A interface entre a família e o direito ao ensino bilíngue para sujeitos surdos: rompendo oposições binárias

Autores

  • Sílvia Andreis Witkoski Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i3.8646222

Palavras-chave:

Surdos. Bilinguismo. Família. Língua de sinais. Direito.

Resumo

O presente artigo busca problematizar a interface entre a família e o acesso real ao ensino bilíngue, desvelando as intrínsecas relações existentes entre as possibilidades dos sujeitos surdos usufruírem deste direito, previsto no Decreto nº 5.626/2005. Tal direito, que pressupõe o uso da Língua Brasileira de Sinais como primeira língua, e da Língua Portuguesa, como segunda, antecede a entrada daqueles na escola, devendo ser promovido no ambiente familiar, desde a descoberta da surdez. A maioria das famílias, no entanto, nega o mesmo, na medida em que opta pelo caminho da normalização de seus filhos. Para romper este ciclo de negação do direito ao bilinguismo, considera-se fulcral problematizar o âmago que envolve as questões, umbilicalmente articuladas, entre identidade e diferença, revisitando os pilares que constroem os binarismos pelos quais o ouvinte é perspectivado como “normal” e o sujeito surdo, como “anormal”, rumo à desnaturalização da “norma”.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvia Andreis Witkoski, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Tem Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (2011) e Pós-Doutorado em Educação (2012), também pela UFPR. Possui graduação em Educação Artística, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Mestrado pela mesma Instituição. É professora Adjunta da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), do Departamenteo de Educação (DEPED). É autora de vários livros na área de Educação de Surdos, como: Introdução à libras: língua, história e cultura (2015), Educação de Surdos e Preconceito (2012) e Educação de surdos, pelos próprios surdos: uma questão de direitos (2012). Também é autora e ilustradora de livros infanto juvenis, entre os quais destaca: Aventura na Ilha do Mel (2015), A Estrela (2012), Árvores da Vida (2009), Brincando com Portinari (2006) e O Galo Apaixonado (2006).

Referências

WITKOSKI, Sílvia Andreis. Educação de surdos pelos próprios surdos: uma questão de direitos. Curitiba, PR: CRV, 2012.

WITKOSKI, Sílvia Andreis. Introdução à Libras: língua, história e cultura. Curitiba, PR: UTFPR, 2015.

BAUMAN, H-D. L.; MURRAY, J.J. Estudos surdos no século 21: “deaf-gain” e o futuro da diversidade humana. In: ANDREIS-WITKOSKI; S.; FILETAZ, M.R.P. (Orgs.) Educação de surdos em debate. Curitiba, PR: UTFPR, 2014, p. 67-92.

BERGER, J. Prefácio do editor: documentos sobre uma educação. In: KELLER, H. A história da minha vida: com suas cartas (1887-1901) e um relato suplementar sobre sua educação, incluindo trechos de narrativas e cartas da professora Anne Mansfield Sullivan, por John Albert Marcy. ed. rev. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio, 2008, p. vi-xlv.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União. Brasília, 22 dez. 2005.

BRITO, J. L.; SÁ, N. R. L. de. Estudantes surdos na escola regular: questionando o paradigma da inclusão. In: SÁ, N. de. Surdos: qual escola? Manaus, AM: Valer e Edua, 2011, p. 195-204.

CAPOVILLA, F. C. Sobre a falácia de tratar as crianças ouvintes como se fossem surdas, e as surdas, como se fossem ouvintes ou deficientes auditivas: pelo reconhecimento do status linguístico especial da população escolar surda. In: SÁ, N. de. Surdos: qual escola? Manaus, AM: Valer e Edua, 2011, p. 77-100.

COELHO, O.: MENDES, M. Crianças surdas implantadas, trabalho pedagógico e envolvimento parental numa perspectiva de educação bilíngue. In: ANDREIS-WITKOSKI, S.; FILIETAZ, M.R.P. (Orgs.) Educação em debate. Curitiba, PR: UTFPR, 2014, p.129-146.

D’ ANTINO, M.E.F. A máscara e o rosto da instituição especializada: marcas que o passado esconde e o presente abriga. São Paulo, SP: Mennon, 1988.

FURTADO, R. S. S. Surdez e a relação pais-filhos na primeira infância. Canoas, RS: ULBRA, 2008.

GESSER, A. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a Libras. São Paulo, SP: Parábola Editorial, 2012.

GUARINELLO, A. C. Prefácio. In: BAGAROLLO, M. F.; FRANÇA, D. M. V. R. (Orgs.). Surdez, escola e sociedade: reflexões sobre fonoaudiologia e educação. Rio de Janeiro, RJ: Walk, 2015.

HALL, S. Quem precisa da identidade? IN: SILVA, T. T. da.; HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (Org.) Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p 103-133.

HEATHERTON, T. F. et al. The social psychology of stigma. New York, London, The Guilford Press, 2000.

HONORA, M. Inclusão educacional de alunos com surdez: concepções e alfabetização. São Paulo, SP: Cortez, 2014.

LABORIT, E. O vôo da gaivota. São Paulo, SP: Best Seller, 1994.

LACERDA, C.B.F. de; LODI, A.C.B. A inclusão escolar de alunos surdos: princípios, breve histórico e perspectivas. In: LACERDA, C.B.F. de; LODI, A.C.B. (Orgs.) Uma escola, duas línguas: letramento em língua portuguesa e língua de sinais nas etapas iniciais de escolarização. Porto Alegre, RS: Mediação, 2009.

LARROSA, J; SKLIAR, C. Habitantes de Babel. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2001.

LEITE,T; LEITE, T. Quem decide? Angra dos Reis, RJ: Costa Barros, 2014.

LEITE, T.de A.; MCCLEARY, L. Estudo em diário: fatores complicadores e facilitadores no processo de aprendizagem da Língua de Sinais Brasileira por um adulto ouvinte. IN; QUADROS, R. M. de; STUPF, M. R. (Orgs.) Estudos surdos IV. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2009, p. 242-277.

MARZOLLA, A. C. Atendimento psicanalítico do paciente com surdez. São Paulo, SP: Zagodoni, 2012.

OLIVEIRA, M. A. A. de; OLIVERIA, M. C. M. B. de; CARVALHO, O.V.G. de. Um mistério a resolver: o mundo das bocas mexedeiras. Belo Horizonte, MG: Del Rey, 2008.

OZ, A. Como curar um fanático? In: Contra o fanatismo. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2002 p. 13-41.

PERLIN, G.; REIS, F. Surdos: cultura e transformação contemporânea. In: PERLIN, G.; STUMPF, M. (Orgs.) Um olhar sobre nós surdos: leituras contemporâneas. Curitiba, PR: CRV, 2012, p. 29-46.

QUADROS, R. M. de; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004.

RIBEIRO, V. P. Ensino de língua portuguesa para surdos: percepções de professores sobre adaptação curricular em escolas inclusivas. Curitiba, PR: Prismas, 2013.

RODRIGUERO, C. R. B.; YAEGASHI, S. F. R. A família e o filho surdo: uma investigação acerca do desenvolvimento psicológico da criança segundo a abordagem histórico-cultural. Curitiba, PR: CRV, 2013.

SÁ, N. R. L. Cultura, poder e educação de surdos. Manaus, AM: Edua, 2002.

SÁ, N. R. L. Escolas e classes de surdos: opção político-pedagógica legítima. In: SÁ, N. R. L.de. (Orgs.) Surdos: qual escola? Manaus, AM: Valer e Edua, 2011, p. 17-62.

SACKS, Oliver. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Trad. Teixeira Motta. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1998.

SALES, A. de C. M.; LACERDA, C. B. F. de. Reflexões sobre o papel e a prática de intérpretes de língua de sinais no ensino fundamental. In: BAGAROLLO, M. F.; FANÇA, D. M. V. R. Surdez, escola e sociedade: reflexões sobre fonoaudiologia e educação. Rio de Janeiro, RJ: Walk, 2015, p. 17- 36.

SCHNABEL J. O escafandro e a borboleta. Filme. Jean-Dominique Bauby (memórias); Ronald Harwood (roteiro adaptado). França, Estados Unidos, 2007. Drama. 112 min.

SILVA, A. N. de B. Heldy meu nome: rompendo barreiras da surdocegueira. São Paulo, SP: United Press, 2012.

SILVA, A. C. da; NEMBRI, A. G. Ouvindo o silêncio: surdez, linguagem e educação. 3. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2012.

SILVA, T. T. da. A produção social da identidade da diferença. IN: SILVA, T. T. da; HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (Org.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p 73-102.

SKLIAR, C. Abordagens socioantropológicas em educação especial. In: SKLIAR, C. (Org.) Educação & exclusão: abordagens socioantropológicas em educação especial. Porto Alegre, RS: Mediação, 2000, p 7-21.

SKLIAR, C. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre, RS: Mediação, 6. ed. p. 7-32, 2013.

SOUZA, R. M. de. Línguas e sujeitos de fronteira: um pouco mais, e ainda, sobre a educação de surdos. In: SOUZA, R. M. de; SILVESTRE, N.; ARANTES, V. A. (Orgs.) Educação de surdos: pontos e contrapontos. São Paulo, SP: Summus, 2007, p, 17-48.

SOUZA, R. M. de. Que palavra que te falta? Linguística, educação e surdez. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1998.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis, SC: UFSC, 2008.

STROBEL, K. Surdos: vestígios culturais não registrados na história. UFSC: Tese (Doutorado em Educação), 2008.

VALLE, J. W.; CONNOR, D. J. Ressignificando a deficiência: da abordagem social às práticas inclusivas na escola. Tradução: Fernando de Siqueira Rodrigues. Porto Alegre: AMGH, 2014.

VIGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Org. Michael Cole... [et al.]; Trad. José Cipolla Neto [et al.]. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1994.

VIGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1989.

VILHALVA, S. Índios surdos: mapeamento das línguas de sinais do Mato Grosso do Sul. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2012.

WITT, P. R. Surdez: silêncio em voo de borboleta. Porto Alegre, RJ: Movimento, 2013.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. da; HALL, S.; WOODWARD, K. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais (Org.). Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p.7-72.

Downloads

Publicado

2017-07-04

Como Citar

Witkoski, S. A. (2017). A interface entre a família e o direito ao ensino bilíngue para sujeitos surdos: rompendo oposições binárias. ETD - Educação Temática Digital, 19(3), 882–900. https://doi.org/10.20396/etd.v19i3.8646222