Banner Portal
Gênero e sexualidades em tempos instáveis: mídias digitais, identificações e conflitos
PDF

Palavras-chave

Liberdade de expressão. Discurso de ódio. Conflito. Mídias digitais. Gênero. Sexualidades.

Como Citar

VENCATO, Anna Paula. Gênero e sexualidades em tempos instáveis: mídias digitais, identificações e conflitos. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 19, n. 4, p. 808–823, 2017. DOI: 10.20396/etd.v19i4.8646384. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8646384. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

Neste texto busco versar sobre o modo como as mídias digitais – com foco nas páginas da internet, blogs e redes sociais - e o cenário político nacional se articulam, embasam e desembocam em polarizações e questionamentos sobre as normas sociais, os preconceitos e as exclusões. Proponho-me a pensar, a partir das redes sociais, na ampliação do debate sobre “liberdade de expressão x discurso de ódio”, para além da emergência de novos sujeitos políticos que reivindicam outras identificações para além das já estabelecidas (em especial quanto às identidades fixas relativas ao gênero e às sexualidades).

 

 

https://doi.org/10.20396/etd.v19i4.8646384
PDF

Referências

BAPTISTA, Luis Antonio dos Santos. A Atriz, o Padre e a Psicanalista - os Amoladores de Facas. In: A Cidade dos Sábios. São Paulo, SP: Summus, 1999. p. 45 a 49. Disponível em: https://goo.gl/Qr2xYr. Acesso em 11 de agosto de 2015.

BAQUERO, Marcello. Democracia formal, cultura política informal e capital social no Brasil. Opin. Publica, Campinas, SP. Nov, 2008 v. 14, n. 2, p. 380-413. Disponível em: https://goo.gl/RCtjVM. Acesso em 02 Nov. 2016.

BAYM, Nancy K. Social Networks 2.0. In: CONSALVO, Mia & ESS, Charles. (Eds.). The Handbook of Internet Studies. Blackwell: US/UK, 2011. p. 384-405.

boyd, danah m., ELLISON, Nicole B. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, V. 13 (1), Out. 2007, p. 210–230. Disponível em: https://goo.gl/WgGzLx.

BRASIL. Constituição Federal (1988). Disponível em: https://goo.gl/9bm4eH. Acesso em 10 de agosto de 2015.

BRASIL. LEI Nº 12.965, DE 23 DE ABRIL DE 2014. Disponível em: https://goo.gl/ioAMwC. Acesso em 10 de agosto de 2015.

BUTLER, Judith. Excitable Speech: A politics of the performative. Nova Iorque/Londres: Routledge, 1997.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Rethinking Vulnerability and Resistance. [mimeo] Madri, Jun. 2014. Disponível em: https://goo.gl/BGcg1Y. Acesso em 23 fev. 2016.

DALLARI, Dalmo. O que são direitos da pessoa. 10 ed. São Paulo, SP: Brasiliense, 1994.

DOSSIÊ "Forum 2014 Elections". Bras. Political Sci. Rev. vol.9 no.1 São Paulo, SP. Jan./Apr. 2015. Disponível em: https://goo.gl/rJRwf7. Acesso em: 31 de outubro de 2016.

GLUCKMAN, Max. Análise de uma situação social na Zululândia moderna. In FELDMAN-BIANCO, Bela (org.). Antropologia das Sociedades Contemporâneas. São Paulo, SP: Global Universitária, 1987. pp.227-344.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. HARAWAY, Donna, KUNZRU, Hari, TADEU, Tomaz (orgs.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. 2 ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2016. p. 33-118.

LIONÇO, Tatiana. O pertencimento pelo reconhecimento: contra a política da vergonha. Câmara em Pauta, 14/11/2012. Disponível em: https://goo.gl/onK2u1. Acesso em 11 de agosto de 2015.

MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria das Mídias Digitais: linguagens, ambientes e redes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

McQUIRE, Scott. A casa estranhada. Revista do Programa de Pós-graduação da Escola de Comunicação da UFRJ. Dossiê: cidades midiáticas. V. 14, n. 01, pp. 27-66, 2011. Rio de Janeiro, RJ: UFRJ, 2011.

PADILHA, Felipe A. O segredo é a alma do negócio: mídias digitais móveis e a gestão da visibilidade do desejo homoerótico entre homens na região de São Carlos. Dissertação. São Carlos, SP: PPGS/UFSCar. 2015. Disponível em: https://goo.gl/7cDHZR. Acesso em: 23 out. 2015.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: a história de um conceito. In: ALMEIDA, Heloísa Buarque de, SZWAKO, José. Diferenças, igualdades. São Paulo, SP: Berlendis & Vertecchia ed., 2009. p. 116-149.

RECUERO, Raquel. O twitter como esfera pública: como foram descritos os candidatos durante os debates presidenciais do 2º turno de 2014?. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, MG. Mar. 2016. v. 16, n. 1, p. 157-180. Disponível em: https://goo.gl/8qtF9V. Acesso em 01 de Novembro de 2016. .

SAKAMOTO, Leonardo. A homofobia de Levy Fidelix doeu tanto quanto o silêncio dos candidatos. Blog do Sakamoto, 29 de setembro de 2014. Disponível em: https://goo.gl/2VDXQP. Acesso em 11 de agosto de 2015.

SAKAMOTO, Leonardo. Caso Levy: A diferença entre emitir opinião e proferir discurso de ódio. Blog do Sakamoto, 30 de setembro de 2014. Disponível em: https://goo.gl/k1wjwX. Acesso em: 11 de agosto de 2015.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 2008.

SILVA, Rosane Leal da, NICHEL, Andressa, MARTINS, Anna Clara Lehmann, BORCHARDT, Carlise Kolbe. Discursos de ódio em redes sociais: jurisprudência brasileira. Rev. direito GV, São Paulo, SP. Dez. 2011. v. 7, n. 2, p. 445-468. Disponível em: https://goo.gl/yxUv7d. Acesso em: 31 de outubro de 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte, MG: UFMG, 2010.

VENCATO, Anna Paula, CORRÊA VIEIRA, Regina Stela. Divisão sexual do trabalho. História do movimento feminista. In: MOTTA, Flávia de Mattos (org.). Cotidiano escolar: relações de gênero e profissão docente (livro didático). Palhoça, SC: UnisulVirtual, 2014. p. 25-48.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.