Banner Portal
Escolas de luta: cenas da política e educação
PDF

Palavras-chave

Educação. Ocupações secundaristas. Políticas públicas. Narrativas audiovisuais. Manifestações sociais.

Como Citar

PAES, B. T.; PIPANO, I. Escolas de luta: cenas da política e educação. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 6–25, 2017. DOI: 10.20396/etd.v19i1.8647799. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647799. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Esse ensaio busca explorar a experiência das ocupações nas escolas secundaristas de São Paulo por meio de algumas das imagens produzidas pelos mesmos. Seguindo uma estrutura próxima da dinâmica dos planos fílmicos, nosso trabalho propõe uma articulação entre os discursos (visuais e narrativos) das ocupações compartilhadas nas redes sociais, por meio da análise das provocações que esses novos papéis desempenhados pelos secundaristas colocaram em relação à própria ideia de representação da escola, aluno e currículo. Ao pensarmos a prática educativa neste cenário de (re)organização provocado pela resposta do movimento dos secundaristas, remetemos tal experiência aos pensamentos de Jacques Ranciére (2012) e César Migliorin (2008), quando estes refletem sobre os encontros no “sensível”, oportunizados pelos diferentes espaços escolares. Em outro ponto, buscou-se o conceito de zona autônoma temporária apresentado por Hakim Bey (2004), para pensarmos este outro espaço em transformação de tempos, espaços, posturas, relações e corpos. Ao reconfigurar o espaço sensível das escolas, os estudantes vivenciam uma experiência (corpórea e intelectualmente) emancipatória, colocando a escola como um espaço de invenção. Por fim, nosso ensaio destaca a dimensão da resistência política e dos conflitos, que foram registrados e divulgados pelos secundaristas em meio a um cenário no qual o currículo da educação básica se aproxima a um ideal quantitativo voltado para o espetáculo dos dados. O que os secundaristas nos interrogam é uma abertura para suas demandas, uma chamada por escutas dentro das políticas públicas voltadas para a educação. 

https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647799
PDF

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim – notas sobre a política. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

BAZIN, André. Montagem proibida. In: O cinema – ensaios. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1985.

BEY, Hakim. TAZ: zona autônoma temporária. São Paulo: Conrad, 2004.

BRASIL, André. Apresentação. In: DEVIRES – Cinema e Humanidades, v. 7, n. 2, 2010.

CAMPOS, Antônia M.; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Márcio M. Escolas de luta. São Paulo: Veneta, 2016.

FREIRE, Paulo. Escola pública e educação popular. In: Política e educação. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

MIGLIORIN, Cezar. Inevitavelmente cinema – política, educação e mafuá. Rio de Janeiro: Azougue, 2015.

MIGLIORIN, Cezar. Igualdade dissensual: democracia e biopolítica no documentário contemporâneo. In: Revista Cinética – Cultura e Pensamento, 2008.

PACHECO, José. Aprender em comunidade. São Paulo: SM, 2014.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed.34, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento – política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.