“Ocupa 1º de maio”: ciberdemocracia, cuidado de si e sociabilidade na escola

Autores

  • Cleber Gibbon Ratto Centro Universitário La Salle
  • Carla Lisbôa Grespan Centro Universitário La Salle
  • Oriana Holsbach Hadler Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647733

Palavras-chave:

Ocupações. Escola pública. Ciberdemocracia. Cuidado de si.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar as ocupações das escolas estaduais pelos estudantes do Rio Grande do Sul que ocorreram nos meses de maio e junho de 2016. Tomamos como materialidade analítica a ocupação da Escola Estadual Normal 1º de Maio, localizada na zona norte de Porto Alegre, utilizando os conceitos “ciberdemocracia” de Pierre Lévy e “cuidado de si” de Michel Foucault e o pressuposto que estas mobilizações podem representar uma reativação do movimento estudantil e um novo uso do espaço público. As ocupações no Estado seguiram, em maior ou menor grau, as ocorridas em São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás, tanto nas reivindicações contra a privatização do ensino público, da limitação da prática docente ou/e na busca por melhorias de infraestrutura, quanto no formato de organização, um movimento autônomo, autogerido, onde os próprios estudantes realizam o trabalho necessário para o surgimento e consolidação da ocupação e na forma de mobilização através do uso de redes sociais virtuais. A mobilização através da ocupação potencializa o estar junto, visibilizando a necessidade da participação cotidiana para a construção da ação coletiva, através da reapropriação do espaço escolar, da horizontalidade nas interações, do protagonismo, das fruições culturais e do reconhecimento do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleber Gibbon Ratto, Centro Universitário La Salle

Pesquisador do CNPq. Psicólogo pela Universidade Católica de Pelotas. Psicoterapeuta. Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Tem experiência nas áreas da Psicologia e da Educação, atuando principalmente nos temas ligados aos fundamentos filosóficos e sociológicos destas áreas. Discute temas como educação, cultura contemporânea, comunicação, ética e novas sociabilidades. Atualmente é pesquisador e coordenador adjunto do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado/Doutorado) do Centro Universitário La Salle (UNILASALLE). Professor colaborador do Mestrado Profissional em Reabilitação e Inclusão do IPA. Foi coordenador do Curso de Psicologia do Centro Universitário Metodista - IPA (2008-2010). Avaliador de Cursos de Graduação do SINAES - MEC/INEP. Líder do Grupo de Pesquisa "Cultura contemporânea, Sociabilidades e Práticas Educativas e integrante do Grupo de Pesquisa interinstitucional "Cultura, Subjetividade e Políticas de Formação", ambos cadastrados no CNPQ.

Carla Lisbôa Grespan, Centro Universitário La Salle

Doutoranda em Educação pelo Centro Universitário La Salle - UNILASALLE (2015). Mestra em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2014). Especialista em Pedagogias do Corpo e da Saúde pela Escola de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Graduações nos cursos de: Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1993) e Licenciatura Plena em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1992). Técnica em Assuntos Educacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Professora da Rede Estadual de Ensino Médio. Experiência profissional na área de Educação Física e de História, principalmente, na Formação de Professoras(es) de Anos Iniciais, educação Infantil e EJA. Os trabalhos acadêmicos abordam as temáticas sobre corpo, relações de gênero, sexualidades e suas interfaces com as práticas corporais/esportivas, a educação, a sociabilidades, a juventude e a cibercultura

Oriana Holsbach Hadler, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), realiza Doutorado Sanduíche na University of Westminster, em Londres. Mestre em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Psicóloga graduada pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) e pós-graduada na Goldsmiths College - University of London, Inglaterra. Psicodramatista pelo IDH-RS. Integrante do Núcleo E-politcs - Estudos em Políticas e Tecnologias Contemporâneas de Subjetivação pela UFRGS e colaboradora do grupo de pesquisa Psicologia, Políticas Públicas e Subjetivação pela UCDB, e do grupo Comparative and International Criminal Justice, da University of Westminster. Atuou como docente do curso de Psicologia do Centro Universitário Metodista do Sul - IPA (2012-2014) e da Sociedade Educacional Três de Maio (2011-2012). Tem experiência nos seguintes temas: psicologia social, políticas públicas de assistência social, políticas de juventude, intervenções grupais e psicologia institucional.

Referências

AZAMBUJA, Marcos A.; GUARESCHI, Neuza M.F. Devir vírus. Revista do Departamen-to de Psicologia - UFF 19, nº 2, p. 439-454. 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BUTLER, Judith. O que é a crítica? Um ensaio sobre a virtude de Foucault. Tradução: G. Dalaqua. Cadernos de Ética e Filosofia Política 22, pp. 159-179. FFLCH: USP. 2013.

CAIAFA, Janice. Nosso Século XXI: Notas sobre Arte, Técnica e Poderes. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: Economia, Sociedade e Cultura. Vol. 1. A Sociedade em Rede, Ed. Paz e Terra S.A, 1999.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança. São Paulo: Zahar, 2013.

COSTA, Rogério. Por um novo conceito de comunidade: redes sociais, comunidades pesso-ais, inteligência coletiva. Interface (Botucatu) 9. 17, pp. 235-248. 2005.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol.I. São Paulo: Ed.34, 1995.

DERRIDA, Jacques. Filosofia em tempo de terror. Diálogos com Habermas e Derrida. In: Giovanna Borradori (Org.) Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor, 2003.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: O que é um autor?. Lisboa: Passagens. p. 129-160. 1992.

FOUCAULT, Michel. A Psicologia de 1850 a 1950. (Ditos e Escritos I - Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise, p.133-151. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2002.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos V: Ética, Sexualidade, Política. Manuel B. Motta (Org.). 2ªed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2006.

FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos III: Estética – Literatura e Pintura, Música e Ci-nema. Manuel B. Motta (Org.). 2ªed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2009.

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito – Curso no Collège de France (1981-1982). São Paulo: Martins Fontes. 3ªed. 2010.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos – Curso no Collège de France (1979-1980). Nildo Avelino (Org.). 2ªed. Rio de Janeiro: Achiamé. 2011.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos Movimentos Sociais: Paradigmas Clássicos e Con-temporâneos. São Paulo. Edições Loyola, 1997.

GOHN, Maria da Glória.. Movimentos Sociais na Contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação. v.16. n. 47. maio/ago. Minas Gerais. 2011. p. 333-351. Disponível em: www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n47/v16n47a05.pdf. Acesso em 01/09/2016.

GOHN, Maria da Glória. Sociologia dos Movimentos Sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez Edi-tora, 2014.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record. 2005.

HART, Keith. Notes towards an anthropology of the internet. Horizonte Antropológico 10, n.21. Porto Alegre. 2004.

LEMOS, André; LÉVY, Pierre. O Futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulos. 2010. 258 p.

MAFFESOLI, Michel. O tempo retorna: formas elementares da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Tradução: Eliane Lisboa. 4ª. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011. 120 p.

MOTA, Saulo T. Individualismo Conectado: governo de si e dos outros nas redes sociais. Dissertação de Mestrado em Comunicação e Semiótica. Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2012.

RALEIRAS, Mónica S. C. Identidade, Internet e Subjectivação: os sites de redes sociais. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação. PPG Tecnologias Educativas. Faculdade de Lisboa, Portugal. 2009.

RENA, Alemar. O comum, a comunidade e a comunicação; entre Jean-Luc Nancy, Michael Hardt e Antonio Negri. Revista Lugar Comum 45. Rede Universidade Nômade 2015.

ROMÃO-DIAS, Daniela. Nossa Plural Realidade: um Estudo sobre a Subjetividade na Era da Internet. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2001

ROSADO, Luiz A. S.; TOMÉ, Vitor M. Nabais. As redes sociais na internet e suas apropria-ções por jovens brasileiros e portugueses em idade escolar. Rev. Bras. Estudos Pedagógi-cos 96 no.242. Brasília. 2015.

SANTAELLA, Lucia. A aprendizagem ubíqua substitui a educação formal? ReCeT: Revista de Computação e Tecnologia PUCSP 2, n. 1, p. 17-22, 2010.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. 4. ed. São Paulo: Paulus, 2004.

SILVA, Marco. Sala de Aula Interativa. Rio de Janeiro: Quartet. 3ª ed. 2002. 220 p.

SCHERER-WARREN, Ilse. A política dos movimentos sociais para o mundo rural. Estudos, Sociedade e Agricultura. Vol. 15. nº 1.. Rio de Janeiro. 2007 p. 5-22. Disponível em: http://r1.ufrrj.br/esa/V2/ojs/index.php/esa/article/view/280. Acesso em 15/08/2016.

Downloads

Publicado

2017-03-11

Como Citar

Ratto, C. G., Grespan, C. L., & Hadler, O. H. (2017). “Ocupa 1º de maio”: ciberdemocracia, cuidado de si e sociabilidade na escola. ETD - Educação Temática Digital, 19(1), 99–118. https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647733