Compreensões sobre gráficos por professores de escolas no campo

Palavras-chave: Educação Estatística, Educação do Campo, Formação continuada de professores, Anos finais do Ensino Fundamental

Resumo

A interpretação de dados estatísticos apresentadas em gráficos vincula-se a competências que devem ser desenvolvidas pelos cidadãos no decurso de sua escolarização. No Brasil os contextos de Educação do Campo são desafiadores uma vez que essa modalidade de demanda que sejam consideradas as especificidades dos contextos campesinos. Este artigo discute aspectos de uma pesquisa que investigou as compreensões sobre gráficos que professores de escolas no campo evidenciaram a partir de entrevistas e oficinas de formação continuada sobre letramento estatístico. Os resultados obtidos das entrevistas evidenciaram algumas lacunas em relação às concepções de Educação do Campo, bem como evidenciou dificuldades quanto a compreensão dos gráficos propostos para interpretação. As oficinas de formação mostraram-se como espaços importantes de formação para o letramento estatístico, pois os professores sentiram-se incentivados a enriquecer sua prática pedagógica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josilane de Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre em Educação Matemática e Tecnológica pela Universidade Federal de Pernambuco, Brasil.

Carlos Eduardo Ferreira Monteiro, Universidade Federal de Pernambuco

PhD em Educação pela University of Warwick. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Brasil.

Referências

Ainley, J. (2000). Transparency in graphs and graphing tasks: an iterative design process. Journal of Mathematical Behavior, 19(2), 365-384.

Ainley, J., Pratt, D., & Nardi, E. (2001). Normalising: Children's activity to construct meanings for trend. Educational Studies in Mathematics, 45(1-3), 131-146.

Arroyo, M. G. (2007). Políticas de formação de educadores (as) do campo. Cad. Cedes, 27(72), 157-176.

Ben-Zvi, D., & Garfield, J. (2004). The challenge of developing statistical literacy, reasoning and thinking. Netherlands: Springer.

Ben-Zvi, D., & Arcavi, A. (2001). Junior high school student's construction global views of data and data representations. Educational Studies in Mathematics, 45(1-3), 35-65.

Caldart, R. S. et al. (2012). Educação do Campo. In R. S. Caldart et al. (Orgs.), Dicionário da Educação do Campo (pp. 259-267). Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio.

Caldart, R. S. (2002). Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In Kolling, R. Cerioli, & R. S. Caldart P. (Orgs.), Educação do Campo: identidade e políticas públicas (pp. 18-25). Brasília: articulação nacional Por Uma Educação do Campo.

Campos, C. R., Wodewotski, M.L.L., & Jacobini, O.R. (2013). Educação Estatística: teoria e prática em ambientes de modelagem matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Cancian, N. (2014). Brasil fecha, em média, oito escolas por dia na região rural. Folha de São Paulo, São Paulo. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2014/03/1420332-pais-fecha-oito-escolas-por-dia-na-zona-rural.shtml.

Cazorla, I., & Castro, F. (2008). O Papel da Estatística na Leitura de Mundo: o Letramento Estatístico. Publicatio UEPG: Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Linguística, Letras e Artes, 16(1), 45-53.

Cazorla, I. M., Kataoka, V. Y., & Silva, C. B. (2010). Trajetória e Perspectivas da Educação Estatística no Brasil: um olhar a partir do GT-12. In C. E. Lopes, C. Q. S. Coutinho, & S. A. Almouloud (Orgs.), Estudos e Reflexões em Educação Estatística (pp. 19-42). São Paulo: Mercado das Letras.

CPT. (2018). Assassinatos no campo batem novo recorde e atingem maior número desde 2003. Goiânia. Dispnível em: https://www.cptnacional.org.br/publicacoes-2/destaque/4319-assassinatos-no-campo-batem-novo-recorde-e-atingem-maior-numero-desde-2003.

Crédito Para A Agricultura Familiar. 2017. 1 gráfico.

Decreto nº 7.352, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA.

Gal, I. (2002). Adult statistical literacy: meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, 70(1), 1-25.

Giordano, C. C., Araújo, J. R. A., & Coutinho, S. Q. S. (2019). Educação Estatística e a Base Nacional Comum Curricular: o incentivo aos projetos. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 14, 1-20.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

Lopes, C. A. E. (1998). A Probabilidade e a Estatística no ensino fundamental: uma análise curricular. Dissertação de Mestrado em Educação. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/251036

Lopes, A. R. L.V., Silva, D. S. G., Vaz, H. G. B., & Fraga, L. P. (2012). Professoras que ensinam Matemática nos anos iniciais e sua formação. Linhas Críticas, 18(35), 87-106.

Lopes, C. A. E. (2010). Os desafios para Educação Estatística no currículo de Matemática. In C. A. E. Lopes, C. Q. S. Coutinho, & S. Almouloud (Orgs.), Estudos e reflexões em Educação Estatística (pp. 47-64). Campinas: Mercado de Letras.

Martins, M. N. P. & Carvalho, C. F. (2018). O ensino de gráficos estatísticos nos anos iniciais. Revista de Ensino de Ciências e Matemática (REnCiMa), 9(2), 247-264.

Ministério da Educação (MEC). (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

Ministério da Educação (MEC). (2002). Parecer CNE/CEB Nº 36/2001. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo, Brasília.

Ministério da Educação (MEC). (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC.

Molina, M. C. (2012). Legislação Educacional do Campo. In Caldart, R. S. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. (pp. 453-459). Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio.

Monteiro, C. (2005) Investigating critical sense in the interpretation of media graphs, Institute of Education. 2005. Tese de Doutorado. Coventry: The University of Warwick. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/40af/c75ef8a5986b950bbc80505afb290993b4b5.pdf?_ga=2.93718299.766641040.1570670825-282027453.1570670825

Monteiro, C. (1998). Interpretação de gráficos sobre economia veiculados pela mídia impressa. 1998. Dissertação de Mestrado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Monteiro, C., & Pinto, M. (2004). Teaching mathematics student teachers in challenging contexts, Proceedings of the 10th International Congress in Mathematics Education, Denmark, available at: http://www.icme-10.dk.

Monteiro, C., & Selva, A. C. V. (2001). Investigando a Atividade de Interpretação de Gráficos entre Professores do Ensino Fundamental. Anais da 24ª Reunião Anual da ANPED (pp. 1-160). Caxambu. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.

Monteiro, C., Leitão, V., & Asseker, A. (2009). Ensinando matemática em contextos socioculturais de educação. Horizontes, 27(1), 69-78.

Nemirovsky, R., & Tierney, C. (2001). Children creating ways to represent changing situations: on the development of homogeneous spaces, Educational Studies in Mathematics, 45(1-3), 67-102.

Sala de Notícias. (2013, 11 setembro). Educação na Amazônia – O campo [Ficheiro em vídeo]. Publicado pelo Canal Futura. Disponível em: https://youtu.be/dw6-r63HdV8.

Salcedo, A. (2017). Los gráficos estadísticos en la primaria venezolana: Una mirada desde el programa y el libro de texto de Matemáticas. In T. Ramírez, El Texto Escolar Diferentes Miradas (pp. 69-84). Caracas: Centro de Investigaciones Educativas UCV.

Santos, C. E. F., Paludo, C., & Oliveira, R. B. C. (2010). Concepção de educação do campo. In C. N. Z. Taffarel et al. (Orgs.). Cadernos didáticos sobre educação no campo (pp. 13-65). Salvador: UFBA.

Szymanski, M. L. S., & Martins, J. B. J. (2017). Pesquisas sobre a formação matemática de professores para os anos iniciais do ensino fundamental. Educação, 40(1), 136-146

Wanderley, M. N. B. (2004). Globalização e desenvolvimento Sustentável: dinâmicas sociais rurais no Nordeste brasileiro. São Paulo: Polis.

Publicado
2020-02-09
Como Citar
Souza, J. de, & Monteiro, C. E. F. (2020). Compreensões sobre gráficos por professores de escolas no campo . Zetetike, 28, e020005. https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8657061
Seção
Dossiê Temático