Relações étnico-raciais nos currículos dos cursos de licenciatura em matemática das IES baianas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v30i00.8667622

Palavras-chave:

Relações étnico-raciais, Formação de professores, Currículo de licenciatura em matemática

Resumo

O presente trabalho verificou a existência de discussões voltadas à educação para as relações étnico-raciais nos currículos dos cursos de Licenciatura em Matemática das instituições públicas baianas, bem como discutiu a importância e necessidade do tratamento deste tema, visando contribuir para uma educação que valorize e respeite a diversidade. A pesquisa documental e bibliográfica, de cunho qualitativo, foi realizada utilizando dados obtidos em documentos e pela escuta de coordenadores, professores e estudantes dos cursos, por meio de questionários. Percebeu-se, na maioria das instituições, a ausência dessas discussões, o que reflete desinteresse ou ausência de entendimento da necessidade de tratar da temática por parte das coordenações dos cursos, em contraponto à necessidade dos estudantes que percebem a influência dessa lacuna em sua formação ao se depararem com situações de racismo no contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Santana Araújo dos Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana

Mestranda em Educação pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Brasil.

Maria de Lourdes Haywanon Santos Araújo, Universidade Estadual de Feira de Santana

Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA/UEFS). Professora da Universidade Estadual de Feira de Santana, Brasil.

Referências

Cervo, A. L., Bervian, P. A., & SILVA, R da. (2007). Metodologia Científica. São Paulo: Pearson.

D’Ambrósio, U. (1987). Reflexões sobre Etnomatemática. Grupo Internacional de Estudos em Etnomatemática. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/50972290/etnomatematica.

Ferreira, C. M. da S. (2009). Formação de professores à luz da história e cultura afro-brasileira e africana: nova tendência, novos desafios para uma prática reflexiva. Dissertação de Mestrado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-24092009-152145/pt-br.php. Acesso em: 04 jan. 2021.

Fiorentini, D. (2004). A formação matemática e didático-pedagógica nas disciplinas da Licenciatura em Matemática. Revista de Educação PUC-Campinas, (18), 107-115.

Freire, P. (2002). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Garnica, A. V. M. (2014). Cartografias Contemporâneas: Mapear a Formação de Professores de Matemática. In A. V. Garnica & A. V. Marafioti (org.). Cartografias Contemporâneas: Mapeando a Formação de Professores de Matemática no Brasil. Curitiba: Appris.

Giovedi, V. M. (2012). O currículo-libertador como forma de resistência e de superação da violência curricular. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Pontífica Universidade Católica de São Paulo. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/9686/1/Valter%20Martins%20Giovedi.pdf. Acesso em: 18 de setembro, 2021.

Gomes, N. L. (2007). Diversidade e currículo. In: N. L. Gomes, J. Beauchamp, S. D. Pagel, A. R. do Nascimento. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Gomes, N. L. (2011). Diversidade étnico-racial, inclusão e equidade na educação brasileira: desafios, políticas e práticas. RBPAE , 27(1), 109-121.

Gomes, N. L. (2012). Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem Fronteiras, 12(1), 98-109.

IBGE. (2020). População por cor ou raça por unidade da Federação. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6403#resultado.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. de A. (2010). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.

Libâneo, J. C., Oliveira, J. F. de, & Toschi, M. S. (2003). Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez.

Manrique, A. L. (2009). Licenciatura em matemática: formação para a docência x formação específica. Educação Matemática Pesquisa, 11(3). Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/2830.

Monteiro, G. R. F., Santos, G. C. S., & Barduni Filho, J. (2020). As relações étnico-raciais nos currículos das licenciaturas na UEMG-Carangola: notas sobre a proposição de novas epistemologias críticas e construtivas. Pró-Discente, 26(1), 50-7.

Moreira, A. F. B. (org.). (2008). Currículo: Questões atuais. Campinas: Papirus.

Moreira, D. (2004). A Etnomatemática e a formação de professores. Discursos, 2, 27-38. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/156.

Rocha, D. R. da, Lino, L. A., & Gonçalves, S. da R. V. (org.). (2019). BOLETIM ANFOPE n. 4 - Ano 2019. Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (ANFOPE), 4, 1-8. Disponível em: http://www.anfope.org.br/wp-content/uploads/2019/12/BOLETIM-04-2019-ANFOPE-2019-n4.pdf.

Sacristán, J. G. (2000). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed.

Santos, M. D. de S. dos. (2018). A importância da diversidade na educação: um olhar sobre a cultura afro-brasileira. Revista Espaço Acadêmico, 17(201), 11-20. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/35784.

Santos, M. F., & Souza, M. M. (2018). Pedagogia ou Pretagogia? Movimentos de sentidos no discurso pedagógico em um curso de licenciatura em Matemática. Revista Espaço Acadêmico, 18(207), 16-28.

Saviani, D. (2016). Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento, 3(4), 54-84. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistamovimento/article/view/32575/18710. DOI: https://doi.org/10.22409/movimento2016.v0i4.a20909

Silva, C. R. R. da, & Lúzio, J. (2019). Educação e pesquisa na desconstrução do racismo no Brasil: desafio, resistências e avanços. In E. F. Lima, F. F. dos Santos, H. A. Y. Nakashima, & L. A. Tedeschi (Org.). Ensaios sobre racismos: pensamento de fronteira. [S. l.]: Balão Editorial.

Silva, N. da, & Ferreira, C. M. da S. (2008). Formação de professores com base na Lei 10.639/03: cultura Africana e o legado de Eduardo Mondlane nos dias atuais. Revista Millenium, 13(34). Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/millenium34/default.htm.

Silva, T. T. da. (1995). Currículo e identidade social: territórios contestados. In T. T. da Silva (org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes.

Skovsmose, O. (2001). Educação Matemática e Democracia. In O. Skovsmose. Educação Matemática Crítica: a questão da democracia. Tradução: Abgail Lins. 1. ed. Campinas: Papirus.

Trindade, A. L. da. (1994). O racismo no cotidiano escolar. Dissertação de Mestrado em Educação. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos Avançados em Educação. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/8948/000304120.pdf. Acesso em: 23 dez. 2020.

Valente, W. R. (2007). História da Educação Matemática: interrogações metodológicas. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 2, 28-49. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/12990/12091.

Valente, W. R. (2017). Os saberes para ensinar matemática e a profissionalização do educador matemático. Revista Diálogo Educacional, 17(51), 207-222. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/2836/2758. DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416x.17.051.ao04

Publicado

2022-05-26

Como Citar

SANTOS, T. S. A. dos; ARAÚJO, M. de L. H. S. Relações étnico-raciais nos currículos dos cursos de licenciatura em matemática das IES baianas. Zetetike, Campinas, SP, v. 30, n. 00, p. e022012, 2022. DOI: 10.20396/zet.v30i00.8667622. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8667622. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático