Banner Portal
Professores como pesquisadores e a colaboração entre pares: pesquisa, informação e conhecimento no contexto escolar
PDF

Palavras-chave

Educação. Biblioteconomia.

Como Citar

BLANK, Cintia Kath; SILVA, João Alberto da. Professores como pesquisadores e a colaboração entre pares: pesquisa, informação e conhecimento no contexto escolar. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 19, n. 3, p. 786–804, 2017. DOI: 10.20396/etd.v19i3.8642493. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8642493. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho se propôs a compreender, na perspectiva do letramento informacional, a atividade da pesquisa escolar desenvolvida pelos professores para sua atuação e atualização profissional. Para o desenvolvimento deste estudo participaram sete docentes dos anos iniciais de duas escolas de ensino fundamental da rede municipal de uma cidade do interior do Rio Grande do Sul, integrantes do Programa Observatório Nacional da Educação – CAPES. Em relação à abordagem metodológica, o delineamento se sustenta na Investigação-ação escolar com a utilização de técnicas de Grupo focal; Planejamento cooperativo e a observação, os quais foram posteriormente analisados com auxílio do aporte teórico-metodológico da Análise de Conteúdo. Os dados analisados apontam que são praticadas buscas e não propriamente pesquisas, já que o foco na prática está na localização de informações e não na construção de conhecimentos. Nas pesquisas desenvolvidas pelos professores, a atenção está na aplicabilidade das informações coletadas em suas turmas e, para isso, recorrem a colegas de profissão e blogs de outros professores. O compartilhamento de informações e a divulgação de dados das pesquisas aparecem frequentemente praticados pelos docentes e a principal dificuldade citada por eles é a problemática da cultura escolar com o trabalho de pesquisa. Assim, a pesquisa escolar, na perspectiva do letramento informacional, mostrou que, embora as intenções sejam condizentes com uma visão construtivista, na prática, este fato não se concretiza.

https://doi.org/10.20396/etd.v19i3.8642493
PDF

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Ed. 70, 2011.

BECKER, Fernando. Educação e construção do conhecimento. 2. ed. rev. Porto Alegre, RS: Penso, 2012.

BECKER, Fernando. Ensino e pesquisa: qual a relação? In:BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (Org.). Ser professor é ser pesquisador. 3. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2012.

BECKER, Fernando. O que é construtivismo? Revista de Educação, Brasília, DF, v. 21, n. 83, p. 7-15, 1992.

COUTINHO, Clara P. et al. Investigação‐acção: metodologia preferencial nas práticas educativas. Revista Psicologia, Educação e Cultura, v. 13, n. 2, p. 355- 379, 2009.

DICKEL, Adriana. Que sentido há em se falar em professor-pesquisador no contexto atual?: contribuições para o debate. In: GERALDI, Corinta Maria Grisolia; FIORENTINI, Dario; PEREIRA, Elisabete Monteiro de Aguiar. (Org.). Cartografias do trabalho docente: professor-pesquisador. Campinas, SP: Mercado das letras, 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35.ed. São Paulo, SP: Paz e Terra, 2007.

FRISON, Lourdes Maria Bragagnolo. Pesquisa como superação da aula copiada. In: MORAES, Roque; LIMA, Valderez Marina do Rosário (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2. ed. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS, 2004.

GASQUE, Kelley Cristine G. Dias. Letramento Informacional: pesquisa, reflexão e aprendizagem. [e-book]. Brasília, DF: UNB, 2012.

GASQUE, Kelley Cristine G. Dias. Arcabouço conceitual do letramento informacional. Ciência da Informação, v.39, n.3, p. 83-92, set./dez. 2010.

GASQUE, Kelley Cristine G. Dias; TESCAROLO, Ricardo. Desafios para implementar o letramento informacional na educação básica. Educação em Revista, Belo Horizonte, MG, v.26, n.1, p. 41-56, 2010.

KEBACH, Patricia Fernanda Carmem. O professor construtivista: um pesquisador em ação. In: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (Org.). Ser professor é ser pesquisador. 3. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2012.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, SP: Ed. 34, 2003.

LIBÂNEO, José Carlos; OLIVEIRA, João Ferreira; TOSCHI, Mirza Seabra. Educação Escolar: Políticas, Estrutura e Organização. 8. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2009.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo; RAMOS, Maurivam G. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: MORAES, Roque; LIMA, Valderez Marina do Rosário (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2. ed. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS, 2004.

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação? 16. ed. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio, 2002.

RAMOS, Maurivan Guntzel. In: MORAES, Roque; LIMA, Valderez Marina do Rosário (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2. ed. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS, 2004.

SILVA, João Alberto da. O sujeito psicológico e o tempo da aprendizagem. Cadernos de Educação. v. 32, p. 229-250, jan. /abr. 2009.

SILVA, João Alberto da. O professor pesquisador e a liberdade do pensamento. In: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania B. I. (Org.). Ser professor é ser pesquisador. 3. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2012.

SILVA, João Alberto da; MARINHO, Júlio Cesar; SILVA, Grasiele Ruiz. Planejamento cooperativo como método de investigação da sala de aula. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, p. 120-135, 2015.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.