Documentação pedagógica na educação infantil: tecnologia de governamento da infância contemporânea

Autores

  • Cláudia Inês Horn Centro Universitário Univates
  • Elí Terezinha Henn Fabris Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i2.8647105

Palavras-chave:

Infância. Governamento. Documentação Pedagógica. Interesse. Protagonismo Infantil

Resumo

Este trabalho analisa como as práticas de registro da documentação pedagógica operam no governamento da infância contemporânea. Ao desenvolver-se um exercício analítico a partir da seleção de referenciais italianos para Educação Infantil, apresentam-se os fundamentos da documentação pedagógica, a fim de mostrar como ela produz um gradual refinamento nas formas de registrar as ações da criança, fazendo surgir um registro rigoroso, pontual e completo do sujeito infantil. Entende-se que tal forma de registro, ao subjetivar a criança, produz outros modos de viver a infância, condizentes com as formas de vida neoliberais. Toma-se o conceito foucaultiano de governamento para argumentar que a infância é governada por meio da invenção de saberes, programas, estratégias e táticas que conduzem a conduta das crianças. Nesse sentido, a documentação pedagógica é compreendida como tecnologia que articula um conjunto de estratégias que governam a infância. Na parte final, argumenta-se que, ao colocar-se a criança no centro do processo educativo, o interesse infantil passa a operar como uma estratégia que se desloca, atualmente, para a celebração da criança protagonista. Há uma economia nas ações pedagógicas e o esmaecimento do ensino e da ação do professor em favor da criança autorregulada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Inês Horn, Centro Universitário Univates

Docente do Centro de Ciências Humanas e Sociais do Centro Universitário Univates - Lajeado/RS. Doutoranda em Educação - UNISINOS - São Leopoldo/RS.

Elí Terezinha Henn Fabris, Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora em Educação. Docente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS.

Referências

AZEVEDO, Fernando de ... et al. Manifesto dos pioneiros da Educação Nova. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Massangana, 2010.

BALL, Stephen. Aprendizagem ao longo da vida, subjetividade e a sociedade totalmente pedagogizada. Educação, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 144-155, mai./ago. 2013.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Infância e maquinarias. Rio de Janeiro: P&A, 2002.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Artes de governar a infância: linguagem e naturalização da criança na abordagem de educação infantil da Reggio Emília. Educação em Revista, Belo Horizonte, Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, n. 48, p. 101-123, dez. 2008.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. Por uma ontologia política da (d)eficiência no governo da infância. In: RESENDE, Haroldo de (org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 25-48.

CEPPI, Giulio; ZINI, Michele (Orgs.). Crianças, espaços, relações: como projetar ambientes para a educação infantil. Porto Alegre: Penso, 2013.

DAHLBERG, Gunilla; MOSS, Peter; PENCE, Alan. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: Artmed, 2003.

DEWEY, John. Democracia e educação: introdução à Filosofia da Educação. 3 ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1959.

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na Educação da primeira infância. Porto Alegre: Calábria, 1999.

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre: Penso, 2016.

FABRIS, Eli Terezinha Henn; TRAVERSINI, Clarice. Conhecimentos escolares sob outras configurações: efeitos das movimentações disciplinares e de controle? In: TRAVERSINI, Clarice et al. (Orgs.). Currículo e inclusão na escola de ensino fundamental. Porto Alegre: Edipucrs, 2013. p. 33-54.

FYFE, Brenda. A relação entre documentação e avaliação. IN: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre: Penso, 2016. p. 273-292.

FORTUNATI, Aldo. A educação infantil como projeto da comunidade. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FORTUNATI, Aldo. A Abordagem de San Miniato para a educação das crianças: protagonismo das crianças, participação das famílias e responsabilidade da comunidade por um currículo do possível. Itália: Edizioni ETS, 2014.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense, 2010. p. 231-249.

GANDINI, Lella; GOLDHABER, Jeanne. Duas reflexões sobre a documentação. In: GANDINI, Lella; EDWARDS, Carolyn (Orgs.). Bambini: A abordagem italiana à Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 150-169.

GANDINI, Lella; HILL, Lynn; CADWELL, Louise; SCHWALL, Charles (Org.). O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia. Porto Alegre: Penso, 2012.

HORN, Cláudia Inês. Documentação Pedagógica: a produção da criança protagonista e do professor designer. 2017. 263f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, 2017.

KOHAN, Walter O. A infância escolarizada dos modernos. In: KOHAN, Walter O. Infância: Entre Educação e Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

KOHAN, Walter O. Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de Filosofia e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KINNEY, Linda; WHARTON, Pat. Tornando visível a aprendizagem das crianças. Porto Alegre: ARTMED, 2009.

LARROSA, Jorge. O enigma da infância – ou que vai do impossível ao verdadeiro. In: LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 183-198.

LUFF, Paulette. Observações escritas ou caminhadas pelo parque? Documentando as experiências das crianças. In: MOYLES, Janete (org.). Fundamentos da Educação Infantil: enfrentando o desafio. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 205-216.

MALAGUZZI, Lóris. História, Ideias e Filosofia Básica. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na Educação da primeira infância. Porto Alegre: Calábria, 1999. p.59-104.

MANTOVANI, Susanna. Prefácio à Edição Italiana. IN: FORTUNATI, Aldo. A educação infantil como projeto da comunidade. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 23-26.

MARÍN-DÍAZ, Dora. Morte da infância moderna ou construção da quimera infantil? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 193-211, set./dez., 2010.

MILLER, Peter; ROSE, Nikolas. Governando o Presente. São Paulo: Paulus, 2012.

NARODOWSKI, Mariano. Infância e Poder: a conformação da Pedagogia Moderna. Bragança Paulista: Universidade São Francisco, 2001.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. Pedagogia e governamentalidade: ou da modernidade educativa para uma sociedade educativa. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Ó, Jorge Ramos do. A criança problema e o seu governo em Portugal e no Brasil (1880-1960): discursos e práticas. In: Ó, Jorge Ramos do; CARVALHO, Luís Miguel. Emergência e circulação do conhecimento psicopedagógico moderno (1880-1960): estudos comparados Portugal-Brasil. Lisboa: EDUCA, 2009. p. 15-147.

RABITTI, Giordana. À procura da dimensão perdida: uma Escola de Infância de Reggio Emilia. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

RINALDI, Carla. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar, aprender. São Paulo: Paz e Terra, 2012.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da Educação. 3 ed. São Paulo: Editora Difel, 1979.

SEIDEL, Steve. Começar em casa a compreender a documentar. In: ZERO, Project. Tornando visível a aprendizagem: crianças que aprendem individualmente e em grupo. São Paulo: Editora Phorte, 2014. p. 310-319.

SILVA, Roberto Rafael Dias da; FABRIS, Elí Terezinha Henn. Políticas de currículo para o Ensino Médio no Brasil Contemporâneo: o que ensina aos jovens a escola que protege? Educação e Sociedade, Campinas, v. 37, n. 135, p. 425-443, abr-jun, 2016.

VARELA, Julia. Categorias espaço-temporais e socialização escolar: do individualismo ao narcisismo. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

VEIGA-NETO, Alfredo. Governo ou governamento. Revista Currículo sem Fronteiras, v. 5, n. 02, p. 463-470, jul./dez. 2005.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

VEIGA-NETO, Alfredo. Por que governar a infância? In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 49-56.

Downloads

Publicado

2018-04-11

Como Citar

HORN, C. I.; FABRIS, E. T. H. Documentação pedagógica na educação infantil: tecnologia de governamento da infância contemporânea. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 539–554, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i2.8647105. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647105. Acesso em: 6 dez. 2021.