Mapas conceituais e aprendizagem no ciberespaço: uma reflexão sobre didática e partituras musicais

  • Eloiza da Silva Gomes de Oliveira Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Marcos Antônio da Silva Centro Universitário Carioca
Palavras-chave: Mapas conceituais. Aprendizagem. Tecnologia de informação e comunicação. Didática.

Resumo

Este artigo trata da importância dos mapas conceituais como estratégia didática, nas aprendizagens realizadas em ambientes virtuais. Conceitua a interação, suas peculiaridades e desafios, buscando alguns conceitos em Piaget, Vygotsky, Primo e Cassol. Na analogia que criamos – turmas e orquestras, didática e partituras musicais – a interação garante a harmonia do conjunto, a produtividade e a significância da aprendizagem, coletivamente construída. O processo de ensino, que tem como peculiaridade a intencionalidade, faz com que surjam procedimentos didáticos. Este processo gera um corpo de conhecimentos sobre o ensino: a Didática. Os processos de ensino e aprendizagem realizados a distância demandam a criação de uma didática específica. Apontamos os mapas conceituais, criados por Novak e fundamentados na teoria de Ausubel, como uma excelente opção metodológica. Eles são uma ferramenta gráfica utilizada para representação da estrutura conceitual de um determinado conhecimento. Formam uma estrutura que vai dos conceitos mais abrangentes até os menos inclusivos. São utilizados para ordenar e seqüenciar hierarquizadamente os conteúdos de ensino, oferecendo estímulos adequados ao aluno. Tornam mais significativa e prazerosa a aprendizagem do aluno, que transforma o conhecimento sistematizado em conteúdo curricular, estabelecendo ligações do conhecimento com os conceitos relevantes que ele já possui. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eloiza da Silva Gomes de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Possui Graduação em Psicologia e em Pedagogia, Especialização em Supervisão Educacional e Mestrado em Psicologia Escolar. Concluiu o Doutorado em Educação (Universidade Federal do Rio de Janeiro) em 1997. 
Marcos Antônio da Silva, Centro Universitário Carioca
Graduado em pedagogia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (2002). Mestre em Educação em Ciências e Saúde pelo Núcleo de Tecnologia Educacional em Ciências e Saúde - NUTES da UFRJ (2008) Instrucional Designer FACEL.

Referências

AUSUBEL, D. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo, SP: Moraes, 1982.

BERLO, David K. O processo da comunicação: introdução à teoria e à prática. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1991.

CARVALHO, A. M. P.; VIANNA, D. A quem cabe a Licenciatura. Ciência e Cultura, v.40, n.2, p. 143-147, 1988.

CANDAU, Vera Maria. (Org.). A Didática em questão. Petrópolis: Vozes, 1984.

CASTRO, Amélia D. O ensino: objeto da Didática. In: CASTRO, Amélia D.; CARVALHO, Anna Maria P. (Org.). Ensinar a ensinar. Didática para a escola fundamental e média. São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning, 2002.

DOLLE, Jean – Marie. Para além de Freud e Piaget. Referências para novas perspectivas em Psicologia. Petrópolis: Vozes, 1993.

FISHER, B. A. Interpersonal communication: pragmatics of human relationships. New York: Random House, 1987.

GARRIDO, Elsa. Sala de Aula: espaço de construção do conhecimento para o aluno e de pesquisa e desenvolvimento profissional para o professor. In: CASTRO, Amélia D. de; CARVALHO, Anna Maria P. de (Org.). Ensinar a ensinar. Didática para a escola fundamental e média. São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning, 2002.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência – O futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

MOREIRA, Marco Antônio. Mapas conceituais como instrumentos para promover a diferenciação conceitual progressiva e a reconciliação integrativa. Ciência e Cultura, v.32, n.4, p. 474-479, 1980.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1996.

ONTORIA A., DE LUQUE A. & GÓMEZ, J. P. R. Aprender com mapas mentais. Uma estratégia para pensar e estudar. São Paulo, SP: Madras, 2004.

PIAGET, Jean. A Equilibração das Estruturas Cognitivas: o problema central do conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores, 1977.

PIAGET, Jean. Biologia e Conhecimento. São Paulo, SP: Vozes, 1996.

PRIMO, Alex e CASSOL, Márcio. Explorando o Conceito de interatividade: definições e taxonomias. Disponível em: http://usr.psico.ufrgs.br/~aprimo/pb/pgie.htm. Acesso em: 05 set.2005.

VYGOTSKY, Lev S. Mind in Society. Cambridge: Harvard University Press, 1978.

VYGOTSKY, Lev S. La Imaginación y el Arte en la Infancia (Ensayo psicológico). México (DF): Hispánicas, 1987.

VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987a.

Publicado
2010-07-07
Como Citar
Oliveira, E. da S. G. de, & Silva, M. A. da. (2010). Mapas conceituais e aprendizagem no ciberespaço: uma reflexão sobre didática e partituras musicais. ETD - Educação Temática Digital, 8(1), 72-89. https://doi.org/10.20396/etd.v8i1.1109