Possibilidades de ressignificações nas práticas pedagógicas emergentes da gamificação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i1.8645976

Palavras-chave:

Gamificação. Práticas pedagógicas. Educação básica.

Resumo

Este artigo apresenta o resultado de uma investigação sobre práticas pedagógicas e gamificação, onde discutimos as possibilidades de ressignificações da prática que emergem das experiências vivenciadas por professores com um modelo de desenvolvimento de atividades gamificadas, na perspectiva da Educação Continuada em serviço. O aporte teórico utilizado considerou os princípios sociointeracionistas, a teoria do pensamento complexo, a cibercultura e as concepções relacionadas ao desenvolvimento de competências. A pesquisa de cunho qualitativo, de caráter exploratório, apoiou-se num estudo de caso cujos sujeitos eram professores de uma instituição de ensino privada, atuantes nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental da Educação Básica. Os instrumentos de coleta de dados da pesquisa foram: questionário online autoaplicável, relato autorreflexivo e entrevista semiestruturada. Os achados da pesquisa mostraram que, apesar de os games (jogos digitais) fazerem parte do cotidiano da atualidade, os sujeitos de pesquisa compreendiam parcialmente a concepção de gamificação. Após a vivência do experimento formativo, demonstraram maior entendimento sobre o conceito e possíveis aplicações práticas e, especialmente, perceberam a potencialidade da aproximação entre os hábitos de lazer e os hábitos de estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristina Martins, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Educação pela PUCRS, bolsista CAPES/PROEX. Mestre em Educação (2015) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS. Licenciada em Computação (2011) e Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional (2013) pelo Centro Universitário La Salle - UNILASALLE. Analista de Tecnologia Educacional da Rede La Salle - Sociedade Porvir Científico. Associada à ANPED - Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Tem experiência nas seguintes áreas: Docência no Ensino Superior e na Educação Básica, Gestão Educacional, Informática na Educação, Tecnologia Educacional, Educação a Distância, Formação de Professores e Psicopedagogia Clínica e Institucional. 

Lucia Maria Martins Giraffa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1979), graduação em Licenciatura Curta Em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1979), Especialização em Análise de Sistemas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1987), Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991), doutorado em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999) e Pós-Doutorado na Universidade do Texas (Austin) no College of Education, Bolsista CAPES, visto J1(2011). Possui experiência em pesquisa com ênfase em Informática na Educação (IE), desde 1987, com ênfase nos seguintes temas: Softwares Educacionais, formação de professores para uso de tecnologias e Educação a Distância.

Referências

ALMEIDA, José Adolfo Mota de; PINTO NETO, Pedro da Cunha. A lousa digital interativa: táticas e astúcias de professores consumidores de novas tecnologias. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 394-413, ago. 2015. ISSN 1676-2592. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8636465. Acesso em: 24 abr. 2016.

ALVES, Lynn Rosalina Gama. A cultura lúdica e cultura digital: interfaces possíveis. Revista Entreideias: educação, cultura e sociedade, v. 3, n. 2, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12663&Itemid=1152 Acesso em: 19 julho 2015.

DETERDING, Sebastian et al. Gamification: toward a definition. In: CHI 2011 - Workshop Gamification: using game design elements in non-game contexts. Vancouver, 2011. Disponível em: http://gamification-research.org/wpcontent/uploads/2011/04/CHI_2011_ Gamification_Workshop.pdf Acesso em: 28 set. 2014.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 7.e.d. São Paulo: Perspectiva, 2012.

KAPP, Karl. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco: Pfeiffer, 2012.

LALUEZA, José Luis; CRESPO, Isabel; CAMPS, Silvia. As tecnologias de informação e da comunicação e os processos de desenvolvimento e socialização. In: COLL, César; MONEREO, Carles (Org.) A psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Porto Alegre: Artmed, 2010.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed.34, 1999.

MARTINS, Cristina. Gamificação nas práticas pedagógicas: um desafio para a formação de professores em tempos de cibercultura. Porto Alegre: PUCRS/PPGEdu - Escola de Humanidades, 2015. [Dissertação de Mestrado]

MARTINS, Cristina; GIRAFFA, Lucia Maria Martins. Gamificação nas práticas pedagógicas: teorias, modelo e vivências. In: TISE 2015 - XX Congreso Internacional de Informática Educativa, 2015, Santiago - Chile. Nuevas Ideas en Informática Educativa Memorias del XX Congreso Internacional de Informática Educativa. Santiago de Chile: Universidad de Chile, 2015. v. 11. p. 42-53.

MARTINS, Cristina. Design de práticas pedagógicas incluindo elementos de jogos digitais em atividades gamificadas. Journal of communication and technology, v. 10, p. 52-67, 2016.

MCGONIGAL, Jane. Reality is broken: why games make us better and how they can change the world. Nova York: The Penguin, 2011.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. Ijuí, RS: Ed. da UNIJUÍ, 2007.

MORIN, Edgar; ALMEIDA, Maria da Conceição de; CARVALHO, Edgard de Assis. (Org.). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2013.

PRENSKY, Marc. Aprendizagem baseada em jogos digitais. São Paulo: SENAC São Paulo, 2012.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação Ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTAELLA, Lucia; FEITOZA, Mirna. (Org.) Mapa do Jogo: A diversidade cultural do games. São Paulo: Cengage Learning, 2009

SATO, Adriana Kei Ohashi. Do mundo real ao mundo ficcional: a imersão no jogo. In: SANTAELLA, Lucia; FEITOZA, Mirna. (Org.) Mapa do jogo: a diversidade cultural do games. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

SOLÉ, Isabel; COLL, César. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, César; MARTÍN, Elena; MAURI, Teresa; MIRAS, Mariana; ONRUBIA, Javier; SOLÉ, Isabel; ZABALA, Antoni. O construtivismo em sala de aula. São Paulo: Ática, 2003.

THIEBES, Scott; LINS, Sebastian; BASTEN, Dirk. Gamifying information systems: a synthesis of gamification mechanics and dynamics. Twenty Second European Conference on Information Systems. Tel Aviv, 2014. Disponível em: http://ecis2014.eu/E-poster/files/0278-file1.pdf. Acesso em: 15 fev. 2015.

VEEN, Wim; VRAKKING, Ben. Homo zappiens: educando na era digital, Porto Alegre: Artmed, 2009.

VIGOTSKY, Lev Semenovich; COLE, Michael et al. (Org.). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

MARTINS, C.; GIRAFFA, L. M. M. Possibilidades de ressignificações nas práticas pedagógicas emergentes da gamificação. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 5–26, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i1.8645976. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8645976. Acesso em: 3 dez. 2021.