A natureza como “princípio material” de libertação: referenciais para a questão ambiental a partir de Enrique Dussel

Autores

  • César Augusto Costa Universidade Federal do Rio Grande
  • Carlos Frederico Loureiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v17i2.8635285

Palavras-chave:

Enrique Dussel. Modo de produção capitalista. Questão ambiental crítica. Natureza.

Resumo

O propósito deste texto é refletir sobre a relevância da “natureza como princípio material” a partir de Enrique Dussel. O filósofo argentino discute a questão ecológica/ambiental partindo concretamente da degradação instaurada pelo modo de produção capitalista, que determina relações sociais de exploração e alienação (estranhamento). Dussel estabelece um arcabouço teórico-metodológico que permite compreender os processos de dominação e expropriação da vida natural e humana a partir da América Latina, em um movimento de libertação dos subalternos e de superação da lógica colonial eurocêntrica. O autor, mesmo sem ser um ambientalista, aprofunda o debate da vida situando a discussão no nível da reflexão filosófica crítica e em aproximação a uma “questão ambiental crítica”. Dussel incita o debate nos termos do princípio material, confrontando a dinâmica do capitalismo e o que de fato deveríamos fazer para transformarmos nossas relações com a natureza à luz das relações historicamente implicadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César Augusto Costa, Universidade Federal do Rio Grande

Sociólogo. Doutor em Educação Ambiental/FURG. Professor no Curso de Pós-Graduação em Sociologia/FURG. Pesquisador do Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade (LIEAS/UFRJ).

Carlos Frederico Loureiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Biólogo. Doutor em Serviço Social/UFRJ. Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ecologia Social/UFRJ. Professor colaborador no Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental/FURG. Pesquisador CNPq. Coordenador do Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade (LIEAS/UFRJ).

Referências

ALTEMAYER JÚNIOR, Fernando. Paulo Freire e a Teologia da Libertação. In: SILVA, Inácio da Silva (Org.). O pensamento de Paulo Freire como matriz integradora de práticas educativas no meio popular: ciclo de seminários. São Paulo: Instituto Pólis, 2008. p. 13-15.

COSTA, César Augusto Soares da; LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação ambiental crítica: uma leitura ancorada em Enrique Dussel e Paulo Freire. Revista Eletrônica Geoaraguaia. Barra do Garças, v. 3, n. 2, p. 83-99, ago./dez. 2013. Disponível em: http://goo.gl/dklWYq Acesso em: 18 mai. 2015. ISSN: 2236-9716.

COSTA, Deodato. Ética e reflexão ecológica em Enrique Dussel. In: MENEZES, Magali Mendes de (Org.); SILVA, Neusa Vaz e (Org.); SANTA MARIA, Cristiane Nunes (Org.). Anais da Filosofia da Libertação. Porto Alegre: UFRGS, 2014, p. 52-57. Disponível em: http://goo.gl/DeOqk4 Acesso em 18 mai. 2015. ISBN: 978-85-89379-90-8.

COSTA, César Augusto Soares da. Ontologia dusseliana: uma leitura político-pedagógica para a Educação Ambiental crítica. Revista Terceiro Incluído. Goiânia, v. 4, n. 02, p. 19-29, jul./dez. 2014. Disponível em: http://goo.gl/9TQLuf Acesso em: 18 mai. 2015. ISSN: 2237-079X.

DUSSEL, Enrique. Alguns princípios para uma ética material de libertação. In: PIXLEY, Jorge (Coord.) Por um mundo diferente: alternativas para o mercado global. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 23-35.

DUSSEL, Enrique. 20 teses de política. São Paulo: Expressão popular, 2007.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.

DUSSEL, Enrique. Ética ecológico-cultural. In: DUSSEL, Enrique. Ética comunitária. São Paulo: Paulinas, 1986, p. 209-220.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da libertação na América Latina. 2.ed. São Paulo: Loyola, 1980.

DUSSEL, Enrique. Hacía um Marx desconocido: um comentário de los Manuscritos de 61-63. México: Siglo XXI, 1988.

DUSSEL, Enrique. Método para uma filosofia da libertação. São Paulo: Loyola, 1986.

DUSSEL, Enrique. Transmodernidade e Interculturalidade (interpretação desde a filosofia da libertação). In: BETANCOURT, Raúl Fornet. Interculturalidade: críticas, diálogo e perspectivas. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2004. p. 159-208.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

GIANOTTI, José Arthur. Origens da dialética do trabalho. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1966.

LACERDA JÚNIOR, José Cavalcante. A perspectiva filosófica de Enrique Dussel: de uma filosofia da libertação a um pensamento crítico à ideologia da exclusão. Revista Sophia: Colección de Filosofia de La Educación. Quito, Equador, n. 12, p. 207-218, 2012. Disponível em: http://goo.gl/cJiEej Acesso em: 18 mai. 2015.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Karl Marx: história, crítica e transformação social na unidade dialética da natureza. In: CARVALHO, Isabel Cristina de Moura (Org.); GRUN, Mauro (Org.); TRAJBER, Rachel (Org.). Pensar o ambiente: bases filosóficas para a Educação Ambiental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, UNESCO, 2006, p. 125-137. Disponível em: http://goo.gl/uYsQoK Acesso em: 18 mai. 2015.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012.

LOWY, Michael. Progresso destrutivo: Marx, Engels e a ecologia. In: LOWY, Michael. Ecologia e Socialismo. São Paulo: Cortez, 2005. p. 19-40.

MÉSZAROS, Iztván. A teoria da alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. 2. ed. Porto Alegre: LP&M, 2002.

OLIVEIRA, Ivanilde Apoliceno; DIAS, Alder Sousa. Ética da libertação de Enrique Dussel: caminho de superação do irracionalismo moderno e da exclusão social. Conjectura, Caxias do Sul, v. 17, n. 3, p. 90-106, set./dez. 2012. Disponível em: http://goo.gl/EIUzSS Acesso em: 18 mai. 2015. ISSN: 0103-1457.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A ecologia política na América Latina: reapropriação social da natureza e reinvenção dos territórios. INTERthesis, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 16-50, jan./jul. 2012. Disponível em: http://goo.gl/Ybt6H7 Acesso em: 18 mai. 2014. ISSN: 1807-1384.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Os (des) caminhos do meio ambiente. 15.ed. São Paulo: Contexto, 2013.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Natureza e sociedade: elementos para uma ética da sustentabilidade. In: QUINTAS, José Silva (Org.). Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: Ibama, 2002. p. 33-77.

SILVA, José Vicente Medeiros. Filosofia, Responsabilidade e Educação em Enrique Dussel. Perspectiva Filosófica, Recife, v. 2, n. 38, ago./dez. 2012, p. 91-107. Disponível em: http://goo.gl/0Dwtw0 Acesso em: 18 mai. 2015. ISSN: 2357-9986.

STRECK, Danilo. (Org.). Fontes do pensamento pedagógico latino-americano. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

VIEIRA, Antonio Rufino. Dependência e libertação. In: PIRES, Cecília (Org.) Vozes silenciadas: ensaios de ética e filosofia política. Ijuí: Unijuí, 2003.

VIEIRA, Antonio Rufino. Filosofia da libertação e marxismo. In: VIEIRA, Antonio Rufino (Org.). Ética e filosofia crítica no século XXI. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2011. p. 48-67.

VIEIRA, Antonio Rufino. Marxismo e libertação: estudos sobre Ernst Boch e Enrique Dussel. São Leopoldo: Nova Harmonia, 2010.

WALLERSTEIN, Immanuel. O universalismo europeu. São Paulo: Boitempo, 2007.

Downloads

Publicado

2015-08-31

Como Citar

Costa, C. A., & Loureiro, C. F. (2015). A natureza como “princípio material” de libertação: referenciais para a questão ambiental a partir de Enrique Dussel. ETD - Educação Temática Digital, 17(2), 289–307. https://doi.org/10.20396/etd.v17i2.8635285