ONGs e escolas públicas: a palavra dos educadores

  • Daniel Monteiro da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Educação escolar. Educação não-formal. Educador social. ONGs.

Resumo

Este artigo analisa as conexões entre o público e o privado, no contexto particular do chamado “terceiro setor” e sua repercussão para a área educacional. Ao lado de outros atores, representados por organizações da sociedade civil, as organizações não-governamentais (ONGs) têm ganho cada vez mais visibilidade e despertado o interesse sob diferentes perspectivas. No Brasil, o tema da articulação entre o público e o privado, na área da educação, tem se apoiado muito mais em discursos do que em práticas. Neste artigo discuto resultados de pesquisa qualitativa na qual examino a hipótese de que existe uma contribuição entre ONGs e escolas públicas básicas. Algumas ONGs, na formulação de seus programas e projetos, apesar de estimularem estudantes a frequentar escolas, invalidam as ações por estas realizadas. Tais procedimentos têm contribuído para suscitar oposições entre ONGs e escolas públicas, traduzidas, por exemplo, nas atitudes de estudantes que demonstram interesse, comprometimento e engajamento nas ONGs e apatia, desmotivação e extrema aversão à escola. A falta de uma legislação específica, a ausência de estatísticas oficiais, os discursos sem fundamentação e a pouca visibilidade dos atores que efetivam a parceria entre ONG e escola são elementos importantes deste contexto. Docentes de escolas públicas que atuam simultaneamente em projetos sociais de ONGs se apresentam como atores privilegiados para a compreensão deste contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Monteiro da Silva, Universidade de São Paulo

Mestre em Educação pela USP. Professor da Escola Estadual Rodrigues Alves (São Paulo) e membro do GT. de Educação da Rede Nossa São Paulo

Referências

ARRUDA, M. ONGs e o Banco Mundial: é possível colaborar criticamente? In: TOMMASI, L., WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo: Cortez, Ação Educativa, PUC/SP, 1998. p. 41-73.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS – ABONG. O papel da sociedade civil nas novas pautas políticas. São Paulo, SP: Peirópolis; ABONG, 2004. 86 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS – ABONG. Um novo marco legal para as ONGs no Brasil: fortalecendo a cidadania e a participação democrática. São Paulo, SP: ABONG, 2007. 80 p.

BRUNSTEIN, J. ONGs e educação: novas possibilidades educativas? 2003. 235 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

CARVALHO, M. P. Um invisível cordão de isolamento: escola e participação popular. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 70, p. 65-73, ago. 1989.

CARVALHO, A. D.; BAPTISTA, I. Educação social: fundamentos e estratégias. Coleção educação e trabalho social. Portugal, Porto: Porto, 2004. 110 p.

CORAGGIO, J. L. Propostas do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção? In: TOMMASI, L., WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Org.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo, SP: Cortez; Ação Educativa; PUC/SP, 1998. p. 75-123.

GHANEM, E. Educação formal e não-formal: do sistema escolar ao sistema educacional. In: ARANTES, V. A. (Org.). Educação formal e não formal. São Paulo, SP: Summus, 2008. p. 59-89

LACERDA, P. M. (Org). Parcerias com escolas municipais do Rio de Janeiro 2009. Rio de Janeiro, RJ: Instituto Desiderata, 2009. 84 p.

MEREGE, L. C. Terceiro setor: a arte de administrar sonhos. São Paulo, SP: Plêiade, 2009. 194 p.

PERONI, V. M. V. A relação público/privado e gestão da educação em tempos de redefinição do papel do Estado. In : ADRIÃO, T.; PERONI, V. (Org.). Público e privado na educação: novos elementos para o debate. São Paulo, SP: Xamã, 2008. p. 111-127.

SILVA, D. M. ONGs e escolas públicas básicas: os pontos de vista de docentes e “educadores(as) sociais”. 2010. 154 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SIMSON, O. R. M. et al. Visões singulares, conversas plurais. São Paulo, SP: Itaú Cultural, 2007. 112 p. (Rumos Educação Cultura e Arte, 3)

SOUZA NETO, J.; SILVA, R.; MOURA, R. A. (Org.). Pedagogia social. São Paulo, SP: Expressão e Arte, 2009. 324 p.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI, L.; WARDE, M.J.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo: Cortez, Ação Educativa, PUC/SP, 1998. p. 125-193.

TORRES, R. M. Reformadores y docentes: el cambio educativo atrapado entre dos logicas. In: CARDENAS, A. L.; RODRIGUEZ CESPEDES, A.; TORRES, R. M. El maestro, protagonista del cambio educativo. Bogote: CAB; Magisterio Nacional, 2000.

TORRES, R. M. Educação para todos: a tarefa por fazer, Porto Alegre: Artmed, 2001. 104 p.

TRILLA, J. A. O universo da educação social. In: ROMANS, M.; PETRUS, A.; TRILLA, J. Profissão: educador social. Porto Alegre: Artmed, 2003. p. 11-47

Publicado
2010-11-22
Como Citar
Silva, D. M. da. (2010). ONGs e escolas públicas: a palavra dos educadores. ETD - Educação Temática Digital, 12(2), 138-150. https://doi.org/10.20396/etd.v12i2.1193