Jean-Luc Godard e o ser da imagem

Autores

  • Fabiana Amorim Marcello Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v18i2.8644733

Palavras-chave:

Godard. Imagem. Cinema. Educação

Resumo

Neste artigo, mais do que investir num modelo de “clássico” como efeito de um lugar originário do discurso cinematográfico, interessa-nos problematizar as categorias que a materialidade do conceito insinua. Para tanto, inicialmente, tomamos como base o trabalho de Foucault para discutir o modo como, na lógica da genealogia e da ruptura, Godard tensiona, de maneira singular, o estatuto sob o qual as suposições acerca do que seria um “criador individual” se sustentam. Em seguida, analisamos alguns materiais produzidos pelo diretor, mostrando que aquilo que caracterizaria Godard como um diretor de ruptura estaria implicado com dois movimentos: primeiro, naquele do rechaço pelo discurso do “diretor” e, segundo, naquele que diz respeito a uma forma de composição sustentada pela busca, incansável, ao que seria a “especificidade” do cinema ou mesmo da imagem cinematográfica. Menos do que sugerir algo que remeta à autenticidade inarredável de um campo, entendemos que Godard opera com a imagem no sentido de sua ausência – e, deste modo, numa necessidade constante de criação não apenas da imagem, mas do próprio conceito de imagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Amorim Marcello, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora do Departamento de Estudos Especializados e do Programa de Pós-Grduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

ALLOA, Emmanuel. Entre a transparência e a opacidade – o que a imagem dá a pensar. In: ALLOA, Emmanuel (Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. P. 7-19.

BORGES, Jorge Luis. Os jardins dos caminhos que se bifurcam. In: BORGES, Jorge Luis. Ficções. São Paulo: Globo, 1989. P. 71-83.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. Companhia das Letras: São Paulo, 1993.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.

DELEUZE, Gilles. A imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

DELEUZE, Gilles. A imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1983.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Devolver uma imagem. In: ALLOA, Emmanuel (Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. P. 7-19.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Quando as imagens tocam o real. Pós: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes da EBA/UFMG, vol. 2, n. 4, p. 204-219, nov., 2012.

DIDI-HUBERMAN. Quand les images prennent position. Paris: Éditions de Minuit, 2009.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Un conocimiento por el montaje [Entrevista com Georges Didi-Huberman, por Pedro Romero]. Revista Minerva. Madrid: vol. 5, p. 17-22, 2007.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Images malgré tout. Paris: Éditions de Minuit, 2003.

DUBOIS, Phillippe. Cinema, vídeo, Godard. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor. In: FOUCAULT, Michel. Ditos & escritos III – Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense, 2001a. P. 264-298.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 2000a.

FOUCAULT, Michel. Sobre a arqueologia das ciências. Resposta ao círculo de epistemologia. In: FOUCAULT, Michel. Ditos & escritos II – Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense, 2000b. P. 82-118.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: FOUCAULT, Michel. Ditos & escritos II – Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense, 2000c. P. 260-281.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

LEANDRO, Anita. Lições de roteiro, por JLG. Educação e Sociedade, vol. 24, n. 83, p. 681-701, ago., 2003

LEANDRO, Anita. Godard contra a adaptação: Carmen e outras histórias do cinema. Aletria: Revista de estudos de literatura (UFMG), vol. 8, 2001, p. 60-71.

VASCONCELLOS, Jorge. A pedagogia da imagem: Deleuze, Godard – ou como produzir um pensamento do cinema. Educação & Realidade, vol. 33, n. 1, p. 155-168, jan.-jun. 2008.

PRODUÇÕES CITADAS

DREYER, Carl. A paixão de Joana D’Arc [La passion de Joanne D’Arc]. Paris: Société générale des films, 110min., 1928.

GODARD, Jean-Luc. Adeus à linguagem [Adieu au langage]. Paris: Canal Plus, 69min., 2015.

GODARD, Jean-Luc. Histoire(s) du cinéma. Paris: Gaumont, 266min., 1988-1998.

GODARD, Jean-Luc. Tour/detour/deux enfants. Paris: Sonimage, 26min., 1977-1978.

GODARD, Jean-Luc. Six fois deux. Paris: INA, 100min., 1976.

GODARD, Jean-Luc. Como vai você [Comment ça va]. Paris: Sonimage, 75min., 1978.

GODARD, Jean-Luc. Numéro deux. Paris: Bela Productions, Société Nouvelle de Cinématographie (SNC), 88min., 1975.

GODARD, Jean-Luc. Aqui e acolá [Ici et ailleurs]. Sonimage, INA, Paris, 53min., 1974

GODARD, Jean-Luc. O demônio das onze horas [Pierre, le fou]. Paris: Paris filmes, 110min., 1965.

GODARD, Jean-Luc. A chinesa [La chinoise]. Paris: Anouchka Films, Les Productions de la Guéville, 96min., 1967.

GODARD, Jean-Luc. O desprezo [Le mépris]. Paris: Paris filmes, 103min., 1963.

GODARD, Jean-Luc. Uma mulher é uma mulher [Une femme est une femme]. Paris: Paris filmes, 85min., 1961.

GODARD, Jean-Luc. O acossado [À bout de souffle]. Paris: Films Impéria, 90min., 1960.

HITCHCOCK, Alfred. Os pássaros [The birds]. Los Angeles: Alfred J. Hitchcock Productions, 119min., 1963.

Downloads

Publicado

2016-07-05

Como Citar

MARCELLO, F. A. Jean-Luc Godard e o ser da imagem. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 437–457, 2016. DOI: 10.20396/etd.v18i2.8644733. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8644733. Acesso em: 8 dez. 2021.