O que as ocupações nos ensinam sobre a adolescência, o laço social e a educação?

Autores

  • Luciana Gageiro Coutinho Universidade Federal Fluminense
  • Claudia Braga de Andrade Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647736

Palavras-chave:

Laço social. Educação. Adolescência. Ocupações.

Resumo

Este artigo busca refletir sobre o movimento das ocupações das escolas ressaltando a inovação que essa experiência traz para se repensar a escolarização de jovens, sobretudo nos laços que podem ser estabelecidos entre os jovens e a escola. A partir das contribuições teóricas da psicanálise a respeito do mal-estar na cultura e nos modos de fazer frente a ele, articulamos a noção de laço social com as ocupações, privilegiando dois eixos de análise fundamentais: 1) como esses novos laços sociais internos e externos contribuem para a sustentação de um novo ideal de escola; 2) de que modo essa nova configuração social presente no contexto das ocupações nos permite pensar sobre a relação entre transmissão do conhecimento e desejo de saber no espaço escolar. Por fim, destacamos que as ocupações inauguram um modo de fazer laço na escola através de uma nova posição discursiva na qual os estudantes podem estar presentes enquanto sujeitos desejantes que reivindicam e recriam a escola.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Gageiro Coutinho, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Psicologia pela Puc-Rio, Professora Adjunta IV da Faculdade de Educação da UFF.  Departamento de Fundamentos Pedagógicos; área : Psicologia.

Claudia Braga de Andrade, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Teoria Psicanalítica pela UFRJ, Professora Adjunta do Departamento de Educação da Universidade Federal de Ouro Preto; área: Psicologia.

Referências

ASSOUN, P.L. L´Entendement Freudien – Logos et Ananké. Paris: Gallimard, 1983.

BIRMAN, J. Fraternidades: Destinos e Impasses da Figura do Pai na Atualidade. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 13(1): p.93-114, 2003.

CASTRO, L. R., BESSET, V. L. (orgs.) Pesquisa-Intervenção na Infância e Juventude. Rio de Janeiro: Nau, 2008.

COUTINHO, L.G. Adolescência e Errância: Destinos do laço Social Contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Nau: 2009.

DUBET, F. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor. Revista Brasileira de Educação, (5/6), p.222-230, 1997.

FACEBOOK, André Maurois em luta. Disponível em: https://www.facebook.com/ocupaandremaurois/. Acesso em: 20 nov. 2016.

FREUD, S. (1913). Totem e Tabu. Obras Completas de Sigmund Freud, ESB, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. (1914a). Sobre o narcisismo: uma introdução. Obras Completas de Sigmund Freud, ESB, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. (1914b). Algumas reflexões sobre a psicologia escolar. Obras Completas de Sigmund Freud, ESB, vol. XIII. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. (1921). Psicologia de grupo e análise do ego. Obras Completas de Sigmund Freud, ESB, vol. XIII. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. (1927). O futuro de uma ilusão. Obras Completas de Sigmund Freud, ESB, vol XX, Rio de Janeiro: Imago, 1976.

FREUD, S. (1930). O mal-estar na civilização. Obras Completas de Sigmund Freud, ESB, volume XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

KEHL, M.R. (org) Função fraterna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

ROUDINESCO, E.& PLON, M. Dicionário de Psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

WINNICOTT, D. (1953). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, p.7-44, 1975.

Downloads

Publicado

2017-03-11

Como Citar

COUTINHO, L. G.; ANDRADE, C. B. de. O que as ocupações nos ensinam sobre a adolescência, o laço social e a educação?. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 19, p. 48–62, 2017. DOI: 10.20396/etd.v19i0.8647736. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647736. Acesso em: 25 jan. 2021.