Tecnologias assistivas e deficiência: algumas considerações

  • Rita de Cassia de Sena Pardo Pereira Núcleo de Tecnologia Educacional de Feira de Santana
Palavras-chave: Acessibilidade. Tecnologias Assistivas. Tecnologias da Informação e Comunicação.Inclusão.

Resumo

O presente trabalho possui a finalidade de analisar o potencial das Tecnologias Assistivas (TA), enquanto ferramentas facilitadoras do processo de aprendizagem das pessoas com deficiência, observando se as mesmas oferecem possibilidades de acesso de modo inclusivo ou exclusivo, para aquelas pessoas. Desta forma, este trabalho, buscou investigar algumas possibilidades, além da aceitação das diferenças como natural ao ser humano, com a apropriação das TA para a promoção da sua autonomia e exercício pleno da sua cidadania, contribuindo para tornar a sociedade mais justa e democrática, onde todos são aceitos e respeitados como cidadãos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita de Cassia de Sena Pardo Pereira, Núcleo de Tecnologia Educacional de Feira de Santana

Professora Especialista em Informática Educativa e Mídias na Educação – Núcleo de Tecnologia Educacional de Feira de Santana.

Referências

BARTH, C.; SANTAROSA, L. M. C. Teclado Virtual para a Escrita de Sinais em LIBRAS. In: Taller Internacional de Software Educativo –TISE. Chile, 2005. Disponível em http://www.tise.cl/archivos/tise2005. Acesso em 01 fev. 2010.

BERSCH, R.; TONOLLI, J. C. O que é Tecnologia Assistiva? Disponível em: http://www.bengalalegal.com/tecnol-a.php2006. Acesso em 04 jan. 2010.

BORGES, A. Tecnologia adaptativa e Brasil. Curso de Especialização – PUC, Rio de Janeiro, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Juarez de Oliveira. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

BRASIL. Decreto n. 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção,e dá outras providências. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos /pdf/dec3298. pdf. Acesso em: 22 maio 2010.

BRASIL. Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L10098.htm. Acesso em: 04 fev. 2010.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 2. ed.São Paulo, SP: Paz e Terra, 1999.

CENTRO DE TECNOLOGIA DE SOFTWARE. Projeto Rybená. Disponível em: http://www.rybena.org.br/default/index.jsp. Acesso em: 23 jan. 2010

CERTIC - Centro de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade. Disponível em: http://www.acessibilidade.net/web/. Acesso em: 22 mai. 2010.

DICIONÁRIO EDITORA DA LÍNGUA PORTUGUESA. 8 ed. São Paulo, SP: Porto Editora, 2001.

DUTRA, M. C. Inclusão social da pessoa com deficiência: uma questão de políticas públicas.In: BRASIL. Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais de alunos surdos. 2 ed. Brasília: MEC; Secretaria de Educação Especial, 2006.

ENCICLOPÉDIA on-line. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ano_Internacional_dos_Deficientes. Acesso em: 01 mai. 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. “Censo 2000”. 2005. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 04 fev. 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 34. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 2002.

LÉVY, P. As tecnologías da inteligência. São Paulo, SP: Ed. 34, 1993.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo, SP: Ed. 34, 1999.

PRATES, R. O. Introdução à interação humano-computador: conceitos básicos. Belo Horizonte: DCC; UFMG, 2006. Disponível em: http:// homepages. dcc.ufmg.br ~rprates/ihc/aula2_conceitos.pdf. Acesso em: 10 fev. 2010.

PRATES, R. Resolução n.37/52, de 3 de dezembro de 1982, pela qual ela adotou o Programa Mundial de Ação relativo a Pessoas com eficiência, e a resolução 37/53 de 3 de dezembro de 1982, na qual ela proclamou o período de 1983-1992 como a Década das Pessoas com Deficiência das Nações Unidas. Disponível em http://www. mp.ma.gov.br/site/centrosapoio/DirHumanos/princPessoasIdade.htm. Acesso em 23 mar. 2010.

SASSAKI, R. K. Assistive Technology. 2004. Disponível em: http://www.assistiva.com.br>. Acesso em 04 fev. 2010.

SONZA, A. P. ; SANTAROSA, L. M. C. Ambientes digitais virtuais: acessibilidade aos deficientes visuais. Cinted-Ufrgs – Novas Tecnologias na Educação, v. 1, n. 1, fev. 2003.

SOUZA, J. S. Tabuleiro digital: vivências, dinâmicas e tensões: um estudo de caso. 106 fl. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, 2008.

TAKAHASHI, T. (Org.). Sociedade da informação no Brasil: livro verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.

Publicado
2011-08-30
Como Citar
Pereira, R. de C. de S. P. (2011). Tecnologias assistivas e deficiência: algumas considerações. ETD - Educação Temática Digital, 13(1), 119-133. https://doi.org/10.20396/etd.v13i1.1169