Auto-estima: gênese e constituição de um atributo construído socialmente

  • Adriana de Fátima Franco Universidade Estadual de Maringá
  • Claudia Davis Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Psicologia sócio-histórica. Autoestima. Fracasso escolar. Consciência.

Resumo

Este estudo analisa, nos marcos da perspectiva sócio-histórica, os elementos constitutivos da construção social da autoestima no processo ensino-aprendizagem de alunos que viveram histórias de fracasso na escola. Nortearam a sua construção os seguintes pontos: as relações entre autoestima e aprendizagem nas últimas três décadas e o desenvolvimento do psiquismo humano. Analisou-se, por meio do relato da história de vida, o processo de construção da autoestima de dois jovens que frequentaram classes de aceleração, identificando, pela mediação das abstrações teóricas advindas da Psicologia Sócio-Histórica, a maneira como a realidade vivida foi significada e valorada. Pela análise biográfica verificou-se que a autoestima está atrelada a um contexto amplo e que, enquanto as condições concretas de vida não forem modificadas, alterações na consciência e, portanto, na forma de avaliar não devem ser esperadas. Assim sendo, a autoestima, como todo fenômeno humano, é produzida nas condições concretas de existência, e a escola deve estar efetivamente comprometida com a humanização de seus alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana de Fátima Franco, Universidade Estadual de Maringá

Professora adjunta do Programa de Mestrado em Educação da UTP-PR.

Claudia Davis, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora titular do departamento de estudos Pós-Graduados em Psicologia da Educação da PUC-SP e pesquisadora sênior da Fundação Carlos Chagas.

Referências

AGUIAR, W. M. J. Reflexões a partir da psicologia sócio-histórica sobre a categoria – consciência. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 110, p. 125-42, jul. 2000.

AMARAL, S. A. A imagem de si em crianças com histórico de fracasso escolar à luz da teoria de Henri Wallon. 2001. Tese (Doutorado em Educação), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

BARROSO, C. L. M.; BARRETO, E. S. S. O vestibular e a auto-estima do jovem. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.16, 1976.

DUARTE, N. O bezerro de ouro, o fetichismo da mercadoria e o fetichismo da individualidade. In: DUARTE, N. (Org.). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004. p. 1-19.

FRANCO, A. F. Auto-estima nas classes de aceleração: da concepção teórica à implementação. Dissertação (Mestrado), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

GONÇALVES, M. G. M. Fundamentos metodológicos da psicologia sócio-histórica. In: BOCK, A. M. B.; GONÇALVES, M. G. M.; FURTADO, O. (Org.). Psicologia sócio- histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo, SP: Cortez, 2001. p.113-128.

MACHADO, A. M. Avaliação e fracasso: a produção coletiva do fracasso escolar. In: AQUINO, J. G. (Coord.). Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo, SP: Summus, 1997. p. 73-90.

MARTINS. L. M. Análise sócio-histórica do processo de personalização de professores. Tese (Doutorado), Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2001.

MARTINS. L. Da formação humana em Marx à Critica da Pedagogia das Competências. In: DUARTE, N. (Org). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004. p. 53-73.

MEIRA, M. E. M.; TANAMACHI, E. R. A atuação do psicólogo como expressão do pensamento crítico em psicologia e educação. In: MEIRA, M. E. M.; ANTUNES, M. A. M.(Org). Psicologia escolar: práticas críticas. São Paulo: Casa do psicólogo, 2003 .p.11-62.

MOYSÉS, L. M. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. Campinas: Mercado das letras, 2001. 264 p.

MOYSÉS, L. M. Efeitos da valorização pessoal e clarificação de valores sobre a auto-estima de menores institucionalizados. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1982.

MOYSÉS, L. M. et al. Mudança de auto-estima em crianças de baixo nível sócio-econômico. Educação e Realidade, Porto Alegre, mai./ago., 1985.

NEVES, W. M. J. As formas de significação como mediação da consciência: um estudo sobre o movimento da consciência de um grupo de professores. Tese (Doutorado Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo,1997.

OLIVEIRA, B. A dialética do singular-particular-universal. In: ENCONTRO DE PSICOLOGIA SOCIAL E COMUNITÁRIA, 5., Bauru. Anais... Bauru: ABRAPSO, 2001.

OLIVEIRA, I. M. Preconceito e autoconceito: identidade e interação na sala de aula. Campinas, [SP]: Papirus, 1994. (Coleção Magistério, formação e trabalho pedagógico), 119 p.

OLIVEIRA, M. I. Auto-estima: subsídios para avaliação em universitários. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1984.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo, SP: T. A. Queirós, 1996. 385 p.

PATTO, M. H. S. Exercícios de indignação: escritos de educação e psicologia. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo, 2005. 189 p.

PETROVSKI, A. V. Psicologia. Moscou: Progresso, 1989.

POLI, A. S. Aceleração da aprendizagem: de quem? Chapecó: Argos, 2003. 162 p.

SANTOS, S. L. S. A. Relembrando a trajetória de vida: uma forma de alcançar a articulação entre auto-conceito, auto-estima e desempenho docente? Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003

SÃO PAULO (EST.) F.D.E. Reorganização da trajetória escolar no Ensino Fundamental: Classes de aceleração: proposta pedagógica curricular e demais documentos. São Paulo, SP: FDE, 1997.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 29. ed. Campinas: Autores Associados, 1995.104 p.

SAVIANI, D. Perspectiva marxiana do problema subjetividade-intersubjetividade. In: DUARTE, N. (Org). Crítica ao fetichismo da individualidade. Campinas: Autores Associados, 2004. p.21-45.

SAWAIA, B. S. A consciência em construção no trabalho de construção da existência. Tese (Doutorado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1987.

SILVA, I. V.; ALENCAR, E. M.; GONZÁLES, L. S. Autoconceito, rendimento acadêmico e escolha do lugar de sentar entre alunos de nível sócio econômico médio e baixo. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 1, 1986.

SMOLKA, A. L. B. Sentido e significação: sobre significações e sentido: uma contribuição à proposta de rede de significação. In: ROSSETTI-FERREIRA, M. C. et al. Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004.

TULESKI, S. C. Vygotski: a construção de uma psicologia marxista. 2. ed. Maringá: Eduem, 2008. 207 p.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1998. 191 p.

VYGOTSKY, L. S. Las emociones y su desarrollo en la edad infantil. In: VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas II. Madrid: Centro de Publicaciones del M.E.C. y Visor Distribuciones, 1993. p. 403-22.

VYGOTSKY, L. S. La psique, la consciencia, el inconsciente. In: VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas. Madrid: Centro de Publicaciones del M.E.C. y Visor Distribuciones, 1991. p. 95-110.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1987. 190 p.

Publicado
2010-11-22
Como Citar
Franco, A. de F., & Davis, C. (2010). Auto-estima: gênese e constituição de um atributo construído socialmente. ETD - Educação Temática Digital, 13(1), 99-118. https://doi.org/10.20396/etd.v13i1.1168