Máscaras: multidão: dispersão: dois pontos

Autores

  • Elenise Cristina Pires de Andrade Faculdades Network
  • Érica Speglich Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9i0.1055

Palavras-chave:

Educação.

Resumo

Costumava ser mais fácil: fechar as fronteiras, montar os bloqueios de estrada,
parar os trens, cortar as linhas telefônicas e então reprimir seu povo com impunidade. Foi isto o que os militares fizeram na antiga Birmânia quando esmagaram um levante pró-democracia em 1988. Na semana passada, quando os generais começaram a atacar os monges budistas e seus simpatizantes nas ruas de Mianmar, eles descobriram que o mundo tinha mudado. As pessoas estavam assistindo. A junta se viu face a face com uma revolução na tecnologia da resistência, na qual um exército guerrilheiro de cidadãos repórteres estava transmitindo vídeos, fotos e notícias pela Internet enquanto os eventos se desenrolavam. As imagens chegaram às telas de televisão e aos jornais, e o mundo foi inundado de cenas de dezenas de milhares de monges nas ruas e do caos e violência enquanto a junta reprimia o maior levante popular em duas décadas. A velha tecnologia de armas e cassetetes foi superada pelo imediatismo da comunicação eletrônica de uma forma que o mundo nunca viu. (...)"Hoje, todo cidadão é um correspondente de guerra", disse Phillip Knightley, autor de "The First Casualty" (a primeira baixa), uma história do jornalismo de guerra que começa com as cartas enviadas por soldados na Criméia, nos anos 1850, à "guerra na sala de estar" no Vietnã nos anos 70, quando pessoas puderam assistir uma guerra pela televisão pela primeira vez."Os celulares com vídeo com capacidade de transmissão possibilitaram a qualquer um noticiar uma guerra", ele escreveu em uma entrevista por e-mail. "Basta apenas estar lá".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenise Cristina Pires de Andrade, Faculdades Network

Bióloga; Mestre e Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas; Professora e coordenadora do curso de Pedagogia das Faculdades Network.

Érica Speglich, Universidade Estadual de Campinas

Bióloga; Mestre em Educação e Doutoranda do pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas; Bolsista CNPq.

Referências

AGAMBEN, G. Defining movement. Seminário realizado em Padova na Nomad University com o tema Guerra e Democracia, em janeiro de 2005. Transcrito e traduzido por Arianna Bove. Disponível em: http://www.generation-online.org/t/translations.htm . Acesso em: jun.

AMORIM, A. C. R. Invisível e não enunciável: cinema brasileiro e amnésia de identidades. Educação & Sociedade, v. 27, n.97, p. 1367-1372, set./dez., 2006.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Kafka, por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago,

DELEUZE, G. Lógica do sentido. 4.ed., 2.reimpressão. São Paulo: Editora Perspectiva, 2003.

DELEUZE, G. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007.

FURTADO, S. B. B. Imagens que resistem. O intensivo no cinema de Aleksander Sokurov. 2007. Tese (Doutorado) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal do Ceará, 2007.

GUATTARI, F. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2000.

LAZZARATO, M. A deafening noise. Publicado originalmente em Futur Antérieur 23, 1994/3-4. Tradução disponível em: http://www.generation-online.org/t/translations.htm. Acesso em: jun. 2008.

VIRNO, P. One and many. Em italiano: Quando il verbo si fa carne (Bollati Boringhieri, Torino, 2003) Traduzido para o inglês por Nate Holdren. Capítulo 7, p.186-187. Disponível em: http//www.generation-online.org/t/translations.htm . Acesso em jun. 2008.

Downloads

Publicado

2009-01-13

Como Citar

Andrade, E. C. P. de, & Speglich, Érica. (2009). Máscaras: multidão: dispersão: dois pontos. ETD - Educação Temática Digital, 9, 253–261. https://doi.org/10.20396/etd.v9i0.1055