Era uma vez uma "Cinderela Surda": uma análise da releitura do clássico, em Escrita de Sinais

Autores

  • Maria Salome Soares Dallan Prefeitura Municipal de Paulínia
  • Mateus Roncada Nardini
  • Luzia Bueno Universidade São Francisco
  • Márcia Aparecida Amador Mascia Universidade São Francisco

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v17i2.8635694

Palavras-chave:

Gêneros Textuais. Interacionismo sociodiscursivo. Língua de sinais. Sign Writing.

Resumo

A proposta deste artigo é apresentar uma análise do livro bilíngue (Libras/Língua Portuguesa) “Cinderela Surda”. O objetivo consiste em compará-los e apontar, no conteúdo textual em Língua de Sinais, os apagamentos significativos em relação ao que foi escrito em Língua Portuguesa. O referencial teórico reside nos estudos sobre gêneros de Bakhtin/Voloshinov e Bronckart. A análise revelou a necessidade de trazer às novas produções não apenas os elementos formadores desse gênero, percebidos nas duas versões, mas que haja uma consonância maior entre as duas línguas, ao tentar reproduzir o efeito de sentido vivido através da narrativa, nos seus distintos leitores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Salome Soares Dallan, Prefeitura Municipal de Paulínia

Pedagoga em Educação Especial (PUC Campinas), Mestre em Educação – Universidade São Francisco.

Mateus Roncada Nardini

Licenciado em Letras Português/Inglês/Literaturas (UNIP), Mestre em Educação – Universidade São Francisco.

Luzia Bueno, Universidade São Francisco

Doutora em Lingüística Aplicada pela PUC-SP e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade São Francisco, linha Práticas Discursivas, Processos Culturais e Educativos. Doutora em Lingüística Aplicada pela PUC-SP e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade São Francisco, linha Práticas Discursivas, Processos Culturais e Educativos.

Márcia Aparecida Amador Mascia, Universidade São Francisco

Doutora em Lingüística Aplicada pela UNICAMP e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade São Francisco, linha Práticas Discursivas, Processos Culturais e Educativos.

Referências

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, 1997.

BAKHTIN, Mikhail Mihailovitch. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, Mikhail Mihailovitch. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1999.

BARBOSA, Jacqueline. Do professor suposto pelos PCNs ao professor real de Língua Portuguesa: são os PCNs praticáveis? In: ROJO, Roxane. A prática de linguagem em sala de aula: praticando os PCNs. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2000.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. Trad. Anna Rachel Machado. São Paulo: EDUC, 1999.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Trad. Anna Rachel Machado; Maria Lucia Meirelles Matêncio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006.

BRONCKART, Jean-Paul. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Trad. Anna Rachel Machado; Maria Lucia Meirelles Matêncio. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sociodiscursivo. Trad. Anna Rachel Machado, Péricles Cunha – 2. ed. São Paulo: EDUC, 2009.

CAMPELLO, Ana Regina de Souza. Pedagogia Visual/Sinal na Educação dos Surdos. In: QUADROS, Ronice Muller de (Org.); PERLIN, Gladis (Org.). Estudos surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

DALLAN, Maria Salomé Soares. Análise discursiva dos estudos surdos em educação: a questão da Escrita de Sinais. 2012. Dissertação (mestrado). Universidade São Francisco. Itatiba, SP, 2012.

GAGLIARDI, Eliana; AMARAL, Heloisa. Trabalhando com os gêneros do discurso: narrar: conto de fadas. São Paulo: FTD, 2001.

GESSER, Audrei. Libras?: que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009.

HESSEL, Carolina; ROSA, Fabiano; KARNOPP, Lodenir. Cinderela Surda. Canoas: Ed. ULBRA, 2003.

MASCIA, Marcia Aparecida Amador. Gêneros orais na escola: Necessidades e dificuldades de um trabalho efetivo. Revista Instrumento: Revista Estudos e Pesquisas em Educação, Juiz de Fora, v.11, n.1, jan./jun. 2009.

QUADROS, Ronice Muller de. Um capítulo da história do SignWriting. Disponível em: http://www.signwriting.org/library/history/hist010.html Acesso em: 12/2001.

QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos Linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

STUMPF, Marianne Rossi. Transcrições de língua de sinais brasileira em signwriting. In: LODI, Ana Claudia Balieiro (Org.) et al. Letramento e minorias. Porto Alegre, RS: Mediação, 2002.

STUMPF, Marianne Rossi. Aprendizagem da escrita de língua de sinais pelo sistema signwriting: línguas de sinais no papel e no computador. 2005. Tese (doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

STUMPF, Marianne Rossi. Mudanças estruturais para uma Inclusão Ética - Marianne Rossi Stumpf. In: QUADROS, Ronice Muller de (Org.); PEREIRA, Alice Theresinha Cybis (Org.). Estudos surdos III. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2008.

STUMPF, Marianne Rossi. 2009. A educação bilíngue para surdos: relatos de experiências e a realidade brasileira. In: QUADROS, Ronice Muller de (Org.); PEREIRA, Alice Theresinha Cybis (Org.). Estudos surdos IV. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2009.

Downloads

Publicado

2015-08-31

Como Citar

Dallan, M. S. S., Nardini, M. R., Bueno, L., & Mascia, M. A. A. (2015). Era uma vez uma "Cinderela Surda": uma análise da releitura do clássico, em Escrita de Sinais. ETD - Educação Temática Digital, 17(2), 355–376. https://doi.org/10.20396/etd.v17i2.8635694