Entre o dizer e o escrito: corpo e linguagem no ensino de Jacques Lacan

Autores

  • José Guillermo Milán-Ramos Universidade do Vale do Rio Verde

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v8i0.703

Palavras-chave:

Oralidade. Escrita. Corpo. Psicanálise.

Resumo

No presente trabalho, pretendo mostrar o estatuto do dizer e do escrito no ensino do psicanalista Jacques Lacan. Lacan realizou, ao longo de 26 anos ininterruptos, atividades de ensino em regime de seminário; ele mesmo realizou a recopilação de seus textos fundamentais, lançados em 1966 sob o título: Escritos . Sabe-se também que um componente fundamental da sua doutrina é sua teoria sobre o estatuto do escrito na transmissão em psicanálise. Ao longo de seu ensino, também se preocupou por definir o estatuto do dizer. O dizer e o escrito aparecem enlaçados no ensino de Lacan em uma relação de temporalidade subjetiva, na qual a função essencial do dizer é a subjetivação do escrito, e isso se produz num tempo de espera no qual o corpo se vê comprometido pela própria inscrição da teoria no corpo (castração). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Guillermo Milán-Ramos, Universidade do Vale do Rio Verde

Licenciado em Lingüística pela Universidad de la República, de Uruguai, e Mestre e Doutor em Lingüística pelo IEL-UNICAMP. Desenvolve pesquisa na área de linguagem e psicanálise e aquisição da linguagem, e é membro do grupo de pesquisa SEMASOMa, do IEL-UNICAMP. Atualmente é docente do programa de mestrado em Letras da Universidade do Vale do Rio Verde (Unincor). Outras publicações: Hombres de palabra, Montevidéu: Universidad de la República/ Lapzus, 2005; Passar pelo Escrito: Uma introdução ao trabalho teórico de Jacques Lacan. Campinas, SP: Mercado de Letras/ Fapesp, 2007.

Referências

LACAN, J. O tempo lógico e a asserção de uma certeza antecipada. In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998a, [1945].

LACAN, J. A coisa freudiana ou sentido do retorno a Freud em psicanálise. In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998b, [1955].

LACAN, J. A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998c, [1957].

LACAN, J. A ciência e a verdade. In: LACAN, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998d, [1965]

LACAN, J. O Seminário. Livro 17, O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1992, [1969-70].

LACAN, J. Seminário 21 – Les non-dupes errent. 1973-1974. (Tradução para o português realizada por uma instituição psicanalítica, não identificada, para “circulação interna”).

MILÁN-RAMOS, J. G. Subjetivação da teoria e angústia na ciência e na psicanálise. In: LEITE, N. (Org.). Corpolinguagem: angústia: o afeto que não engana. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

LACAN, J. Passar pelo escrito. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

MILNER, J. C. O amor da língua. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987, [1978].

LACAN, J. A obra clara [1995]. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

ZIZEK, S. El sublime objeto de la ideología. México, DF: Siglo XXI, 1992, [1989].

LACAN, J. Porque no saben lo que hacen. El goce como un factor político. Buenos Aires: Paidós, 1998, [1991].

Downloads

Publicado

2008-11-26

Como Citar

Milán-Ramos, J. G. (2008). Entre o dizer e o escrito: corpo e linguagem no ensino de Jacques Lacan. ETD - Educação Temática Digital, 8, 264–276. https://doi.org/10.20396/etd.v8i0.703