Banner Portal
Modelo aberto de educação ambiental
PDF

Palavras-chave

Modelo aberto. Percepção ambiental. Educação ambiental. Observação ambiental

Como Citar

LIMA, Lucia Ceccato de. Modelo aberto de educação ambiental. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 161–178, 2013. DOI: 10.20396/etd.v15i1.1300. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/1300. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

O planejamento e a implantação de unidades legais de gestão ambiental tem sido conflituosas, gerando impasses sociais e econômicos. Esses conflitos geram movimentos cognitivos, emocionais e afetivos que de alguma forma contribuem para o aprender com o operar. A Educação ambiental, como um processo mediador, possibilita a construção coletiva do processo de desenvolvimento sustentável para os setores produtivos, com uma proposta metodológica aberta, cujo modelo é gerar soluções a partir da participação social. Neste sentido, entende-se que a educação ambiental é um processo de práxis educativa, que tem por finalidade a construção de valores, atitudes, conceitos, habilidades, normas, saberes e práticas partilhadas para a construção de um estilo de pensamento que contribua para a cidadania ambiental. Buscando compreender e contribuir com essa dinâmica social foram realizadas inúmeras e múltiplas ações pedagógicas de educação ambiental na região serrana de Santa Catarina de 2001 a 2006. Esse movimento resultou na elaboração de um modelo aberto de educação ambiental que é mediado pela percepção ambiental dos atores sociais envolvidos, entendendo percepção como a integração das dimensões biológicas, psicológicas e sociais. Assim, a proposição do Modelo Aberto de Educação Ambiental, com o paradigma da abertura transdisciplinar mediado pela percepção ambiental dos atores sociais envolvidos resultará na construção coletiva das soluções para os problemas ambientais locais.
https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1300
PDF

Referências

ATKINSON, Rita L. et al. Introdução à psicologia. 11.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BRANCO, Sandra. Educação ambiental: metodologia e prática de ensino. Rio de Janeiro: Dunya, 2003.

BRASIL. Lei no 6.513, de 20 de dezembro de 1977. Dispõe sobre a criação de Áreas Especiais e de Locais de Interesse Turístico. Brasília, DF: Presidência da República, 1977. In: MADAUAR, Odete. (Org.). Constituição federal, coletânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BRASIL. Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, regulamentada pelo Decreto 99.274 de 6 de junho de 1990.In: MADAUAR, Odete. (Org.). Constituição federal, coletânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BRASIL. Lei no 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional dos Recursos Hídricos. 1997.In: MADAUAR, Odete. (org.). Constituição federal, coletânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BRASIL. Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre Educação Ambiental e Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. 1999. In: MADAUAR, Odete. (Org.). Constituição federal, coetânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BRASIL. Lei no 9.985 de 18 de julho de 2000. Unidades de Conservação que institui o Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza – SNUC. Brasília. DF: Presidência da República, 2000.In: MADAUAR, Odete. (Org.). Constituição federal, coetânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BRASIL. Lei no 10.257 de 10 de julho de 2001, Estatuto da Cidade, 2001. In:MADAUAR, Odete. (Org.). Constituição federal, coletânea de legislação e direito ambiental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

CAPRA, Frijot. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2002.

CARVALHO, A. M. P.; GIL-PÉREZ, D. A formação dos professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez, 1998.

DELIZOICOV, Demétrio. Conhecimento, tensões e transições. 213 f. 1991. São Paulo. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1991.

DIAS, G. F. Educação ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

FERNANDES, Roosevelt S. et al. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicação ligadas às áreas educacional, social e ambiental. Disponível em: www.rebea.org.br. Acesso em: 15 set. 2003.

LAGES (SC). Lei complementar n° 59 de 04 junho de 1997, cria o Parque Ecológico Municipal João José Theodoro da Costa em Lages (SC). Gabinete do Prefeito, 1997. In: LAGES (SC). Plano de Manejo Participativo do Parque Natural Municipal João José Theodoro da Costa Neto. Lages (SC): PROSUL, 2006.

MATURANA, Humberto. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3.ed. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

NICOLESCU, Basarab. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: TRIOM, 2001.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHÄFER, L.; SCHNELLE, T. Los fundamentos de la visión sociológica de Ludwik Fleck e la teoría de la ciencia. In: FLECK, L. La génesis y el desarrollo de un hecho científico. Madri: Alianza Editorial, 1986.

SILVA, Daniel. J. Uma abordagem cognitiva ao planejamento estratégico do desenvolvimento sustentável (PEDS). 240 f. 1998. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 1998.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.