprimée en 1985.) Paris: Christian Bourgois éditeur.

Lopes, J. M. (2007). Probabilidade condicional por meio da resolução de problemas. Revista do Professor de Matemática: Sociedade Brasileira de Matemática, 62, 34-8.

Mills, J. (2002). Using computer simulation methods to teach statistics: a review of the literature. Journal of Statistics Education, 10(1). Disponível em: www.amstat.org/publications/jse/v10n1/mills.html

Ministério da Educação (MEC). (1998). Parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto.

Ministério da Educação (MEC). (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação.

Perrin-Glorian, M. J. (2009). L’ingénierie didactique a l’interface de la recherche avec l’enseignement: développement des ressources et formation des enseignants. In C. Margolinas, M. Abboud, L. Bueno-Ravel, N. Douek, A. Fluckiger, P. Gibel, F. Vandebrouck, & F. Wozniak (orgs.), En amont et en aval des ingénieries didactiques, 1 (pp. 57-78), Grenoble: La Pensée Sauvage.

Rodrigues, M. R. (2018). A urna de Bernoulli como modelo fundamental no ensino de probabilidade. Tese de doutorado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Retirado em 10 de agosto, 2019 de: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/11197

Silva, C. & Cazorla, I. M. (2008). Registros de representação semiótica no ensino de probabilidade condicional e do teorema de Bayes. Anais do 2.o Simpósio Internacional de Pesquisa em Educação Matemática. Recife: SIPEMAT. Retirado em 20 de setembro, 2019 de: http://www.lematec.net.br/CDS/SIPEMAT08/artigos/CO-106.pdf

Silva, D. S. C. (2018). Letramento estocástico: uma possível articulação entre os letramentos estatístico e probabilístico. Dissertação de mestrado). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Retirado em 10 de agosto de 2019 de: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21283

Ventsel, H. (1962). Théorie des probabilités. Moscou: Editora MIR.

Publicado
2020-05-27
Como Citar
Coutinho, C. de Q. e S., & Figueiredo, A. de C. (2020). Simulação computacional. Zetetike, 28, e020017. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8656869
Seção
Dossiê Temático

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)