A ocupação como processo de descolonização da escola: notas sobre uma pesquisa etnográfica

Palavras-chave: Juventude. Democracia. Participação política. Etnografia.

Resumo

O ano de 2015 foi marcado pelo fenômeno das ocupações de uma média de 213 da rede estadual de São Paulo. O presente trabalho compõe uma pesquisa de doutorado e tem como objetivo central apresentar uma reflexão acerca da experiência de um pesquisador em uma ocupação realizada por jovens estudantes em uma escola da rede estadual de São Paulo. Por meio de uma pesquisa etnográfica, somaram-se 15 horas de observação e registros em diário de campo no interior da ocupação de uma escola localizada na zona norte de São Paulo. Dentre os fatos observados, destaca-se a forte autonomia dos/as jovens ocupantes, o ambiente democrático construído nas relações cotidianas e nos eventos promovidos, como as aulas abertas e as oficinas, assim como a tensão constante nas relações estabelecidas com os sujeitos contrários à ocupação. Verificou-se que a experiência da ocupação contribuiu efetivamente para a reflexão dos/as estudantes sobre a construção de uma escola democrática.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Nascimento Corsino, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Educação pela UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas), na área de concentração Educação e Ciências Sociais, onde é bolsista CAPES. Mestre em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência pela Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas na UNIFESP. É licenciado em Educação Física pelo Centro Universitário Metropolitano de São Paulo (UNIMESP-FIG). Participa do Laboratório de Estudos sobre Violência, Cultura e Juventude - VIOLAR/Unicamp, é pesquisador do Grupo de Estudos e Pesquisas Educação, Comunicação e Feminismos - UFJF.

Dirce Djanira Pacheco e Zan, Universidade Estadual de Campinas
Professora e Diretora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas

Referências

CAMPOS, Antônia Malta; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Márcio Moretto. Escolas de luta. São Paulo: Veneta, 2016.

CARRANO, Paulo. Identidades culturais juvenis e escolas: arenas de conflitos e possibilidades. In: MOREIRA, Antônio Flávio; CANDAU, Vera Maria. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2013.

DAYRELL, Juarez. A escola como espaço sócio-cultural. In: DAYRELL, Juarez (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1996.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. São Paulo, 2002. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem fronteiras, v.12, n.1, pp. 98-109, jan./abr. 2012.

HOOKS, Bell. Alisando o nosso cabelo. Revista Gazeta de Cuba – Unión de Escritores y Artista de Cuba, jan./fev. 2005.

JANUÁRIO, Adriano et al. As ocupações de escolas em São Paulo (2015): autoritarismo burocrático, participação democrática e novas formas de luta social. Revista Fevereiro, n.9. abr. 2016.

KELLNER, Douglas. Lendo imagens criticamente: em direção a uma pedagogia pós-moderna, in SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Ed. Pedagógica e Universitária, 1986.

MIRANDA, Cláudia. Sobre outras pedagogias e discursos insurgentes. In: CORSINO, Luciano Nascimento; CONCEIÇÃO, Willian Lazaretti da. (Orgs.). Educação física escolar e relações étnico-raciais: subsídios para a implementação das Leis 10.635/03 e 11.645/08. Curitiba: CRV, 2015.

OLIVEIRA, Amurabi. Etnografia e pesquisa educacional: por uma descrição densa da educação. Educação Unisinos, v. 17, n. 3, pp. 271-280, set./dez. 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.) La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO/UNESCO, 2000.

SANTOS, Sales Augusto dos. Introdução. In: SANTOS, Sales Augusto dos. Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. 400 p. (Coleção Educação para Todos).

TURA, Maria de Lourdes Rangel. A observação do cotidiano escolar. In: ZAGO, Nadir; CARVALHO, Marilia Pinto de; VILELA, Rita Amélia Teixeira. (Org.). Itinerários de pesquisa: perspectivas qualitativas em Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

VALVERDE, Danielle Oliveira; STOCCO, Lauro. Notas para a interpretação das desigualdades raciais na educação. In: BONETTI, Alinne de Lima; ABREU, Maria Aparecida A. (Org.). Faces da desigualdade de gênero e raça no Brasil. Brasília: Ipea, 2011.

VIANNA, Heraldo Marelim. Pesquisa em educação: a observação. Brasília: Plano, 2003.

ZAN, Dirce; POSSATO, Beatris Cristina. Espaços Cerrados: as marcas da violência e do controle na arquitetura das escolas. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, out./dez. 2014.

Publicado
2017-03-11
Como Citar
Corsino, L. N., & Zan, D. D. P. e. (2017). A ocupação como processo de descolonização da escola: notas sobre uma pesquisa etnográfica. ETD - Educação Temática Digital, 19(1), 26-48. https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647751