"Ser diferente é normal?"

Autores

  • Viviane Veras Faculdades Metropolitanas de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v8i0.696

Palavras-chave:

Diferente. Normal. Corpo. Síndrome de down. Inclusão.

Resumo

A pergunta título deste trabalho retoma o slogan “Ser diferente é normal”, que é parte da campanha criada para uma organização não-governamental que atende portadores de Síndrome de Down. O objetivo é a inclusão social da pessoa com deficiência e o primeiro passo foi propor a inclusão de um grupo de diferentes no grupo dito normal. No vídeo de lançamento da campanha, o diferente, identificado como normal, é mostrado por meio de exemplos – um negro com cabelo black-power, um skin-head, um corpo tatuado, um corpo feminino halterofílico, uma família hippie, uma garota com síndrome de Down. A visão da adolescente dançando reduz, de certo modo, o efeito imaginário que vai além da síndrome, uma vez que apenas o corpo com seus olhinhos puxados se destacam, e não se interrogam questões cognitivas. Minha proposta é refletir sobre o estatuto paradoxal do exemplo, tal como é trabalhado nesse vídeo: se, por definição, um exemplo mostra de fato seu pertencimento a uma classe, pode-se concluir que é exatamente por ser exemplar que ele se encontra fora dela, no exato momento em que a exibe e define. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Veras, Faculdades Metropolitanas de Campinas

Doutora em Lingüística pela UNICAMP. Pesquisadora do grupo SEMASOMa (corpolinguagem), UNICAMP, coordenado por Nina Leite. Professora da UNICAMP, do Centro Universitário Ibero-Americano – Unibero/Anhanguera e das Faculdades Metropolitanas de Campinas – Metrocamp.

Referências

Black is beautiful. Marcos e Paulo Sérgio Valle. Grav. Elis Regina, Ela, faixa 2, Phillips 1999. 1 CD.

CARDOSO, M. H. C. A. Uma produção de significados sobre a síndrome de Down. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19 n.1, p. 101-109, jan./Feb. 2003.

CIFALI, M. Educar, uma profissão impossível – dilemas atuais. Estilos da clínica, v. 1, n. 1, p. 139-150, 1996.

DERRIDA, J.; DUFOURMANTELLE, A. Cosmopolites de tous les pays, encore un effort! Paris: Galilée, 1997, p. 42. [publicado no Brasil com o título: Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da hospitalidade. Trad. Antonio Romane. São Paulo: Escuta, 2003]

FABRIS, E. H.; LOPES, M. C. Quando o “estar junto” transforma-se numa estratégia perversa de exclusão. SEMINÁRIO INTERNACIONAL: EDUCAÇÃO, GÊNERO E MOVIMENTOS SOCIAIS, 2, abr. 2003 [Anais...] . Disponível em: http://www.rizoma.ufsc.br/html/911-of3-st3.htm. Acesso em: 22 jul. 2006.

FIGUEIREDO, L. Os horríveis brancos da rua do Ouvidor. Folha de São Paulo, 5 de julho de 1971. Disponível em: http://almanaque.folha.uol.com.br/lenita8.htm. Acesso em: 15 jun. 2007.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1999.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2002.

FREUD, S. O Estranho (1919). Edição Eletrônica Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. 1 CD-ROM

FREUD, S. O narcisismo Edição Eletrônica Brasileira das Obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. 1914. 1 CD-ROM INSTITUTO META SOCIAL. Disponível em: http://www.metasocial.org.br/. Acesso em: 5 mai. 2006.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 1989.

PAULON, S. M.; FREITAS, L. B. L.; PINHO, G. S. Documento subsidiário à política de inclusão. Ministério da Educação – SEESP – Secretaria de Educação Especial. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/. Acesso em: 15 jul. 2006.

SILVA, T. T. A política e a epistemologia da normalização do corpo. Revista Espaço, Rio de Janeiro, n. 8, p. 3-15, ago./dez. 1997.

VERAS, V. Acolhendo gestos: por uma sociedade hospitaleira. SEMINÁRIO DE INTÉRPRETES EM LÍNGUAS DE SINAIS, 1, 2002, Campinas. [Anais...] Campinas, 9 de novembro de 2002. (no prelo).

VERAS, V. O eu e o outro na tradução: perspectivas da (in)tolerância. JORNADA REFLEXÕES SOBRE TRADUÇÃO, LINGUAGEM E CULTURA: A QUESTÃO DA INTOLERÂNCIA, 2005, São Paulo [Anais...] São Paulo, 2005 (Trabalho inédito; evento realizado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo).

VOLTOLINI, R. Psicanálise e inclusão escolar: direito ou sintoma? Estilos da clínica, v. 9, n. 16, p. 92-101. 2004.

Downloads

Publicado

2008-11-26

Como Citar

Veras, V. (2008). "Ser diferente é normal?". ETD - Educação Temática Digital, 8, 140–153. https://doi.org/10.20396/etd.v8i0.696