Banner Portal
Ideologia e reconhecimento: reflexões sobre a obrigatoriedade da temática história e cultura afro-brasileira
PDF

Palavras-chave

Afro-brasileiros. Programa nacional do livro didático. Reconhecimento. Ideologia.

Como Citar

ROLANDI, Verônica de Freitas; VITORINO, Artur José Renda. Ideologia e reconhecimento: reflexões sobre a obrigatoriedade da temática história e cultura afro-brasileira. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 157–175, 2015. DOI: 10.20396/etd.v17i1.8634824. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8634824. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar problematizações a respeito do cumprimento da lei 11.645 de 2008, que trata da obrigatoriedade da temática história e cultura afro-brasileira em todas as disciplinas do currículo. Serão analisadas duas sequências didáticas com essa temática do livro Cercanía espanhol sétimo ano aprovado no PNLD-2014 anos finais do ensino fundamental. As bases teóricas dessas análises serão a Teoria da Luta por Reconhecimento de Axel Honneth (2009) e o conceito de Ocultação Ideológica de Michel Debrun (1959; 1989; 1990). A primeira por permitir construir argumentos pela educação contra formas de desrespeito. A segunda porque explica os mecanismos que atuam no sentido de obliterar o estudante e impedi-lo de ver-se como “sujeito” e “agir como cidadão” (BRASIL, 2006). A partir da primeira análise observamos que o material apresenta subsídios ao professor mediador que permitem o reconhecimento intersubjetivo ao aluno (HONNETH, 2009). Já na segunda, vemos que a Ocultação Ideológica oblitera o leitor e não lhe permite ver que o convívio harmônico entre as raças indígena, negra africana e europeia é um referencial ideológico gerador do analogon que oculta a dissimetria entre o ápice e a base da pirâmide social brasileira (DEBRUN, 1959; 1989).

https://doi.org/10.20396/etd.v17i1.8634824
PDF

Referências

ADICHIE, Chimamanda. O perigo de uma única história. In: Technology, Entertainment, Design (TED Global), jul. 2009. Disponível em: http://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story?language=pt-br. Acesso em: 8 nov. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental / língua estrangeira. Brasília, 1998. 120 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias, v. 1. Brasília, 2006. 239 p.

BRASIL. Lei n.o 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei n.o 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n.o 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 març. 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 13 nov. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Guia de livros didáticos: PNLD 2014 – Língua Estrangeira Moderna, ensino fundamental anos finais. Brasília, 2013. 56 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Secretaria de Educação Básica. Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de coleções didáticas para o Programa Nacional do Livro Didático PNLD 2014. Brasília, 2013b. 105 p.

BRASIL. Ministério da Cultura. Centro Nacional de Informação e Referência da Cultura Negra. Observatório afro-latino. Brasília. Disponível em: http://afrolatinos.palmares.gov.br/005/00502001.jsp?ttCD_CHAVE=665. Acesso em: 10 nov. 2014.

BLIKSTEIN, Izidoro. Kaspar Hauser ou a Fabricação da Realidade. São Paulo: Cultrix, 1983. 98 p.

BUNZEN JÚNIOR, Clécio dos Santos. Livro didático de Língua Portuguesa: um gênero do discurso. 2005. 168f. Tese (Mestrado) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2005. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000361369 Acesso em: 13 nov. 2014.

COIMBRA, Ludmila; CHAVES, Luíza Santana; ALBA, José Moreno de. Cercanía: espanhol, 7.o ano. 2.ed. São Paulo: Edições SM, 2012. 183 p.

DEBRUN, Michel. Ideologia e Realidade. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 1959. 279 p.

DEBRUN, Michel. A “conciliação” e outras estratégias. São Paulo: Brasiliense, 1983.

DEBRUN, Michel: A ocultação ideológica: da ideologia primária à ideologia secundária. In: DASCAL, Marcelo. (Org.) Conhecimento, Linguagem, Ideologia. São Paulo: Perspectiva, 1989. p. 171-192.

DEBRUN, Michel. A Identidade Nacional Brasileira. In: USP Estudos Avançados 4/8. v. 4, n. 8, p. 39-49, jan./fev. 1990.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. São Paulo: Global, 2003. 736 p.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Raça, cor e outros conceitos analíticos In: SANSONE, Livio; PINHO, Osmundo Araújo. (Orgs.). Raça: novas perspectivas antropológicas. 2. ed. rev. Salvador: Associação Brasileira de Antropologia: EDUFBA, 2008. p. 63-82.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Rio de janeiro: José Olympio, 1936.

HONNETH, Axel. Luta por conhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Tradução de Luiz Repa; apresentação de Marcos Nobre. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009. 291 p.

MARTIUS, Karl Friedrich von. Como se deve escrever a história do Brasil. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Livro de fontes de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010. p. 63-91.

PRADO JUNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Martins, 1942.

UNICEF. Educación e Igualdad. Disponível em: http://www.unicef.org/teachers/spanish/wishbook/wish17.htm. Acesso em: 7 nov. 2014.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.