Os jogos eletrônicos no cotidiano dos alunos do 9° ano do ensino fundamental

Autores

  • Aline Fernanda Ferreira Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho
  • Suraya Cristina Darido Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v15i3.1275

Palavras-chave:

Tecnologia educacional. Jogos. Perfil dos alunos.

Resumo

Um dos desafios enfrentados pela educação é o de pensar em como utilizar as TIC de maneira efetiva para proporcionar aos alunos uma aprendizagem significativa e contextualizada que alie os conhecimentos científicos com os conhecimentos adquiridos pelos alunos por meio do uso cotidiano e intenso das tecnologias, como os jogos eletrônicos. Estes podem se constituir em estratégias de ensino possibilitando que o aluno aprenda brincando conceitos, valores e atitudes referentes aos conteúdos escolares. Assim, o objetivo do presente estudo foi verificar quais são os jogos eletrônicos preferidos dos alunos do 9° ano do ensino fundamental das escolas públicas do município de Rio Claro, além do tempo, local e plataforma de jogo. Este estudo fundamentando-se na Pesquisa Descritiva. Como instrumento para a coleta de dados foi elaborado um questionário com questões fechadas e abertas referentes aos objetivos propostos. Os resultados apontaram que 95% dos alunos gostam de brincar com os jogos eletrônicos durante todos os dias da semana, sendo o computador o mais utilizado e o celular a plataforma que os alunos passam mais tempo jogando. Os jogos mais preferidos destes alunos são, respectivamente os esportivos, de passatempo, de ação, plataforma e RPG. Como consequência deste estudo espera-se que os professores se conscientizem da necessidade de se inserir no mundo dos alunos, se motivem para formularem mais estratégias e aulas contextualizadas e lutem pelas mudanças necessárias para a efetivação dos usos das TIC na educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Fernanda Ferreira, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

Licenciada em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - Campus Rio Claro. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Estudos e Trabalhos Pedagógicos em Educação Física (LETPEF) e mestranda em Desenvolvimento Humano e Tecnologias na UNESP-Rio Claro. Tem experiência na área de Aprendizagem Motora e Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: Temas Transversais, Materiais Didáticos e Tecnologias Educacionais.

Suraya Cristina Darido, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

Pssui graduação em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1984), mestrado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (1991) e doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1997). Trabalha na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho desde 1987 e coordena o Laboratório de estudos e trabalhos pedagógicos em Educação Física (LETPEF). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: produção e avaliação de materiais didáticos e tecnologias, temas transversais, esporte educacional, organização curricular, conteúdos e avaliação.

Referências

ALVES, Lynn Rosalina Gama. Game over: jogos eletrônicos e violência. 2004. 249f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

ALVES, Lynn Rosalina Gama; HETKOWSKI, Tânia Maria. Gamers brasileiros: quem são e como jogam? In: NASCIMENTO, Antonio Dias. Desenvolvimento sustentável e tecnologias da informação e comunicação. Salvador: Edufba, 2007. v.1, p. 161-174.

ALBUQUERQUE, Rafael Marques de. Diversão nos videogames: perfis de usuários de jogos eletrônicos. 2011. 166f. Dissertação (Mestrado em Design e Expressão Gráfica) – Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

BARROS, Ricardo et al. O uso do tempo livre por adolescentes em uma comunidade metropolitana no Brasil. Adolescencia Latinoamericana, Porto Alegre, v. 3, n. 2, nov. 2002.

BECKEMKAMP, Diana; TORNQUIST, Luciana; BURGOS, Miria Suzana. Brincadeiras praticadas no recreio escolar e nas horas de lazer. EFDeportes – Revista Digital, Buenos Aires, n. 156, p.1, maio 2011. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd156/brincadeiras-praticadas-no-recreio-escolar.htm. Acesso em: 13 dez 2013.

BRASIL tem 35 milhões de jogadores de videogame, diz pesquisa. Jornal Folha de S. Paulo online, São Paulo, 02 maio 2011. Cad. Tec. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/tec/910151-brasil-tem-35-milhoes-de-jogadores-de-videogame-diz-pesquisa.shtml. Acesso em: 10 jun. 2012.

CAMPOS, M. O que os games tem a ensinar para os alunos. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 10 set. 2012. Cad. Educação. Disponível em: www.estadao.com.br/noticias/vidae,o-que-os-games-tem-a-ensinar-aos-alunos,928507,0.htm. Acesso em: 11 set. 2012.

COLL, Cesar et al. Os conteúdos na reforma. Porto Alegre: Artmed, 2000. 184 p.

COSTA, Alan Queiroz. Mídias e jogos: do virtual para uma experiência corporal educativa. 2006. 190f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Motricidade) – Instituto de Biociências de Rio Claro, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2006.

DEMO, Pedro. TICs e educação. 2008. Disponível em: https://docs.google.com/document/pub?id=122YjQchoYmfKffYTaFQksphUwzyh9gO Px6FuQTBRIrU. Acesso em: 13 dez. 2013.

DUMITH, Samuel de Carvalho et al. Sedentary behavior in adolescents: the 11-year follow-up of the 1993 Pelotas (Brazil) birth cohort study. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n. 10, p. 1928-1936, out. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010001000009. Acesso em: 20 jan. 2012.

FERRAREZI, Luiz. Infográfico CGBR 2012. Censo Gamer Brasil 2012: A primeira pesquisa sobre o mercado de games brasileiro realizada pela ACIGAMES e InsideComm. Disponível em: http://jogosdinheirointernet.blogspot.com.br/2012/06/primeiro-censo-naciona-mapeia-mercado.html/. Acesso em 13 dez. 2013.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. 208 p.

IBGE. Acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal 2008. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/acessoainternet2008/internet.pdf. Acesso em: 20 mar. 2012.

IBGE. O setor de tecnologia da informação e comunicação no Brasil 2003-2006. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/stic/publicacao.pdf. Acesso em: 20 mar. 2012.

IBOPE. Pesquisa inédita do ibope media sobre games revela o perfil dos jogadores de videogame no Brasil. Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Pesquisa, 2012. Disponível em: http://www.ibope.com.br/pt-br/relacionamento/imprensa/releases/Paginas/Pesquisa-in%C3%A9dita-do-IBOPE-Media-sobre-games-revela-o-perfil-dos-jogadores-de-videogame-no-Brasil.aspx. Acesso em: 13 dez. 2013.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos Tarciso; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 19. ed. Campinas: Papirus, 2011. Cap. 1, p. 11- 65.

PRETTO, Nelson de Luca. Escritos sobre educação, comunicação e cultura. Campinas: Papirus, 2008. 240 p.

RODRIGUES JR., Emilio Rodrigues; SALES, José Roberto Lopes. Os jogos eletrônicos no contexto pedagógico da educação física escolar. Conexões, Campinas, v. 10, n. 1, p. 70-82, jan./abr. 2012.

ROMANÍ, Cristobal Cobo. Y si las nuevas tecnologias no fueren la respuesta? In: PISCITELLI, Alejandro. El projecto FACEBOOK y la posuniversidad. Buenos Aires: Ariel, 2012. Cap. 9, p.131-145.

ROSSETTI, Claudia Broetto; SOUZA, Maria Thereza Costa Coelho de. Preferência lúdica de uma amostra de crianças e adolescentes da cidade de vitória. Psicologia: Teoria e Prática, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 87-114, 2005.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 32. ed. Petrópolis: Vozes, 2004. 144 p.

SANCHO, Juana Maria. De tecnologias da informação e comunicação à recursos educativos. In: SANCHO, Juana Maria; HERNÁNDEZ, Fernando (Org.). Tecnologias para transformar a educação. Tradução de Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2006. p.15-41.

SÊDA, E. Reportagem especial sobre Videogame. Revista Carta Capital: Política, Economia e Cultura, São Paulo, n. 677, p. 40-50, dez. 2011.

THOMAS, Jerry R.; NELSON, Jack. K.; SILVERMAN, Stephen. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007. 396 p.

UNESCO. TIC na Educação do Brasil. 1995-2011. Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/communication-and-information/access-to-knowledge/ict-in-education/. Acesso em: 13 dez. 2013.

Downloads

Publicado

2013-10-21

Como Citar

FERREIRA, A. F.; DARIDO, S. C. Os jogos eletrônicos no cotidiano dos alunos do 9° ano do ensino fundamental. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 15, n. 3, p. 595–611, 2013. DOI: 10.20396/etd.v15i3.1275. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1275. Acesso em: 19 jan. 2022.