Duas reorganizações (1995 e 2015): do esvaziamento da rede estadual paulista à ocupação das escolas

  • Débora Cristina Goulart Universidade Federal de São Paulo
  • José Marcelino Rezende Pinto Universidade de São Paulo
  • Rubens Barbosa de Camargo Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Políticas públicas de educação. Secretaria estadual de educação. Gestão financeira da educação. Contestação estudantil.

Resumo

Este trabalho se discute os elementos coincidentes entre as propostas de reorganização da rede pública de ensino de São Paulo – a primeira implantada em 1995 e a segunda, interrompida, em 2015. Notam-se inúmeras convergências que atribuímos à persistência de uma política educacional baseada nos princípios do gerencialismo e da produtividade na busca pela racionalização do uso dos recursos educacionais, bem como a existência de movimentos, ações e sujeitos dispostos à resistência popular contrária à sua implantação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Cristina Goulart, Universidade Federal de São Paulo
Departamento de Ciências Sociais, área Ciências Sociais e Educação
José Marcelino Rezende Pinto, Universidade de São Paulo
Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Departamento de Psicologia e Educação
Rubens Barbosa de Camargo, Universidade de São Paulo
Faculdade de Educação, Departamento de Administração Escolar e Economia da Educação.

Referências

ADRIÃO Theresa. Escolas charters nos EUA: contradições de uma tendência proposta para o Brasil e suas implicações para a oferta da educação pública. Educação e Filosofia Uberlândia, v. 28, n. especial, p.263-282, 2014. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/24613. Acesso em: 13 out. 2016

ADRIÃO, Theresa. Oferta do ensino fundamental em São Paulo: Um novo modelo. Educação e Sociedade., Campinas, vol. 29, n. 102, p. 79-98, jan./abr. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v29n102/a0529102.pdf. Acesso em: 15 out. 2016.

ADRIÃO, Theresa; GARCIA, Teise. As reformas educacionais no Estado de São Paulo e a escola de tempo integral: relações entre poder público e setor privado na implantação de uma política educacional. In: CARMO, Jefferson C.; OLIVEIRA, Regina T. C.; SILVA, Celeida M. C. S. (Org.). Transformações do Estado e influências nas políticas educacionais no Brasil. Campinas: Mercado das Letras, 2016, v. 1, p. 167-191.

ADRIÃO, Theresa; GARCIA, Teise; BORGHI, Raquel; ARELARO, Lisete. As parcerias entre prefeituras paulistas e o setor privado na política educacional: expressão de simbiose? Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 533-549, abr.-jun. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a11v33n119.pdf. Acesso em: 20 out. 2016.

CAMPOS, Antonia J. M.; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Marcio M. Escolas de Luta. São Paulo: Veneta, 2016.

CROCHIK, Leonardo; STOCO, Sergio; DI PIERRO, Maria Clara; CORTI, Ana Paula; CÁSSIO, Fernando. Nota Técnica: Análise da resposta da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo à Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Estado de São Paulo e Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Rede Escola Pública e Universidade. Jun/2016, mimeo.

NERY, Vanderlei Elias. Os efeitos da reorganização do ensino fundamental em São Paulo no trabalho docente e nas estratégias familiares (1995-1998). 2000. 88f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2000.

NEUBAUER, Rose. Reorganização das escolas estaduais paulistas: novo modelo pedagógico, ciclos e municipalização. In: NEGRI, Barjas, TORRES, Haroldo G., CASTRO, Maria Helena G. de. Educação Básica no Estado de São Paulo: avanços e desafios. FDE/SEADE, 2015, pp. 243-266.

OLIVEIRA, Romualdo Portela. A municipalização do ensino no Brasil. In: ANDRADE, Dalila Oliveira (Org.). Gestão Democrática da Educação: desafios contemporâneos Petrópolis: Vozes, 1997, p. 174-198.

PANTOJO, Bruno; SALOMÃO, Laudina A.; CASTRO, Maria N. P.; MARTINS, Marcelo; BATISTA FILHO, Olavo N.. Escolas estaduais com uma única etapa de atendimento e seus reflexos no desempenho dos alunos. Coordenadoria de Informação, Monitoramento e Avaliação Educacional (CIMA). SEE-SP, agosto/2015. 19p.

PARRA, Violeta. Volver a los 17. Intérpretes: Violeta Parra. Chile: RCA Victor, 1966.

PAULA, Ana Paula de. Por uma nova gestão pública. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2015

PAULANI, Leda. Acumulação sistêmica, poupança externa e rentismo: observações sobre o caso brasileiro. São Paulo, Estudos Avançados, 27 (77), p. 237-261, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142013000100018. Acesso em: 5 set. 2016.

PINTO, José Marcelino de Rezende. Os recursos para a educação no Brasil no contexto das finanças públicas. Brasília: Editora Plano, 2000.

PIOLLI, Evaldo, PEREIRA, Luciano, MESKO, Andressa de Sousa Rodrigues. A proposta de reorganização escolar do governo paulista e o movimento estudantil secundarista. Crítica Educativa (Sorocaba/SP), vol. 2, n. 1, p. 21-35, jan./jun. 2016. Disponível em: http://www.criticaeducativa.ufscar.br/index.php/criticaeducativa/article/view/71. Acesso em: 15 nov. 2016

PÓ, Marcos Vinicius; YAMADA, Erika Mayumi Kasai; XIMENES, Salomão Barros; LOTTA, Gabriela Spanghero; ALMEIDA, Wilson Mesquita de. Análise da política pública de Reorganização Escolar proposta pelo governo do Estado de São Paulo. UFABC, nov/2015, mimeo.

QUIBAO NETO, José. Docentes não concursados na Rede Estadual de Ensino de São Paulo: ordenamento jurídico, perfil e remuneração Ribeirão Preto. 2013. 247f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2013.

SÃO PAULO (Estado). Conselho Estadual de Educação. Parecer CEE/674. Referente ao projeto de Reorganização das Escolas da Rede Estadual de Ensino. Diário Oficial do Estado, São Paulo, v. 105, n. 216, 09/11/95a, Seção I, p.13.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Decreto Estadual n. 40.473, de 21 de novembro de 1995. Institui o Programa de Reorganização das escolas da Rede Estadual e dá providências correlatas. Diário Oficial do Estado, v. 105, n. 222, 22/11/1995b, Seção I, p.4.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado da Educação de São Paulo. Comunicado SE. de 22.03.95. Dispõe sobre as principais diretrizes educacionais para o Estado de São Paulo, para o período de janeiro de 1995 a 31 de dezembro de 1998. Diário Oficial do Estado de São Paulo, 23/03/95c, Seção I, pp. 8-10.

SÃO PAULO. (Ministério Público). Representação junto ao Promotor da Infância de Juventude da Comarca de Ribeirão Preto. 24.11.1995d. mimeo.

ZANELLA, Silvia Cristina. A reorganização das escolas e suas implicações nas famílias: a reorganização das escolas da rede pública estadual de São Paulo em suas implicações nas famílias do município de Mauá de 1995-2000, nos depoimentos de pais, alunos e entidades. 2000. 255f. Dissertação (Mestrado em Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2000.

Publicado
2017-03-11
Como Citar
Goulart, D. C., Pinto, J. M. R., & Camargo, R. B. de. (2017). Duas reorganizações (1995 e 2015): do esvaziamento da rede estadual paulista à ocupação das escolas. ETD - Educação Temática Digital, 19, 109-133. https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647797