Formação de professores: um direito que conduz à emancipação? Uma imposição que leva à alienação?

Autores

  • Eliane Tassi dos Santos Rede Municipal de Vinhedo

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v8i2.649

Palavras-chave:

Formação de professores. Políticas. Ideologias.

Resumo

Esse trabalho resgata a historicidade das ideologias que envolvem as políticas educacionais num contexto nacional, porém, não dissociado do contexto global, por acreditar que este resgate é relevante para a compreensão do momento atual. Utilizando olhar crítico e objetivo quanto as políticas que regem a formação dos professores em seu nível inicial e continuada. Políticas essas ditadas pelo capitalismo e princípios neoliberais. Idealizadas e formuladas por organismos externos ao governo e sistema nacional mas acatadas e disseminadas pelos mesmos. Busca, então, expor também sobre a legislação vigente, que traz as diretrizes, objetivos e finalidades para essa formação, e sobre as discussões que envolvem o assunto e nos levam a questionar a política da eficiência na profissionalização, ou flexibilização do magistério, e o caráter intensificador da formação continuada, afim de levar o docente a alienar-se do contexto político e ideológico que o cerca. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Tassi dos Santos, Rede Municipal de Vinhedo

Aluna da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Professora de Educação Infantil e Ensino Fundamental I na Rede Municipal de Vinhedo.

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resoluções CNE: Resolução CNE/CP no 1, de 18 de Fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Lei no 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 10 de jan. 2001.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei no 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF. 23 de dez. 1996.

CUNHA, L.A. A Educação e a construção de uma Sociedade Aberta.In.: CUNHA, L.A. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 1980. p. 25 - 60.

FARIA, A. L. G. Ideologia no livro didático. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

FREITAS, H. C. L. Formação de professores no Brasil: 10 anos de embates entre projetos de formação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 80, set. 2002, p. 137–168.

FREITAS, H. C. L. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação e Sociedade, vol. 24, no 85, ano 2003. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 10 jun. 2005.

HOFLING, E. M. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes 55, ano XX, novembro/2001. p. 30 - 40.

SANTOS, L. L. C. P. Formação de professores na cultura do desempenho. Educação e Sociedade, v. 25, n. 89, ano 2004. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 10 jun. 2005.

TORRES, R. M. Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: HADAD, S.; WARDE, M. J.; TOMMASI, L. O Banco Mundial e as Políticas Educacionais. São Paulo: Cortez, 1996. p. 125 -186.

VASCONCELLOS, C. S. Para onde vai o professor? Resgate do professor como sujeito de transformação, 10. ed. São Paulo: Libertad, 2005.

Downloads

Publicado

2008-12-03

Como Citar

Santos, E. T. dos. (2008). Formação de professores: um direito que conduz à emancipação? Uma imposição que leva à alienação?. ETD - Educação Temática Digital, 8(2), 126–142. https://doi.org/10.20396/etd.v8i2.649