Banner Portal
Uma dança dos corpos fílmicos
PDF

Palavras-chave

Cinema. Corpo. Subjetividade.

Como Citar

GONÇALVES, Ingrid Rodrigues. Uma dança dos corpos fílmicos. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 18, n. 4, p. 835–856, 2016. DOI: 10.20396/etd.v18i4.8646440. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8646440. Acesso em: 20 abr. 2024.

Resumo

Este ensaio visa tecer linhas transversalmente, com uma perspectiva pós-estruturalista. Evocamos como intercessores, pensadores como Gilles Deleuze, Giorgio Agamben, Ana Francisca de Azevedo; cineastas, técnicos e projecionistas, tendo nestes últimos, um estudo de caso que enlaça nossas ponderações, produzindo espécie de falcaça nos fios que puxamos. Desenvolvemos uma reflexão sobre os corpos como suportes e sobre os suportes como corpos. Levamos em conta que: os movimentos de nosso pensamento, podem atuar de modo semelhante aos projetores cinematográficos, dispondo imagens no tempo, nas "telas" de nossas vidas; há um processo em curso de substituição do suporte padrão cinematográfico, do filme fotoquímico para os pixels; películas e seus agenciamentos estão sendo substituídos pelo cinema digital, que demanda e produz corpos com outras trajetórias, singrando novos campos de possíveis no que tange às produções audiovisuais, pois as imagens digitais por se tratarem de pontos fotográficos binários podem ser copiadas e modificadas “ad infinitum”, descerrando possibilidades estéticas; por sua volta, experimentações dos modos de fazer relacionados à película constituem-se como experiências singulares, que percorrem outras linhas. Esta é uma discussão de vulto na contemporaneidade, tendo em vista que a transição tecnológica tem desterritorializado os saberes relacionados ao fazeres cinematográficos com película fotoquímica e, noutro turno, que nossas relações interpessoais têm sido cada vez mais mediadas por imagens-projetadas em telas e sua produção via corpos-pixel, em variados dispositivos.

https://doi.org/10.20396/etd.v18i4.8646440
PDF

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Ninfas. Tradução de Renato Ambrosio. São Paulo: Hedra, 2007.

AMPAS - ACADEMIA DE ARTES E CIÊNCIAS CINEMATOGRÁFICAS. O dilema digital: questões estratégicas na guarda e no acesso a materiais cinematográficos digitais. AMPAS: Estados Unidos, 2007. Trad. Cinemateca Brasileira, São Paulo: Cinemateca Brasileira, 2009.

AMPAS - ACADEMIA DE ARTES E CIÊNCIAS CINEMATOGRÁFICAS. O dilema digital 2: perspectivas de cineastas independentes, documentaristas e arquivos audiovisuais sem fins lucrativos. AMPAS: Estados Unidos, 2012. Traduzido por Millard Schisler; Osvaldo Emery e Patricia de Filippi. São Paulo: Instituto Butantan, 2015.

AUMONT, Jacques. A imagem. Tradução de Estela dos Santos Abreu e Cláudio C. Santoro. 2.ed. Campinas, SP: Papirus, 1995.

AZEVEDO, Ana Francisca de. Geografia e cinema: representações culturais de espaço lugar e paisagem na cinematografia portuguesa. Braga: Repositorium – Universidade do Minho, 2007. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/6715. Acesso em: 20/08/2016.

AZEVEDO, Ana Francisca de; RAMÍREZ, Rosa Cerarols; OLIVEIRA Jr., Wenceslao Machado. Intervalo I: entre geografias e cinemas. Braga, Portugal: Editora UMDGEO – Departamento de Geografia da Universidade do Minho, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/35539. Acesso em: 20/08/2016.

A LUZ dos vaga-lumes. [Fotografia]. Ingrid R. Gonçalves. Brasil. 2015. Disponível em: https://www.flickr.com/photos/balemecatronico/albums/72157665898001032. Acesso em: 20/08/2016.

BARBOSA, Cristiano. As fronteiras movediças de Israel nos documentários de Amós Gitai. In: BARBOSA, Cristiano. Intervalo I: entre Geografias e Cinemas. 1ed.Braga (Portugal): UMDGEO - Departamento de Geografia, Universidade do Minho, 2015, v. 1, p. 315-338.

BALÉ MECATRÔNICO. [Curta-metragem]. Ingrid Rodrigues Gonçalves / Coletivo Balé Mecatrônico. Brasil. Duração: 19’16”. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WKNmcGVR8iE. Acesso em: 20 ago. 2016.

CAZETTA, Valéria. As coreo-geo-grafias em Pina: para fazer a geografia dançar. Entre-Lugar, Dourados, v. 4, n. 7, p. 19-31, 2013. Disponível em: http://www.producao.usp.br/handle/BDPI/45566. Acesso em: 21/08/2016.

COELHO, Fernanda. Manual de manuseio de películas cinematográficas: procedimentos utilizados na Cinemateca Brasileira. 3. ed. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado : Cinemateca Brasileira, 2006.

COELHO, Maria Fernanda Curado. A experiência brasileira na conservação de acervos audiovisuais: um estudo de caso. Dissertação (Mestrado). Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, USP. São Paulo, 2009.

DELEUZE, Gilles. Dois regimes de loucos: textos e entrevistas (1975 – 1995). Ed. David Lapoujade. Trad. Guilherme Ivo. Rev. Luiz. B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2016.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. Cinema 1: A Imagem-movimento. Trad. Estella Senra. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. (2012). Mil Platôs – capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 5. Tradução de Peter PálPelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34.

EBERT, Carlos. Cinema Digital – Introdução. Associação Brasileira de Cinematografia, ABC, 2010. Disponível em http://www.abcine.org.br/artigos/?id=136&/cinema-digital-introducao. Acesso em: 24 ago. 2016.

GONÇALVES, Ingrid Rodrigues. Artesãos da imagem: os projecionistas e suas geografias. In: Anais III Colóquio Internacional “A educação pelas imagens e suas geografias”. Vitória - Espírito Santo, 2013.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo: Ed. 34, 2012.

MASSEY, Doreen. Pelo Espaço: Uma nova política da espacialidade. Trad. de Hilda Pareto Maciel e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MEMENTO MORI: um ensaio para a morte. [Teatro]. Rodrigo Emanoel Fernandes/ Companhia da Sombra. Brasil. 60 minutos. 2015.

SALLES, Filipe. Bitolas e Formatos no Cinema. Mnemocine. 02 mai. 2009. Disponível em http://www.mnemocine.com.br/index.php/cinema-categoria/28-tecnica/146-bitolasformatos. Acesso em: 07 jan. 2016.

Palestra de Millard SCHISLER - A digitalização como técnica de preservação. (2011). 16 out. 2011.Youtube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4UnNNg6-PEM. Acesso em: 07 ago. 2015.

SLOANE, T. O'Conor. Motion picture projection. New York: Falk Publishing, 1922.

SOUZA, Carlos Roberto de. A Cinemateca Brasileira e a preservação de filmes no Brasil. 310p. Tese (Doutorado). Escola de Comunicações e Artes/USP. São Paulo, 2009.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.