A (in)sustentabilidade do discurso da educação para o desenvolvimento sustentável do Banco Mundial

Autores

  • Luciano Accioly Lemos Moreira Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v9i2.814

Palavras-chave:

Educação. Sustentabilidade. Capitalismo.

Resumo

A partir da década de 70 do século XX o capital adentra numa crise estrutural, causando com isso, efeitos danosos a vida humana de maneira continuada e rastejante. Devido aos danos econômicos, políticos e ecológicos de um modo de produção destrutivo de nossa época, o capital tenta dar resposta a sua crise estrutural. Tem-se em vários setores da sociedade e mais precisamente na educação, o surgimento do discurso da sustentabilidade como possibilidade na resolução dos conflitos de nossa época. Proporemos-nos analisar o discurso sobre a educação para o desenvolvimento sustentável contidos nos projetos do Banco Mundial e da ONU a partir da década de 90 do século XX. Procuraremos demonstrar as permanências e rupturas desse dizer, as possibilidades e limites desse novo projeto desenvolvimentista na reprodução da sociabilidade capitalista. Acreditamos que ao explicitarmos a voz ideológica do capital a sua crise, demonstrando o seu funcionamento, sua operacionalidade e limites, estaremos também, contribuindo para ecoar o que se quer silenciar, ou seja, a insustentabilidade de um sistema que refrea o livre desenvolvimento dos indivíduos. Com isso, a sustentabilidade da humanidade terá como possibilidade efetiva apenas quando o controle social da produção, da circulação e do consumo estiverem sob o controle consciente dos trabalhadores associados, ou seja, numa sociedade para além da escravidão assalariada do capital, numa sociabilidade comunista. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Accioly Lemos Moreira, Universidade Federal de Alagoas

Graduado em História, especialista e mestre em educação brasileira e doutorando em análise do discurso - Todos na Universidade federal de Alagoas - UFAL.

Referências

ONU. Declaração do Milênio – Cimeira do Milênio. Nova Iorque, 2000.

ONU. Declaração do Milênio – Cimeira do Milênio. Nova Iorque, 6 – 8 de setembro de 2000. Apresenta textos sobre os Projetos da ONU. Disponível em: http://www.pnud.org.br. Acesso em: 10 jan. 2006.

UNESCO. Década da Educação das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, 2005 – 2015: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília, 2005.

UNESCO. Década da Educação das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, 2005 – 2015: documento final do esquema internacional de implementação. Brasília, 2005.

Apresenta textos sobre os Projetos da UNESCO. Disponível em: http://www.unesco.org.br. Acesso em: 10 jan. 2006.

FOLADORI, G. Limites do desenvolvimento sustentável. São Paulo: IMESP, 2001.

FOSTER. J. B. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002.

MÉSZÁROS, I. Produção destrutiva e estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1989.

Downloads

Publicado

2008-11-11

Como Citar

MOREIRA, L. A. L. A (in)sustentabilidade do discurso da educação para o desenvolvimento sustentável do Banco Mundial. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 20-30, 2008. DOI: 10.20396/etd.v9i2.814. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/814. Acesso em: 31 out. 2020.