Por que somos tão disciplinares?

Autores

  • Alice Casimiro Lopes Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9i0.1052

Palavras-chave:

Currículo. Disciplina. Hibridismo. Identidade. Política.

Resumo

Com base na discussão acumulada no campo do currículo sobre organização do currículo escolar, reflito, neste artigo, sobre a disciplinarização do conhecimento que nos constitui como pesquisadores. Por que ainda somos tão disciplinares? Mesmo em um campo no qual o debate crítico sobre as disciplinas é tão acentuado, por que ainda organizamos nossos periódicos, congressos, processos de avaliação nas agências de fomento e aulas de maneira disciplinar? Analiso neste artigo que a resposta a essas questões não é encontrada nas dinâmicas gerais da organização do conhecimento científico, nem pode ser reduzida à dicotomia entre ser contra ou a favor das disciplinas. Defendo como a discussão sobre as disciplinas nos dirige a um debate sobre política e identidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alice Casimiro Lopes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Pesquisadora do CNPq; Coordenadora do grupo de pesquisa Currículo: sujeitos, conhecimento e cultura.

Referências

APPADURAI, A. Grassroots globalization and the research imagination. Public Culture, v. 12, n.1, p.1-19. 2000.

BORGES, J. L. Ficções. São Paulo: Círculo do Livro, 1975.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp, 1998.

CANETTI, E. Auto-de-fé. São Paulo: Cosac-Naify, 2004.

LACLAU, E. Emancipation(s). London: Verso, 1996.

LACLAU, E. La razón populista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2005.

BARRETO, A. H. A. L. Biblioteca. In: ARRETO, A. H. A. L. Histórias e sonhos. São Paulo: Brasiliense, 1956, p. 139-150.

LOPES, A. C. Currículo e epistemologia. Ijuí: Unijuí, 2007.

LOPES, A. C. Políticas de integração curricular. Rio de Janeiro: EdUERJ/Faperj, 2008.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. The curriculum field in Brazil in the 1990s. In: PINAR, W. F. (Ed.). International Handbook of Curriculum Research. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2003. p. 185-204.

LOPES, A. C., MACEDO, E.; PAIVA, E. Mapping Researches on Curriculum in Brazil. Journal of the American Association for the Advancement of the Curriculum, Wisconsin, EUA, v. 2, n. 1, p. 1-30, 2006.

LÓPEZ, S. B.; LOPES, A. C. 2006. A performatividade na política de currículo: o caso do ENEM. Anais do XIII ENDIPE. Recife: CD-Rom. 15 p.

MOUFFE, C. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1996.

MOUFFE, C. Identidade democrática e política pluralista. In: MENDES, C.; SOARES, L. E. (Orgs.). Pluralismo cultural, identidade e globalização. Rio de Janeiro: Record, p. 410-430, 2001.

SARAMAGO, J. Todos os nomes. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Downloads

Publicado

2009-01-13

Como Citar

Lopes, A. C. (2009). Por que somos tão disciplinares?. ETD - Educação Temática Digital, 9, 201–212. https://doi.org/10.20396/etd.v9i0.1052