Softwares de simulação no ensino de química: uma representação social na prática docente

Autores

  • Elda Silva do Nascimento Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • João Ricardo Freire de Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v6i2.773

Palavras-chave:

Educação em química. Softwares de modelagem. Representação social.

Resumo

Atualmente não é mais possível compreender o ensino centrado apenas no professor, antes considerado o único detentor do conhecimento. O processo de ensino-aprendizagem deve ser algo dinâmico que estrutura, e é estruturado de acordo com as relações forjadas em seu desenrolar. Assim, ferramentas como os softwares de modelagem surgem para otimizar e auxiliar nesse processo. Nesta perspectiva, o presente trabalho busca refletir sobre as mudanças conjunturais que levam os professores a adotar novas posturas para um melhor desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem. Em decorrência destas transformações, os docentes têm adotado novas formas de ensinar, que abrem espaço ao uso das novas tecnologias, cujas contribuições são inegáveis, especialmente, no ensino de Química. No entanto, em face da falta de preparo, do medo de mudanças e do modo acelerado como essas mudanças têm ocorrido, os professores da referida disciplina têm construído uma representação social acerca do uso das novas tecnologias, notadamente, dos softwares de modelagem, que tem tornado lento e confuso o processo de informatização do ensino de química. Neste sentido, cremos na pertinência deste trabalho, pois, essa discussão pode nos fazer compreender em que medida os professores de Química podem utilizar criticamente as novas tecnologias, aprimorando a sua prática. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elda Silva do Nascimento Melo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Pós doutora em Educação pela Universidade de Valencia/UV/Espanha. Professora do Departamento de Práticas Educacionais e Currículo e do Programa de Pós-graduação em Educação do Centro de Educação da UFRN, participa de grupos de pesquisa na área de Educação, assim como coordena projetos de pesquisa envolvendo temas como a Formação Docente, Teoria das Representações Sociais e Praxiologia de Pierre Bourdieu.

João Ricardo Freire de Melo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Concluiu a graduação em Informática no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) em 2000, a especialização em Sistemas e Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 2002 e o mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática também pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) em 2007. Cursa o doutorado vinculado a linha de pesquisa de Formação e Profissionalização Docente no Programa de Pós-graduação em Educação da UFRN. 

Referências

ABRIC, J. C. O estudo experimental das representações sociais In: JODELET. D. As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ. p. 155-173, 2001.

EICHLER, M.; Pino, J. C. Computadores em educação química: estrutura atômica e tabela periódica. Revista Química Nova, v. 23, n.6, 835-840, 2000.

GARCÍA, R. B. La Educacíon virtual. Desafio para la construccíon de culturas e identidades [online]. Disponível na internet: URL http://investigacion.ilce.edu.mx/ Acesso em: 08/02/2005.

DOMINGOS SOBRINHO, M. O sentido da educação para os educadores: capital simbólico e campo educacional no RN. DEPED/UFRN, 1997/98.

JODELET, D. Representações sociais um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Ed.) Les représentations sociales. (1989) Paris. PUF. (p. 31-61) (texto digitado, tradução livre de grupo de alunos PROGEDI/UFRN).

LÈVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MORGON, Nelson H. Computação em química teórica: informações técnicas. Revista Química Nova, v. 24, n. 5, 676-682, 2001.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1978.

MUÑOZ, P. Á. Aprendizaje con nuevas tecnologías: paradigma emergente[on line]. Disponível na internet: URL http://investigacion.ilce.edu.mx/ Acesso em: 08/02/2005.

MUÑOZ, P. A. Consideraciones pedagógicas para la incorporácion de la computadora como herramienta de apoyo al proceso educativo [on line]. Disponível na internet: URL http://investigacion.ilce.edu.mx/. Acesso em: 08/02/2005.

KOZMA, R. B.; RUSSELL, J. J. Res Sci. Teaching 1997, 34,949.

RIBEIRO, Â. A.; GRECA, I. M. Simulações computacionais e Ferramentas de Modelização em Educação Química: uma Revisão de Literatura Publicada. Revista Química Nova, v. 26, n. 4, 542-549, 2003.

SÁ, C. P. Sobre o núcleo central das representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

SPINK, M. J. O estudo empírico das representações sociais. In: SPINK, M. J. (Ed.), O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social.... São Paulo, SP: Brasiliense, 1993.

VELÁZQUEZ, Cesáreo M. Modelos de uso de la computadora en la escuela [on line]. Disponível na internet: URL http://investigacion.ilce.edu.mx/. Acesso em: 08/02/2005.

Downloads

Publicado

2008-11-12

Como Citar

MELO, E. S. do N.; MELO, J. R. F. de. Softwares de simulação no ensino de química: uma representação social na prática docente. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 51-63, 2008. DOI: 10.20396/etd.v6i2.773. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/773. Acesso em: 30 out. 2020.