Tecnologias digitais na formação inicial docente: articulações e reflexões com uso de redes sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v18i2.8640946

Palavras-chave:

Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação. Formação Inicial Docente. Redes Sociais. Facebook.

Resumo

Este trabalho discute o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na prática docente, no sentido de que estas estejam presentes desde a formação inicial, a partir de experiências que promovam a reflexão e práticas futuras. As discussões aqui apresentadas são fruto de uma dissertação de mestrado em Educação da Universidade Federal de Sergipe e tem por objetivo discutir a importância do uso efetivo das tecnologias na formação inicial docente como exercício da práxis, a fim de oportunizar aos futuros professores experiências que os motivem e os preparem para um uso efetivo. A pesquisa, de abordagem qualitativa, utilizou por método a Pesquisa-formação para o desenvolvimento de uma prática em que as tecnologias foram inseridas no cotidiano de uma disciplina da graduação, utilizando uma rede social como ambiente de aprendizagem. Os resultados evidenciam a urgência de metodologias e práticas que utilizem as tecnologias nas universidades, a fim de preparar os futuros docentes para as exigências da profissão na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Alves Novais Souza, Secretaria de Estado da Educação de Sergipe

Professora de Educação básica da rede estadual de Sergipe Mestra em Educação pela Universidade Federal de Sergipe; Especialista em Mídias na Educação e em Gestão escolar; Graduada em Letras-Português e em Pedagogia

Henrique Nou Schneider, Universidade Federal de Sergipe

Coordenador Comitê Institucional COMFOR/PROGRAD Presidente Comitê Gestor Rede MetroAju/RNP (REDECOMEP) Professor Departamento Ciência da Computação - DCOMP/CCET Orientador Mestrado e Doutorado Educação - PPGED/POSGRAP Coordenador Grupo de Estudos e Pesquisa em Informatica na Educação - GEPIED

Referências

ALVARADO PRADA, Luis Eduardo. Pesquisa coletiva como um caminho na formação de Professores. In: ENCONTRO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO, 3. 2005, Uberaba, MG. Anais eletrônicos... Uberaba: UNIUBE, 2005, p. 626-637.

BONA, Aline Silva de. Espaço de aprendizagem digital da Matemática: o aprender a aprender por cooperação. 2012. 248 f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2012. Disponível em: <http://goo.gl/ybRuXr>. Acesso em: 08 out. 2015.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC: SEB, 2013. 565 p. Disponível em: <http://goo.gl/1SwnYG>. Acesso em: 08 out. 2015.

BRASIL. Decreto n. 3276/99, de 06 de dezembro de 1999. Dispõe sobre a formação em nível superior de professores para atuar na educação básica, e dá outras providências. Disponível em: <http://goo.gl/lGyI6F>. Acesso em: 13 jul. 2014.

FAVA, Rui. Educação 3.0: como ensinar estudantes com culturas tão diferentes. 2. ed. Cuiabá: Carlini e Caniato Editorial, 2011.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1993.

GATTI, Bernadete Almeida; BARRETO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: UNESCO, 2011. 300 p. Disponível em: <http://goo.gl/GP7ZH>. Acesso em: 08 out. 2015.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Ed. 34, 1996.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora?: novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2011.

LONGAREZI, Andrea Maturano; SILVA, Jorge Luiz da. Pesquisa-formação: um olhar para sua constituição conceitual e política. Contrapontos, Itajaí, SC, vol. 13, n. 03, p. 214-225. set./dez. 2013. Disponível em: <http://goo.gl/snN8oJ>. Acesso em: 08 out. 2015. ISSN 1984-7114.

LONGAREZI, Andrea Maturano; SILVA, Jorge Luiz da. Interface entre pesquisa e formação de professores: delimitando o conceito de pesquisa-formação. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE, 8., Curitiba, PR, 2008. Anais eletrônicos... Curitiba: Champagnat, 2008. Disponível em: <http://goo.gl/v6G30y>. Acesso em: 08 out. 2015.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MATTAR, João. Web 2.0 e redes sociais na educação. São Paulo: Artesanato Educacional, 2013.

NÓVOA, Antonio. Prefácio. In: JOSSO, Marie Cristina. Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez, 2004.

PINTO, Sérgio Crespo Coelho da Silva; SERRÃO, Tássia; BRAZ, Lucas M et al. Redes sociais: impactos, desafios e pesquisas no cenário educacional. In: SCHNEIDER, Henrique Nou; LACKS, Solange (Org.). Educação no século XXI: desafios e perspectivas. São Cristóvão: Editora UFS, 2012, p. 85-116.

RAMOS, Fernando; LINHARES, Ronaldo Nunes; BATISTA, J. TIC em educação: um contributo para definição do papel do professor. In: LINHARES, Ronaldo Nunes; FERREIRA, Simone de Lucena; VERSUTI, Andrea Cristina. (Org.). As redes sociais e seu impacto na cultura e na educação do século XXI. 2 ed. Fortaleza: Edições UFC, 2012, p. 113-148.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTAELLA, Lúcia. Culturas e artes do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

SANTOS, Edméa Oliveira dos. Educação on line: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. 2005. 105 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, 2005. Disponível em: <https://goo.gl/Q3I5Ml>. Acesso em: 08 out. 2015.

SANTOS, Ivanilde Pereira dos; BLÁZQUEZ, Florentino. Incorporação das novas tecnologias no ensino superior. Goiânia: R&F, 2005.

SCHNEIDER, Henrique Nou. Um ambiente ergonômico de ensino-aprendizagem informatizado. 2002. 163 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2002. Disponível em: <https://goo.gl/oYTEGD>. Acesso em: 08 out. 2015.

SCHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012

SOUZA, Adriana Alves Novais. O facebook como ambiente de aprendizagem: uma análise da práxis presencial mediada pelo conectivismo pedagógico. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2015. Disponível em: <https://goo.gl/pqlffH>. Acesso em: 08 out. 2015.

VALENTE, José Armando. Mudanças na sociedade, mudanças na educação: o fazer e o compreender. In: VALENTE, José Armando (Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Campinas: UNICAMP:NIED, 1999.

VALENTE, José Armando. Computadores e conhecimento: repensando a educação. Campinas: UNICAMP:NIED, 1998.

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

ALVES NOVAIS SOUZA, A.; NOU SCHNEIDER, H. Tecnologias digitais na formação inicial docente: articulações e reflexões com uso de redes sociais. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 418–436, 2016. DOI: 10.20396/etd.v18i2.8640946. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8640946. Acesso em: 8 dez. 2021.