Banner Portal
Estudos do cotidiano, pequisa em educação e vida cotidiana: o desafio da coerência
PDF

Palavras-chave

Currículo. Juventude. Cotidiano

Como Citar

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Estudos do cotidiano, pequisa em educação e vida cotidiana: o desafio da coerência. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, p. 162–184, 2009. DOI: 10.20396/etd.v9i0.1050. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1050. Acesso em: 20 jun. 2024.

Resumo

As pesquisas nos/dos/com os cotidianos se desenvolvem simultaneamente ao desenvolvimento da própria metodologia desse modo de pesquisar. Isso porque, para recuperar a importância das práticas microbianas, singulares e plurais, dos praticantes da vida cotidiana (Certeau, 1994) é necessário vivenciar esse processo de (re)invenção do ato de pesquisar. Parece cada vez mais fundamental ir-se à vida cotidiana, ao que acontece e ao que estão vivendo as pessoas para se pensar políticas sociais. Definir juventude, o que ela é, como é possível pensá-la e abordá-la são questões centrais para o debate a respeito dos modos como a sociedade pode e deve desenvolver políticas apropriadas às necessidades e anseios desse heterogêneo grupo social. A crescente consciência sobre a insuficiência dos métodos de pesquisa associados ao cientificismo positivista – voltados para as generalizações e definição de modelos – para a compreensão da complexa dinâmica que envolve a vida cotidiana associa-se à convicção de que o desenvolvimento epistemológico da noção de cotidiano é indissociável daquele das metodologias das pesquisas que nele, com ele e sobre ele se desenvolvem. O texto traz uma reflexão teórico-epistemológico-metodológica sobre o tema, entendendo que um dos principais desafios a ser enfrentado pelo campo sociológico dos chamados estudos do cotidiano – seja para pensar a juventude, a escola, ou outras questões – é a coerência interna entre essas diferentes, mas indissociáveis, dimensões. 

https://doi.org/10.20396/etd.v9i0.1050
PDF

Referências

ALVES, N. Decifrando o pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In Alves, N. e Oliveira, I.B. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

ALVES, N. Cultura e cotidiano escolar. Revista Brasileira de Educação, Rio de

Janeiro/Campinas: ANPEd/Autores Associados. 2003.

ALVES, N. Alteridade, epistemologia e cotidiano escolar. Texto apresentado em sessão

especial Na XXVII Reunião anual da ANPEd. Caxambu, outubro de 2004.

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. A Pesquisa e a criação de conhecimentos na pós-graduação em educação no Brasil: conversas com Maria Célia Moraes e Acácia Kuenzer. Educação & Sociedade, n.96, v.27, p.577 - 602, 2006a.

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. A importância do diálogo entre as múltiplas formas de fazer pesquisa em Educação: sobre as relações possíveis entre práticas e teorias. Educação & Linguagem, v.1, p.59 - 89, 2006b.

AZEVEDO, J. G. Fazer com paixão sem perder a razão. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

BAUMAN, Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro, Zahar, 1998.

BAUMAN, Z. Amor líquido. Rio de Janeiro, Zahar, 2004.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

EZPELETA, J.; ROCKWELL, E. Pesquisa participante. São Paulo: Cortez, 1986.

FERRAÇO, C. E. Ensaio de uma metodologia efêmera: ou sobre as várias maneiras de se sentir e inventar o cotidiano escolar. In: Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

FERRAÇO, C. E. Eu caçador de mim. In Garcia, R. L. Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. Petrópolis: Paz e Terra, 1991.

GARCIA, R. L. Método: pesquisa com o cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia das Letras, 1989.

HABERMAS, J. La théorie de l’agir communicationnel. Paris : Fayard, 1987.

LEFEBVRE. M. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 1991.

MANGUEL. A. Lendo imagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

OLIVEIRA, I. B. Currículos praticados: entre a regulação e a emancipação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

OLIVEIRA, I. B. O campo de estudos do cotidiano e sua contribuição para a pesquisa em educação In: Carvalho, J. M. et al. Desafios da educação básica e pesquisa em educação. Vitória: EDUFES, 2007a.

OLIVEIRA, I. B. Aprendendo nos/dos/com os cotidianos a ver/ler/ouvir/sentir o mundo. Educação e Sociedade, n. 98, v.28. Campinas: CEDES, 2007b.

OLIVEIRA, I. B.; SGARBI, P. (Orgs.), Dossiê cotidiano escolar. Educação e Sociedade, n. 98, v.28. Campinas: CEDES, 2007a.

OLIVEIRA, I. B. Estudos do cotidiano e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007b.

PAIS, J. M. Vida cotidiana: enigmas e revelações. São Paulo: Cortez, 2003.

PENIN, S. Cotidiano e escola: a obra em construção: o poder das práticas cotidianas na transformação da escola. São Paulo: Cortez, 1989.

SANTOS, B. S. Entre Dom Quixote e Sancho Pança. Revista crítica de ciências sociais, n. 37. CES: Coimbra, 1993.

SANTOS, B. S. Pela mão de Alice: o social e o político na transição pós-moderna. São Paulo: Cortez, 1995.

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, B. S. Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, B. S. A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2006.

SIMMEL, G. On individuality and social forms. Chicago: University of Chicago Press,

VICTORIO FILHO, A. As artes na/da educação: a invenção cotidiana da escola. 2005. 213 fl. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

VICTORIO FILHO, A. Pesquisar o cotidiano é criar metodologias. In: VICTORIO FILHO, A. Dossiê Cotidiano Escolar. Educação e Sociedade, v.28, n. 98. Campinas: CEDES, 2007.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.