Por uma pedagogia que fale em nome próprio

Autores

  • Ana Paula Crizel Centro Universitário UNIVATES
  • Angélica Vier Munhoz Centro Universitário UNIVATES

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v18i4.8642175

Palavras-chave:

Pedagogia. Nome. Movimento. Formação.

Resumo

Trata-se de pensar uma pedagogia que fale em nome próprio. Tal proposição fez parte das investigações da dissertação de mestrado vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino da Univates, que tinha como objetivo pensar diferentemente o território da pedagogia. Dessa necessidade, dá-se um encontro - nome próprio -, expressão encontrada em meio aos escritos de Deleuze e Guattari. Do encontro, cria-se o desejo de pensar uma pedagogia que fale em nome próprio. O primeiro movimento feito foi rastrear, na obra Mil Platôs, as aparições da expressão e estabelecer alguns marcadores nos excertos selecionados, na intenção de apreender de que maneira essa noção é compreendida e operada pelos autores. No segundo momento do texto, tensionam-se as formas e formações da pedagogia para, na sequência, propor a composição de uma expressão que opera no plano filosófico com o território da pedagogia. Ao finalizar, conclui-se que tal composição, ao acontecer, movimenta o corpo e o pensamento, criando condições para um possível.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Crizel, Centro Universitário UNIVATES

Pedagoga e Mestranda em Ensino pelo Centro Universitário UNIVATES. Bolsista FAPERGS. Integrante do Grupo de Pesquisa Currículo, Espaço, Movimento (CEM/CNPq).

Angélica Vier Munhoz, Centro Universitário UNIVATES

Doutora em Educação; Docente do Centro de Ciências Humanas e Sociais do Centro Universitário UNIVATES e do Programa de Pós-graduação - Mestrado em Ensino de Ciências Exatas e Mestrado em Ensino. É líder do Grupo de pesquisa Currículo, espaço, movimento (CEM/CNPq).

Referências

DELEUZE, Gilles. A ilha deserta: e outros textos. São Paulo: Iluminuras, 2006.

DELEUZE, Gilles. Conversações: 1972-1990. Tradução de Peter Pál Pelbart. Rio de Janeiro: 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de Eloisa Araújo Robeiro. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

DELEUZE, Gilles. Klossowski ou os corpos-linguagem. In: DELEUZE, Gilles. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2006b.

DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: lógica da sensação. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Cecília Costa Pinto. Rio de Janeiro: 34, 1995.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: 34,1995b.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. São Paulo: 34, 1996.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: 34,1997.

DELEUZE, Gilles. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: 34, 1997b.

DUSSEL, Inés; CARUSO, Marcelo. A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar. São Paulo: Moderna, 2003.

GAUTHIER, Clermont. O século XVII e o nascimento da Pedagogia. In: GAUTHIER, Clemont; TARDIF, Maurice (Orgs.). A Pedagogia: teorias e práticas da Antiguidade aos dias atuais. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 101-128.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. Pedagogia e governamentalidade ou da modernidade como uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

VEIGA-NETO, Alfredo. Algumas raízes da pedagogia moderna. In: ZORZO, Cacilda; SILVA, Lauraci D.; POLENZ, Tamara (Orgs.). Pedagogia em conexão. Canoas: Editora da

ULBRA, 2004. p. 65-83.

ZOURABICHVILLI, François. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

Downloads

Publicado

2016-11-17

Como Citar

Crizel, A. P., & Munhoz, A. V. (2016). Por uma pedagogia que fale em nome próprio. ETD - Educação Temática Digital, 18(4), 942–954. https://doi.org/10.20396/etd.v18i4.8642175