O processo avaliativo na progressão continuada: qual o sentido do erro?

Autores

  • Regina Célia Montefusco Florindo Pessoa Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v8i2.673

Palavras-chave:

Progressão continuada. Aprendizagem - Avaliação. Erro.

Resumo

Esta pesquisa busca entender o papel do erro, com ênfase na avaliação da aprendizagem. Por se tratar de uma reflexão sobre o erro no processo avaliativo, sua contextualização passa a ser constituída a partir de três níveis de discussão: o do processo de avaliação da aprendizagem no contexto da Progressão Continuada; o conceito de erro que emerge no cotidiano da sala de aula, e a sistemática adotada pela professora da sala de aula observada, no que se refere à correção dos erros dos alunos. A pesquisa se deu em uma escola pública do Estado de São Paulo, registrando através de observações o cotidiano de uma professora e seus alunos. Num outro momento, foram realizadas entrevistas com a professora e análises dos documentos oficiais da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, referentes à implantação da Progressão Continuada. A partir da análise dos dados, evidenciaram-se os tratamentos sentenciosos dados aos erros dos alunos, tanto com relação aos erros que se inscrevem no âmbito do fazer quanto aos erros que se inscrevem no âmbito do ser. Em geral, o erro era observado pela professora como um indicador do mau desempenho do aluno, do seu mau comportamento, sem jamais ser utilizado para o redimensionamento do processo ensino e aprendizagem. O que permeava a correção dos erros era a ação pontual da professora a partir da constatação dos mesmos. Neste sentido, o erro era percebido como o sintoma visível do fracasso do aluno e este, portanto, considerado como culpado e responsável pelos erros cometidos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Célia Montefusco Florindo Pessoa, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em PEDAGOGIA pela Universidade Federal do Ceará e mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professora da Universidade Nove de Julho. Membro do NDE - Curso de Pedagogia da UNINOVE. Nucleadora do Curso de Pedagogia - UNINOVE. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Avaliação da Aprendizagem. Participação na implantação e Coordenadora de área do Pibid financiado pela Capes e desenvolvido pela Universidade Nove de Julho como os alunos bolsistas do curso de Pedagogia.

Referências

ALAVARSE, Ocimar Munhoz. Ciclos: Problematizações e propostas. III Seminário de Avaliação do LOED. Campinas, SP, Faculdade de Educação da UNICAMP, 2003. Mimeo.

ALMEIDA, Custódio Luís S. de. A avaliação como aprendizagem de cidadania. Revista de Educação AEC, Brasília, nº. 94, p. 49-57, jan./marc. 1995.

ALMEIDA JÚNIOR. Repetência ou promoção automática? Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v. 27, jan. / mar. 1957, pp.67-79.

ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo. Da visão de ciência à organização curricular. In: ANASTASIOU, Lea da Graças Camargo e ALVES, Leonir Pessate (Org.) Processos de ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinville: Editora Univille, 2003.

ANDRÉ, M.E.D.A. e PASSOS, L.F. Para além do fracasso escolar: uma definição das práticas avaliativas. In: AQUINO, J. G. (Org.) Erro e fracasso na escola: Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997.

AQUINO, J. G. O mal-estar na escola contemporânea: erro e fracasso em questão. In: AQUINO, J. G. (Org.) Erro e fracasso na escola: Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997.

ARELARO, Lisete Regina Gomes. Ampliação do período de alfabetização nas séries iniciais: o ciclo básico em São Paulo: algumas considerações. Idéias, São Paulo, n. 1, p. 53- 55, 1992.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1992.

ARROYO, Miguel G. Ciclos de desenvolvimento humano e formação de professores. Educação e Sociedade, Campinas, SP, n.68, p.143-162, 1999.

AZANHA, José Mário Pires. Educação: Alguns escritos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1987.

BARRETTO, E. S. S.; MITRULIS, E. Os ciclos escolares: elementos de uma trajetória. Cadernos de Pesquisa, n. 108, p. 27-48, nov. 1999.

BEISIEGEL, Celso de Rui. A Reforma e a qualidade do ensino: anotações para um estudo das críticas à educação escolar. In; NAGLE, Jorge (Org.) Educação Brasileira: Questões da atualidade. São Paulo, EDART, 1976.

BEISIEGEL, Celso de Rui. Relações entre a quantidade e a qualidade no ensino comum. Revista ANDE. São Paulo, nº. 1 (1), 1981, pp. 49-59.

BERTAGNA, R. H. Avaliação da aprendizagem escolar: a visão de alunos de 4ª a 5ª séries do 1º grau. 1997. Campinas, SP, 1997. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

BERTAGNA, R. H. Progressão Continuada: limites e possibilidades. Campinas, SP, 2003. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

BOGDAN, R. BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto, 1994.

BONAMINO, Alícia Catalano de. Tempos de avaliação educacional: o SAEB, seus agentes, referências e tendências. Rio de Janeiro: Quartet, 2002.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. IN: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (org.) Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992. (Série Educação em Questão).

BOURDIEU, Pierre e CHAMPAGNE, Patrick. Os excluídos do interior. IN: NOGUEIRA, Maria Alice e CATANI, Afrânio (org.) Escritos de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

BRANDÃO, Zaia. A escola em questão: Evasão e repetência no Brasil. Rio de Janeiro: Achiamé 1983.

BRASIL, Leis etc. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9.394 de (dia) de (mês) de 1996. Rio de Janeiro, RJ: Esplanada, 1998.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer nº. 360 de 20 de Fevereiro de 1974, C. F. 1º e 2ºGraus – Item I – Relatório.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/ Câmara de Educação Básica. Parecer nº. 5 de (dia), de (mês) de 1997. Proposta de Regulamentação da Lei 9394/96, Brasília, DF, 1997.

CENTENO, J. P. Números decimales. Por qué? Para qué? Madri: Síntesis. 1998.

COMÊNIO. Didática Magna. Lisboa, Portugal: Calouste Goulbenkian, 1957.

CRESO, Franco (Org). Avaliação, Ciclos e Promoção na Educação. Porto Alegre, RS: Artmed, 2001.

CRONBACH, L.J. Course Improvement thevaluation. Teachers College Record,64, 1963.

DALBEN, Ângela Imaculada Loureiro de Freitas. Os ciclos de formação na escola plural: a experiência do Município de Belo Horizonte. III Seminário de Avaliação do LOED. Campinas, SP, Faculdade de Educação da UNICAMP, 2003. Mimeo.

DAVIS, C. e ESPÓSITO, Y. L. Papel e função do erro na avaliação escolar. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, nº. 74, pp. 71-75. 1990.

DURAN, Maria Claret G. O desafio de construir uma alfabetização de melhor qualidade: a proposta do ciclo básico em São Paulo. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro, v. 19, n. 95/96, p. 19-24, jul. / out. 1990.

ENGUITA, Mariano Fernández. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1989. (Série Educação: teoria e crítica).

ESTEBAN, Maria Teresa. O que sabe que erra? Reflexões sobre avaliação e fracasso escolar. 3. ed., Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FERNANDES, Maria Estrela Araújo. Avaliação escolar: um processo de qualidade na perspectiva da construção da cidadania. In: SEMINÁRIO SOBRE AS PRÁTICAS AVALIATIVAS NAS 1ªs SÉRIES DAS ESCOLAS PÚBLICAS. Fortaleza, CE, abril de 1996.

FILHO, José Leão Marinho Falcão. A avaliação dos avaliadores. 3. ed. Belo Horizonte, MG, 1992. (Coletânea AMAE)

FISCHER, R.M.B. A Questão das técnicas didáticas. (o nome do evento), Ijuí, (Estado) FIDENE, 1976. Mimeo.

FLEURI, Reinaldo Matias. Nota para quê? Revista de Educação AEC, Brasília, DF, nº. 60, abr. / jul. 1986.

FRANCO, Creso (org). Avaliação, ciclos e promoção na educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FREIRE, P. Professora sim, tia não. São Paulo: Olho d’água, 1993.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. São Paulo. Paz e Terra, 1985.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAG, Bárbara. Escola e sociedade. 4. ed. rev. São Paulo: Moraes, 1980.

FREITAS, Luiz Carlos de. Ciclos de progressão continuada: vermelho para as políticas públicas. EccoS Revista Científica, São Paulo, v. 4, n.1, jun. 2002.

FREITAS, Luiz Carlos de. A internalização da exclusão. Educação e Sociedade, v. 23, nº. 80, set. 2002.

FREITAS, Luiz Carlos de. (org.) Questões de avaliação educacional. Campinas, SP: Komedi: 2003.

FREITAS, Luiz Carlos de. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática. Campinas, SP: Papirus, 1995. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

FREITAS, Luiz Carlos de. (org.) Avaliação construindo o campo e a crítica. Florianópolis, SC: Insular, 2002.

FREITAS, Luiz Carlos de. Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas. São Paulo: Moderna, 2003. (Coleção Cotidiano Escolar).

FREITAS, Luiz Carlos de. Eliminação adiada: novas formas de exclusão introduzidas pelas reformas. In: ProPosições, v. 16, n. 3 (48) – set./dez. 2005, p. 134-135.

GANDIN, Danilo. Planejamento como prática educativa. São Paulo: Loyola, 1985.

GANDIN, Danilo. Algumas idéias sobre avaliação. Revista de Educação AEC, Brasília, DF, nº. 97, out. / dez. 1995.

GENTILI, Pablo. Três teses sobre a relação trabalho e educação em tempos neoliberais. In: LOMBARDI, J.C.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. L. (orgs.) Capitalismo, trabalho e educação. São Paulo: Autores Associados, 2002.

GIMENO, S. J. El curriculum: una reflexión sobre la práctica. Madri: Morata, 1988.

GODOI, E. G. Educação Infantil: avaliação escolar antecipada? 2000. Campinas, SP, 2000. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

GRONLUND, N. E. Measurement and evaluation in teaching. New York: Macmillan Company, 1971.

HEXTALL, I. Marking Work, em BROADFOOT, P. Avaliação e ideologia, Grã-Bretanha, Methuen, 1979.

HOFFMAN, Jussara M. L. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 1995.

HOFFMAN, Jussara M. L. Avaliação, mito e desafio: uma perspectiva construtivista. Porto Alegre, RS: Educação & Realidade. 1993. Corrigir para que, professor?

KUBITSCHEK, Juscelino. Reforma do ensino primário com base no sistema de promoção automática. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, n. 65, vol XXVII, jan.-mar., 1857, pp. 141-145.

JACOMINI, M. A. A escola e os educadores em tempo de ciclos e progressão continuada: uma análise das experiências no Estado de São Paulo. Educação e Pesquisa, v. 30, n. 3, p. 401-418, set./dez. 2004.

LEITE, Dante Moreira. Promoção automática e adequação do currículo ao desenvolvimento do aluno. In: Pesquisa e Planejamento. São Paulo, v. 3, no 3, jul.,1959. Republicado pela Revista de Estudos de Avaliação Educacional. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, no 10, jan. / jun.,1999.

LIMA, Lauro de Oliveira. Avaliação Secundária Moderna: organização, métodos e processo. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais, 1962.

LÖWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. São Paulo: Cortez, 1994.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação e Educação. São Paulo: Cortez, 1994. 120

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U., 1986.

LÜDKE, Menga; MEDIANO, Zélia. Avaliação na escola de 1º grau: uma análise sociológica. 4. ed., Campinas: Papirus, 1992.

MACDONALD, Barry. Uma classificação política dos estudos avaliativos. In: GOLDEBERG, Maria Amélia Azevedo, SOUZA, Clarilza Prado de. (org.). Avaliação de programas educacionais: vicissitudes, controvérsias e desafios. São Paulo: EPU, 1982.

MAINARDES, Jefferson. A promoção automática em questão: argumentos, implicações e possibilidades. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília, DF, v.79, n.192, maio/ago. 1998.

MAINARDES, Jefferson. A organização da escolaridade em ciclos: ainda um desafio para os sistemas de ensino. In: CRESO, Franco (org). Avaliação, ciclos e promoção na educação. Porto Alegre, RS: Artmed, 2001.

MALAVASI, Maria Márcia Sigrist. Os processos avaliativos: entre os pais e a vida escolar dos filhos. IN: FREITAS, L. C. (org.) Avaliação construindo o campo e a crítica. Florianópolis, SC: Insular, 2002.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 9. ed. São Paulo : Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2004.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

OLIVEIRA, Elvira de et al. Como trabalhar os erros dos alunos. Revista Nova Escola. São Paulo: Abril, nº. 60, set., pp. 10-17.

ORWELL, George. A revolução dos bichos. Ed. Devir, 1984.

PERRENOUD, Philippe. Das diferenças culturais às desigualdades escolares: a avaliação e a norma num ensino diferenciado. In: ALLAL, L. et al. Avaliação formativa num ensino diferenciado. Coimbra, Portugal: Livraria Almedina, 1986.

PERRENOUD, Philippe. Ofício de aluno e sentido do trabalho escolar. Porto, Portugal: Porto, 1995.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1999.

PERRENOUD, Philippe. Construindo competências. In: Revista Nova Escola. São Paulo: Abril, set. 2000.

PIMENTEL, M. da G. O professor em construção. São Paulo, 1992. Tese [Doutorado]. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

PINTO, A. L. G. A avaliação da aprendizagem: o formal e o informal. Campinas, SP, 1994. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

PINTO, Neuza Bertoni. O erro como estratégia didática: estudo do erro no ensino da Matemática elementar. Campinas, SP: Papirus, 2000. (Série Prática Pedagógica)

PISTRAK, M. M. Questões essenciais da escola soviética moderna. 2. ed. Moscou: Rabotnik Prosveshcheniya, 1925. (No Brasil, Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Brasiliense, 1981 (esgotado). Reeditado pela Expressão Popular, 2002.)

POPHAM, W.J. Manual de avaliação: regras práticas para o avaliador educacional. Petrópolis, RJ: Vozes, 1977.

RAGAN, W. B. Currículo primário moderno. Porto Alegre, RS: Globo, 1973.

RIBEIRO, Sérgio C. a educação e a inserção do Brasil na modernidade. Série Educação para a Cidadania, nº. 4. São Paulo, Instituto de Estudos Avançados/USP, 1996.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil (1930/1973) Petrópolis, Ed. Vozes, 1985.

ROSENBERG, Lia. Educação desigualdade social. São Paulo: Loyola, 1984.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Deliberação nº. 9, de 30 de julho de 1997. Institui, no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, o Regime de Progressão Continuada no Ensino Fundamental. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, São Paulo, SP, 5 de ago. 1997. Seção 1, p. 12-13.

SÃO PAULO (ESTADO). Educação Paulista: Corrigindo rumos. O que já mudou na escola pública paulista? São Paulo, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 1997a.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Indicação nº. 22, de 17 de dezembro de 1997. Dispõe sobre Avaliação e Progressão Continuada. Diário Oficial do Estado, São Paulo, 20 de Dezembro de 1997 Seção I, p. 18.

SÃO PAULO (Estado). Resolução SE - nº. 67 de 17 de janeiro de 1998, Seção I, p. 6. SÃO PAULO (Estado). Resolução SE - nº. 04 de 18 de Março de 1998, publicado no DOE em 20 de Março de 1998, Seção I, p. 13.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Relatório apresentado na plenária do Conselho Estadual de Educação em 30 de julho de 1997.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Deliberação CEE nº. 9 de 30 de julho de 1997. Institui no sistema de ensino do Estado de São Paulo o Regime de Progressão Continuada no Ensino Fundamental. 1997.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Indicação CEE nº. 8 de 4 de Agosto de 1997. Regime de Progressão Continuada, Seção I p. 12/13.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Indicação CEE Nº22 17 de Dezembro de 1997 - Assunto: Avaliação e Progressão Continuada. 1997a.

SÃO PAULO (ESTADO). Parecer CEE 425/98. Consulta sobre Progressão Continuada. São Paulo, Conselho Estadual de Educação, 1998g.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Parecer CEE nº. 67/98. Normas Regimentais Básicas para as Escolas Estaduais. Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, São Paulo, SP, 21 mar. 1998, Seção I, p. 20-22.

SÃO PAULO (Estado). Escola de Cara Nova. Aprendizagem com sucesso. Consolidando novos rumos. São Paulo, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 1999a.

SÃO PAULO (ESTADO). Escola de cara nova. A construção da proposta pedagógica da escola. Planejamento 2000. Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, 2000.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria Estadual de Educação. Jornal Escola Agora – aprendendo sempre. São Paulo: SEE, nº. 18, agosto, 1998.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria Estadual de Educação. Progressão Continuada: compromisso com a aprendizagem. Fórum de debates, Anais, 2002.

SAUL, A. Maria. A avaliação educacional. In: Revista Idéias. São Paulo: FDE, 1994.

SILVA, Maria Terezinha Pereira e. É preciso repensar o sistema de avaliação. Revista do Professor. Porto Alegre, RS. p. 13-16, jan. / mar. 1987.

SILVA, Rose Neubauer da; DAVIS, Claúdia. É proibido repetir. In: Estudos em Avaliação educacional. São Paulo: p. 5-44, jan. / jul.1993.

SILVA, Rose Neubauer da. Quem tem medo da progressão continuada? Ou melhor, a quem interessa o sistema de reprovação e exclusão social? In: Circuito Gestão – Módulo II – Textos de Apoio. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo / SEE, 2000.

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: UNICAMP, 1988.

SNYDERS, Georges. Escola, classe e luta de classes. Tradução Leila Prado. São Paulo: Centauro, 2005.

SOARES, Magda B. Avaliação educacional e clientela escolar. Em Maria Helena S. Patto (org.), Introdução à psicologia escolar. São Paulo, T. A. Queiroz, 1981.

SOBIERAJSKI, Maria Stella. Explorando a prática da avaliação em uma 5ª série do 1º grau. 1992. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SORDI, Mara Regina L. de. A avaliação nos ciclos: o debate. In: Luiz Carlos de Freitas (org.). Questões de avaliação educacional. Campinas, SP: Comedí, 2003.

SOUZA, S. M. Z. L.; BARRETO, E. S. S. (coura.). Ciclos e Progressão Escolar (1990 – 2002). Mimeo, 2004 SOUZA, Sandra M. Zákia L. Revisando a teoria da aprendizagem. IN: SOUZA. C. P. de (org.). Avaliação do rendimento escolar. Campinas, SP: Papirus, 1991.(Coleção Magistério Formação e Trabalho Pedagógico).

SOUZA, S. M. Z. L. Avaliação da aprendizagem na escola de 1º Grau: legislação, teoria e prática. São Paulo: Universidade Católica de São Paulo (Dissertação de Mestrado). 1986

SOUZA, S. M. Z. L. Avaliação da aprendizagem: análise de pesquisas produzidas no Brasil, no período de 1980 a 1990. In: Revista da Faculdade de Educação da USP. São Paulo: janeiro/junho, 1994.

SOUZA, S. M. Z. L. O significado da avaliação da aprendizagem na organização do ensino em ciclos. In: Revista Pro-posições. Campinas; SP: v.9, nº. 3, nov. 1998.

SOUZA, Sandra M. Zákia L. & ALAVARSE, Ocimar Munhoz. A avaliação nos ciclos: a centralidade da avaliação. In: FREITAS, Luiz Carlos de. (org.). Questões de avaliação educacional. Campinas, SP: Komedi: 2003.

STUFFLEBEAM, Daniel. Avaliação Educacional II: perspectivas, procedimentos, alternativas. Petrópolis, Vozes, 1981. TEIXEIRA, Anísio. A educação escolar no Brasil. In: PEREIRA, Luiz; FORACCHI, Marialice. Educação e Sociedade: leituras de sociologia da educação. 6. ed. São Paulo: Nacional, 1974.

VASCONCELOS. Celso. Avaliação: concepção dialético-libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, 1993. (Cadernos Pedagógicos, nº3).

VASCONCELOS. Celso. Algumas observações sobre a mudança na prática da avaliação. Revista de Educação AEC, Brasília, nº. 94, p.87-97, jan. / mar. 1995.

VIANNA, Heraldo M. Avaliações nacionais em larga escala: análises e propostas. III Seminário de Avaliação do LOED. Campinas, SP, UNICAMP: 2003. [Mimeografado]

WERNECK, Hamilton. Se você finge que ensina, eu finjo que aprendo. 8 ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 1995. Cap. 7: Avaliação fingida. 1995.

WILSON, M. Henry. Avaliação, promoção e seriação nas escolas inglesas (1954). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, vol. XXII, nº. 55, jul.-set., 1954, pp. 52-63.

WOODS, Peter. Aspectos Sociais da Criatividade do Professor. In: NÓVOA, António (org.) Profissão Professor. Porto, Portugal: Porto Ltda., 1995.

ZEICHNER, Kenneth M. A formação reflexiva de professores: Idéias e práticas. Lisboa, Portugal: Educa, 1993.

Downloads

Publicado

2008-12-03

Como Citar

Pessoa, R. C. M. F. (2008). O processo avaliativo na progressão continuada: qual o sentido do erro?. ETD - Educação Temática Digital, 8(2), 319–319. https://doi.org/10.20396/etd.v8i2.673

Edição

Seção

Dissertações e Teses em Resumos