Transcendência e o aprender a aprender

indicadores transdisciplinares voltados a educação estatística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8657037

Palavras-chave:

Educação estatística

Resumo

O presente artigo é parte integrante de um estudo de doutoramento realizado sobre as articulações existentes entre os elementos transdisciplinares e as práticas docentes relacionadas ao ensino de Estatística nos anos finais do ensino fundamental. Buscou-se descrever e analisar as possíveis aproximações entre a Educação Estatística e os estudos transdisciplinares, compreendendo suas potencialidades nas práticas mobilizadas pelos docentes. As análises emergiram das concepções docentes que foram evidenciadas, na entrevista episódica, respondida por duas participantes graduadas em Matemática da cidade de Canela/RS. A análise dos dados foi realizada com base na Análise Textual Discursiva, sendo uma abordagem qualitativa e compreensiva. As conclusões apontam que existem vínculos entre os indicadores de transdisciplinaridade e as práticas docentes que perpassam a dimensão profissional e alcançam uma atitude transdisciplinar que pode ocorrer por meio da transcendência e o aprender a aprender.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra de Abreu Correa, Rede Pública do Rio Grande do Sul e Rede Municipal de Gramado

Doutora pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora da rede pública do Rio Grande do Sul e da rede municipal de Gramado/ RS.

João Bernardes da Rocha Filho, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutor em Engenharia, Metrologia e Instrumentação. Professor Titular da Escola Politécnica - Curso de Física e PPGEDUCEM da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

Barbosa, D. (2005). A atitude transdisciplinar na educação escolar. In: Triaça, Amâncio. et al. (Orgs.), Educação e Transdisciplinaridade III (pp. 314-361). São Paulo: Triom.

Begg, A. (1997). Some emerging influences underpining assessment in statistics. In GAL, I.; GARFIELD, J. (Org.). The assessment challenge in statistics education (pp. 1-9). Amsterdam: IOS Press.

Borba, R. et al. (2011). Educação estatística no ensino básico: currículo, pesquisa e prática em sala de aula. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, Pernambuco, 2, (2). (s/p). Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/view/2153/1722

D’Ambrosio, U. (1997). Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Atena.

Flores, J. F., Rocha Filho, J. B., & Samuel, L. R. S. (2014). The big-bang theory e os mitos da criação: uma explosão que produz deus. In Fortim, I. (Org.) The big-bang theory e a psicologia (pp. 44-66). São Paulo: Homo Ludens.

Garfield, J. & Gal, I. (1999). Assessment and statistics education: current challenges and directions. International Statistical Review, 67, (1), 1-12. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1751-5823.1999.tb00377.x

Graham, A. (1987). Statistical investigations in the secondary school. Cambridge: The Open University Centre for Mathematics Education.

Holmes, P. (1980). Teaching Statistics. Slough: Foulsham Educational.

Leti, G. (2000). The birth of statistics and the origins of the new natural science. Metron - International Journal of Statistics, Dipartimento di Statistica, Probabilità e Statistiche Applicate - University of Rome, 0, (3-4), 185-211.

Lopes, C. A. E., Ferreira, A. C. (2004). Anais do VIII Encontro Nacional de Educação Matemática (pp.1-30). Retirado em 18 de maio, 2015, de: http://www.sbem.com.br/files/viii/pdf/13/MR10.pdf.

Machado, C. P. (2016). Indicadores de transdisciplinaridade: ensaio da identificação e evidências na narrativa e atuação de professores de ciências e matemática. Tese de doutorado em Ensino de Ciências e Matemática. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Retirado em 20 dezembro de 2018, de: http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/7218.

Ministério da Educação (MEC). (1997). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF.

Ministério da Educação (MEC). (1998). Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF.

Ministério da Educação (MEC). (2002). Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMT.

Ministério da Educação (MEC). (2017). Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Moraes, M. C. (2007). A formação do educador a partir da complexidade e da transdisciplinaridade. Diálogo Educativo, 7, (22), 13-38.

Moraes, M. C. (2014). Ludicidade e transdisciplinaridade. Revista Entreideias, 3(2), 47-72.

NCTM. National Council of Teachers of Mathematics (2011). Principles and Standards for School Mathematics: Math Standards and Expectations.

Portilho, M. S. B., & Crema, R. (2017). Ser integral: as tessituras do bordado em espiritualidade e educação. INTERESPE, (9), 24 - 40. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/interespe/article/view/35360/24200.

Santo, R. C. E. (2003). Pedagogia da transgressão. São Paulo: Papirus.

Publicado

2020-05-19

Como Citar

Correa, A. de A., & Rocha Filho, J. B. da. (2020). Transcendência e o aprender a aprender: indicadores transdisciplinares voltados a educação estatística . Zetetike, 28, e020014. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8657037

Edição

Seção

Dossiê Temático

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)