O uso do filme na formação de professores

Autores

  • Adriana Varani Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Laura Noemi Chaluh Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v10i1.1013

Palavras-chave:

Formação de professores. Filmes. Práticas pedagógicas.

Resumo

Em nossas práticas educativas como professoras na formação inicial e continuada de professores e em nossos processos formativos, temos usado os filmes em sala de aula. Estas experiências nos levaram a refletir sobre a importância dos seus usos na formação de professores. As produções de Napolitano, Miranda, Almeida, Oliveira Jr., dentre outros, nos permitiram problematizar acerca do seu uso na escola. Trazemos para a discussão uma experiência de aula e a partir dela discutimos o uso do filme no trabalho pedagógico. Afirmamos a necessidade de valorizar o filme como um produto cultural na sala de aula, quando a partir da experiência referida foi possível explicitar as múltiplas leituras que o filme provoca. Resgatamos neste artigo a idéia da experiência estética e suas implicações no contexto da sala de aula e discutimos acerca da intencionalidade do uso do filme nesse mesmo contexto. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Varani, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Pedagoga - professora dos anos iniciais do ensino fundamental. Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP, pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Continuada (GEPEC) e, atualmente professora da PUCCAMP

Laura Noemi Chaluh, Universidade Estadual de Campinas

Professora para o Ensino Primário (Ensino Fundamental I e II). Licenciada em Ciências da Educação. Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP, pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Continuada (GEPEC)

Referências

ALMEIDA, M. J. Cinema, Arte da Cidade. Pro-Posições, Campinas, v. 10, n.1 (28), p. 157-162, mar. 1999.

ALVES, N. Contar o passado, analisar o presente e sonhar o futuro. In: ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

CANDAU, V. Didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1985.

CERTEAU, M. A invenção do Cotidiano: artes de fazer. 8 ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

CHALUH, L. N. Leitura e escrita: possibilidades para a reflexão. In: PRADO, G. V. T.; SOLIGO. R. (Orgs.) Porque escrever é fazer história. Campinas: Graf. FE, 2005.

DAMASCENO, E. A. Saberes e Conhecimentos docentes e formação de professores: dos saberes e conhecimentos da prática aos saberes e conhecimentos da formação. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

DICKEL, A. Que sentido há em se falar em professor-pesquisador no contexto atual? Contribuições para o debate. In: GERALDI, C. M. G.; FIORENTINI D.; PEREIRA, E. M. A, (Orgs.) Cartografias do trabalho docente: professora(a)-pesquisador(a), Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura de Brasil – ALB, 1998 (Coleção Leituras no Brasil).

FREITAS, Helena C. L. O trabalho como princípio articulador da Teoria e Prática: uma análise da Prática de Ensino e Estágios Supervisionados na Habilitação do Magistério do Curso de Pedagogia da FE/UNICAMP. 1993. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

GARCIA, R. L.; ALVES N. Conversa sobe pesquisa. In: ESTEBAN, M. T.; ZACCUR, E. (Orgs.). Professora-pesquisadora - uma práxis em construção. Rio de Janerio: DP&A, 2002.

GERALDI, Corinta Maria Grisolia. A produção do ensino e pesquisa na graduação: estudo sobre o trabalho docente no curso de Pedagogia-FE/UNICAMP. 1993. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

GERALDI, J. W. A aula como acontecimento. Aveiro: Universidade de Aveiro Campus Universitário de Santiago, 2004.

GERALDI, J. W. Depois do 'show', como encontrar encantamento? Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, v. 44, n. 44, p. 251-261, 2003.

GIMENO SACRISTÁN, J. Docencia y Cultura Escolar: Reformas y Modelo Educativo. Buenos Aires: Lugar Editorial, 1997.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 6. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

HARGREAVES, A. Dimensiones subjetivas y institucionales de la formación docente. In: BIRGIN, A. et al. (Orgs.). La Formación Docente: cultura, escuela e política. Debates y experiencias. Buenos Aires: Troquel Educación, 1998. p. 135-146.

KRAMER, S. Por entre as pedras: arma e sonho na escola. 3. ed. São Paulo: Editora Ática, 2003.

KRAMER, S. Propostas pedagógicas ou curriculares: subsídios para uma leitura crítica. Educação & Sociedade, ano XVIII, n. 60, p. 15-35. dez. 1997.

MIRANDA, C. E. A. Ver filmes, dizer educação, olhar cultura. Revista de Educação PUC- Campinas, v. 3, n.5, p. 13-20, 1998.

NAPOLITANO, M. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Editora Contexto, 2003.

OLIVEIRA JR., W. M. Filmes & Professores: Momentos de uma oralidade muito presente. Pro-Posições, v. 10, n.1(28) março de 1999. p.163-178

ROCKWELL, E.; EZPELETA, J. Etnografia na pesquisa educacional. In: ROCKWELL, E.; EZPELETA, J. (Orgs.). Pesquisa participante. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1986. p. 9-30.

TEIXEIRA, I. A. C.; LOPES, J. S. M. A escola vai no cinema. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

2009-02-04

Como Citar

Varani, A., & Chaluh, L. N. (2009). O uso do filme na formação de professores. ETD - Educação Temática Digital, 10(1), 1–23. https://doi.org/10.20396/etd.v10i1.1013