“Vocês conhecem algumx ‘heterossexual flexível’?”: masculinidades performativas em debate

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i1.8647597

Palavras-chave:

Sexualidade. Gênero. Performatividade. Masculinidade. Educação.

Resumo

A proposta do texto é investigar como o processo de constituição das masculinidades como enunciações performativas auxilia na formulação de críticas à masculinidade normativa. Para isso, analisamos duas conversas online realizadas no Facebook em 2015 com um grupo de jovens que não se identificam com a heterossexualidade e que vêm utilizando a referida rede digital como possibilidade de repensar os corpos, gêneros e sexualidades para além de modelos normativos binários. A pesquisa online foi desenvolvida por meio dos princípios da alteridade e do dialogismo de Mikhail Bakhtin, imprescindíveis para reconhecer pesquisador e sujeitos como atores sociais que buscam, coletivamente, novas formas de produzir conhecimento. O referencial teórico adotado para a análise das conversas é amparado, principalmente, pelas contribuições da teórica feminista Judith Butler, que compreende o gênero como performativo. Com base em seus estudos, reconhecemos a infinitude de sentidos possíveis atribuídos ao masculino e a necessidade de desestabilização dos essencialismos identitários. O material empírico produzido com os sujeitos evidenciou a denúncia de normas regulatórias de gênero que insistem em privilegiar determinadas formas de ser e de estar no mundo. Somado a isso, esse material trouxe a oportunidade para que pudéssemos tecer algumas breves reflexões para pensar uma educação subversiva à luz do pensamento queer. Isso implicou no desafio de reconhecermos a necessidade de expor, nos cotidianos escolares, os limites e fragilidades de uma masculinidade normativa que impede a capacidade humana de fabricar corpos, gêneros e sexualidades para além das heteronormas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dilton Ribeiro Couto Junior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pós-doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Bolsista CNPq.

Leandro Teofilo de Brito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Membro do Grupo de Estudos Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude (DDEEJ).

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 6. Ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2011. 478 p. ISBN 978-85-7827-470-2.

BORBA, Rodrigo; LIMA, Fátima. Por uma educação rizomática: sobre as potências queer, a política menor e as multiplicidades. Revista Periódicus, Bahia, 2014. v. 1, n. 2, p. 1-14. Disponível em: https://goo.gl/twfo46. Acesso em: 20 mar. 2015.

BRITO, Leandro Teófilo de. Gênero no espaço escolar: normatizações e deslocamentos cotidianos. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, MG, jan./jun. 2015. v. 28, n. 1, p. 72-89. Disponível em: https://goo.gl/6ombY4. Acesso em: 10 maio 2016.

BRITZMAN, Deborah. Curiosidade, sexualidade e currículo. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. Ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2010. 176 p. ISBN 978-85-86583-33-9.

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, RS, jan./jun. 1996. v. 21, n. 1, p. 71-96.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 8. Ed. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2015. 286 p. ISBN 978-85-200-0611-5.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2015. 288 p. ISBN 978-85-200-0965-9.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. Ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2010. 176 p. ISBN 978-85-86583-33-9.

CÉSAR, Maria Rita de Assis. A diferença no currículo ou intervenções para uma pedagogia queer. Educação Temática Digital, Campinas, SP, jan./jun. 2012. v. 14, n. 1, p. 351-362. Disponível em: https://goo.gl/wdWgc9. Acesso em: 5 ago. 2013.

CORNEJO, Giancarlo. Por uma pedagogia queer da amizade. Áskesis, São Carlos, SP, jan./jun. 2015. v. 4, n. 1, p. 130-142. Disponível em: https://goo.gl/tZE6XA. Acesso em: 5 abr. 2016.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. Gênero, sexualidade e a teoria queer na educação: colocando em questão a heteronormatividade. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, SC, jan./abr. 2016. v. 11, n. 1, p. 250-270. Disponível em: https://goo.gl/xCGRNa. Acesso em: 16 ago. 2015.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. Cibercultura, juventude e alteridade: aprendendo-ensinando com o outro no Facebook. Jundiaí, SP: Paco, 2013. 164 p. ISBN 978-85-8148-180-7.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. “Tudo o que você disser vira pesquisa”: trilhando caminhos teórico-metodológicos na pesquisa com internautas. Revista Teias, Rio de Janeiro, RJ, 2016. v. 17, p. 179-193. Disponível em: https://goo.gl/YZfhoX. Acesso em: 15 out. 2016.

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. Discutindo sentidos da palavra intervenção na pesquisa de abordagem histórico-cultural. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção; RAMOS, Bruna Sola (Orgs.). Fazer pesquisa na abordagem histórico-cultural: metodologias em construção. Juiz de Fora, MG: UFJF, 2010. 196 p. ISBN 978-85-7672-092-8.

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. A pesquisa de abordagem histórico-cultural: um espaço educativo de constituição de sujeitos. Revista Teias, Rio de Janeiro, RJ, 2009. v. 10, n. 19, p. 1-12. Disponível em: https://goo.gl/7FmVrU. Acesso em: 10 set. 2016.

FREITAS, Maria Teresa de Assunção. A pesquisa qualitativa de abordagem histórico-cultural: fundamentos e estratégias metodológicas. REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 30, 2007, Caxambu. Anais... Caxambu, MG: Espaço Livre, 2007. 16p. Disponível em: https://goo.gl/VGS3qr. Acesso em: 17 jan. 2009

GERALDI, João Wanderley. Bakhtin tudo ou nada diz aos educadores: os educadores podem dizer muito com Bakhtin. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção (Org.). Educação, arte e vida em Bakhtin. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2013. 112 p. ISBN 978-85-8217-123-3.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2008. 96 p. ISBN 978-85-7526-116-3.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria queer – uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, SC, 2001. v. 9, n. 2, p. 541-553. Disponível em: https://goo.gl/WKKHjG. Acesso em: 12 jun. 2012.

MACEDO, Nélia Mara Rezende. Crianças e redes sociais: uma proposta de pesquisa online. REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 35., 2012, Anais... Porto de Galinhas, PE. Educação, cultura, pesquisa e projetos de desenvolvimento: o Brasil do século XXI, 2012, 17p. Disponível em: https://goo.gl/2nVo17. Acesso em: 6 jul. 2014.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2013. 88 p. ISBN 978-85-65381-28-4.

MISKOLCI, Richard. Um saber insurgente ao sul do Equador. Revista Periódicus, Bahia, v. 1, n. 1, p. 43- 67, maio/out. 2014. Disponível em: https://goo.gl/ff9aRw. Acesso em: 21 maio 2015.

PELÚCIO, Larissa. Breve história afetiva de uma teoria deslocada. Revista Florestan, São Carlos, SP, nov. 2014. ano 1, n. 2, p. 26-45. Disponível em: https://goo.gl/5DsfJo. Acesso em: 18 mar. 2015.

PELÚCIO, Larissa. O cu (de) Preciado – estratégias cucarachas para não higienizar o queer no Brasil. Iberic@l: Revue D’études Ibériques et Ibéro-américaines, Paris, n. 9, p. 123-136, printemps 2016. Disponível em: https://goo.gl/tBYosN. Acesso em: 10 ago. 2016.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes. Por uma ética da responsividade: exposição de princípios para a pesquisa com crianças. Currículo Sem Fronteiras, v. 15, jan./abr. 2015. n. 1, p. 50-64. Disponível em: https://goo.gl/pc2AS6. Acesso em: 11 fev. 2016.

RAMOS, Bruna Sola; SCHAPPER, Ilka. (Des)atando os nós da pesquisa na abordagem histórico-cultural. In: FREITAS, Maria Teresa de Assunção; RAMOS, Bruna Sola (Orgs.). Fazer pesquisa na abordagem histórico-cultural: metodologias em construção. Juiz de Fora, MG: UFJF, 2010. 196 p. ISBN 978-85-7672-092-8.

RECUERO, Raquel. A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na internet. Porto Alegre, RS: Sulina, 2012. 238 p. ISBN 978-85-205-0650-9.

RODRIGUES, Carla. Coreografias do feminino. Florianópolis, SC: Mulheres, 2009. 136 p. ISBN 978-85-86501-83-8.

ROSEIRO, Steferson Zanoni; FIM, Matheus Magno dos Santos; RODRIGUES, Alexsandro. Dosagens do imoral, overdose de bichice. In: RODRIGUES, Alexsandro; MONZELI, Gustavo; FERREIRA, Sérgio Rodrigo da Silva (Orgs.). A política no corpo: gêneros e sexualidades em disputa. Vitória, ES: EDUFES, 2016. 346 p. ISBN 978-85-7772-332-4.

SAFATLE, Vladimir. Posfácio. Dos problemas de gênero a uma teoria da despossessão necessária: ética, política e reconhecimento em Judith Butler. In: BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2015. 200 p. ISBN 978-85-8217-688-7.

SALIH, Sarah. Judith Butler e a teoria queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2012. 240 p. ISBN 978-85-65381-38-3.

SPARGO, Tamsin. Foucault e a teoria queer. Tradução de Wladimir Freire. Rio de Janeiro, RJ: Pazulin; Juiz de Fora, MG: UFJF, 2006. 72 p. ISBN 978-85-7672-037-9.

SUSSEKIND, Maria Luiza; REIS, Graça Franco da Silva. Currículos-como-experiências-vividas: um relato de embichamento nos cotidianos de uma escola na cidade do Rio de Janeiro. Currículo Sem Fronteiras, v. 15. set./dez. 2015. n. 3, p. 614-625. Disponível em: https://goo.gl/6RgBPn. Acesso em: 23 maio 2016.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a educação. 3 Ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2014. 160 p. ISBN 978-85-7526-105-7.

WARNER, Michael. The trouble with normal: sex, politics, and the ethics of queer life. Massachusetts: Harvard University Press, 1999. 230 p. ISBN 0-674-00441-8.

ZAGO, Luiz Felipe. Quando a norma range os dentes – corpo, norma e transgressão. Textura, Canoas, n. 31, maio/ago. 2014. p. 140-155. Disponível em: https://goo.gl/ifpPPs. Acesso em: 20 ago. 2015.

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

COUTO JUNIOR, D. R.; BRITO, L. T. de. “Vocês conhecem algumx ‘heterossexual flexível’?”: masculinidades performativas em debate. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 81–97, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i1.8647597. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647597. Acesso em: 29 set. 2021.