Narrativas de professores: um estudo investigativo na educação matemática em Parintins/AM

Autores

  • Isabel do Socorro Lobato Beltrao Centro de Estudos Superiores de Parintins. Universidade do Estado do Amazonas. CESP/UEA
  • Amarildo Menezes Gonzaga Centro Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – CEFET/AM
  • Ierecê dos Santos Barbosa Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v18i2.8640582

Palavras-chave:

Educação matemática. Formação de professores de matemática. Narrativas docentes.

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que investigou experiências de professores que ministraram e/ou ministram a disciplina Matemática em Parintins/AM, no período de 1960-2010, visando construir registros sobre práticas pedagógicas na Educação Matemática. Para isso, utilizou-se a História Oral como metodologia de pesquisa qualitativa, tendo como referências autores como Connelly e Clandinin (1995), Garnica (2005), Gattaz (1996), Meihy (2005) e Thompson (1998) que discutem os seguintes propósitos investigativos: preparação, elaboração e análise das narrativas. As narrarativas dos professores enfatizaram as abordagens, estratégias de ensino e processos avaliativos que sustentaram e/ou sustentam seus trabalhos pedagógicos. Dentre os resultados destacam-se as mudanças ocorridas na Educação Matemática e a intrínseca relação entre os saberes docentes e as práticas pedagógicas dos professores de matemática nas últimas cinco décadas. Percebeu-se que nas primeiras décadas do estudo, havia uma carência de professores qualificados, de recursos didáticos e de acesso à informação; junto a isso somam-se as dificuldades inerentes à vida em uma ilha no Estado do Amazonas, porém nas últimas décadas do estudo já se percebe mudanças significativas com a implantação das universidades no município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel do Socorro Lobato Beltrao, Centro de Estudos Superiores de Parintins. Universidade do Estado do Amazonas. CESP/UEA

Mestra em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM), da Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), Polo Acadêmico UEA. Professora do Curso de Licenciatura em Matemática do Centro de Estudos Superiores de Parintins. Universidade do Estado do Amazonas (CESP/UEA). Parintins, AM, Brasil.

Amarildo Menezes Gonzaga, Centro Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas – CEFET/AM

Doutor em Educação pela Universidade de Valladolid (2002). Professor do Centro Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (CEFET/AM), Professor do Curso de Doutorado em Rede em Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), Polo UEA, Manaus, AM, Brasil.

Ierecê dos Santos Barbosa, Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Psicanalista clínica. Atualmente é professora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e do Centro Universitário do Norte (UNINORTE). Professora do doutorado em Rede em Educação em Ciências e Matemática (REAMEC), Polo Acadêmico UEA. Manaus, AM, Brasil

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de História oral. 3.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

ALVARADO-PRADA, Luis Eduardo; FREITAS, Thaís Campos; FREITAS, Cinara Aline. Formação continuada de professores: alguns conceitos, interesses, necessidades e propostas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, PR, v. 10, n. 30, p. 367-387. mai./ago. 2010. Disponível em: <http://goo.gl/KKvLyU>. Acesso em: 07 set. 2015. ISSN 1518-3483.

BARBOSA, Luiz Gustavo Medeiros (Org.). Mapa dos destinos indutores do desenvolvimento turístico regional. In: Estudo de competitividade dos 65 destinos indutores do desenvolvimento turístico regional: Relatório Brasil. 2 ed. Brasília: Ministério do Turismo, 2008. 84 p. Disponível em: <http://goo.gl/3hHhyd>. Acesso em: 07 set. 2015.

CASTRO, Franciana Carneiro de. Aprendendo a ser professor(a) na prática: estudos de uma experiência em prática de ensino de Matemática e estágio supervisionado. 2002. 149 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2002. Disponível em: <http://goo.gl/z5bF48>. Acesso em: 07 set. 2015.

CAVACO, Maria Helena. Ofício do professor: o tempo e as mudanças. In: NÓVOA, Antonio (Org.). Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1992.

CONNELLY, Michael F.; CLANDININ, Jean D. Relatos de experiencias e investigación narrativa. In: LARROSA, Jorge. Déjame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Editorial Laertes, 1995.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GALVÃO, Cecília. Narrativas em educação. Ciências & Educação, Bauru, SP, v. 11, n. 02, p. 327-345. 2005. Disponível em: <http://goo.gl/ZEgvkv>. Acesso em: 07 set. 2015. ISSN: 1980-850X.

GARNICA, Antonio Vicente Marafioti. História oral e Educação Matemática: de um inventário a uma regulação. ZETERIKÉ - Revista de Educação Matemática, Campinas, SP, v. 11, n. 19, p. 09–56. jan./jun. 2003. Disponível em: <http://goo.gl/GO1GqA>. Acesso em: 07 set. 2015. ISSN: 2176-1744.

GARNICA, Antonio Vicente Marafioti. História oral em Educação Matemática. Guarapuava: SBHMAT, 2007.

GATTAZ, André Castanheira. Braços da resistência. Uma história oral da imigração espanhola. São Paulo: Xamã, 1996.

GONÇALVES, Tadeu Oliver; GONÇALVES, Terezinha Valim Oliver. Reflexões sobre uma prática docente situada: buscando novas perspectivas para a formação de professores. In CANDAU, Vera Maria (Org.). Magistério construção cotidiana. 2.ed. Petrópolis: Vozes 1997.

IBGE. Censo Populacional 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://goo.gl/yzaFCT>. Acesso em: 20 nov. 2012. ISSN: 0104-3145.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: forma-se para a mudança e a incerteza. Tradução de Silvana Cobucci Leite. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; RIBEIRO, Suzana Lopes Salgado. Guia prático de História oral. São Paulo: Contexto, 2011.

PEREIRA, Júlio Emílio Diniz; AMARAL, Fernanda Vasconcelos. Convergências e tensões nas pesquisas e nos debates sobre as licenciaturas no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 15, 2010. Anais eletrônicos... Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 527-550.

PERRENOUD, Philippe. Os dez não ditos ou face escondida da profissão docente. Disponível em: <http://goo.gl/EeTsrK>. Acesso em: 20 mar. 2012.

MOTTA, Aricildes de Moraes. História oral do projeto Rondon. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2007.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Relatos orais: do indizível ao divizível. In: SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von (Org.). Experimentos com histórias de vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, 1988, p. 14-43.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: T.A. Queiróz, 1991.

TARDIF, Maurice. Os professores enquanto sujeitos do conhecimento: subjetividade, prática e saberes no magistério. In: CANDAU, Vera Maria (Org). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2000, p. 112-128.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

THOMPSON, Paul. A voz do passado. História Oral. 2.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

BELTRAO, I. do S. L.; GONZAGA, A. M.; BARBOSA, I. dos S. Narrativas de professores: um estudo investigativo na educação matemática em Parintins/AM. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 332–351, 2016. DOI: 10.20396/etd.v18i2.8640582. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8640582. Acesso em: 8 dez. 2021.