Espaços virtuais moventes das escolas ocupadas de Porto Alegre: o apoio mútuo como base da inteligência coletiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647802

Palavras-chave:

Exercício de cidadania. Aprendizagem mútua. Educação política.

Resumo

Este artigo analisa o movimento de ocupação escolar a partir dos espaços virtuais. Entre maio a junho de 2016 foram ocupadas 41 escolas estaduais na cidade de Porto Alegre. O movimento foi uma estratégia de resistência coletiva ao sucateamento e desvalorização da educação pública por parte do Estado. 40 das escolas ocupadas utilizaram o Facebook enquanto ferramenta de organização, cooperação e divulgação junto à sociedade. Para dimensionar o uso das redes neste movimento foram coletados os dados das páginas virtuais de todas as escolas envolvidas, assim como o número e qualidade das ‘curtidas’ e compartilhamentos. Os espaços virtuais possuem um caráter multiplicador e viral, propagando, de maneira rápida e direta, as informações aos seus usuários. Tem-se, portanto, uma poderosa rede de informações que constituem o que Pierre Lévy chama de inteligência coletiva, em que os sujeitos envolvidos reinventam as relações e as formas de aprendizagem. Nessas páginas os estudantes atuam de acordo com suas próprias demandas, construindo relações horizontais com a comunidade virtual que, por meio de compartilhamentos e interações, colaboram com a manutenção e ampliação das ocupações. As trocas de conhecimento são mantidas pelo que Piotr Kropotkin designa como apoio mútuo, redes de colaboração espontânea que extrapolam fronteiras institucionalizadas. Uma vez estabelecidas, estas relações alteram os territórios conhecidos, ultrapassando barreiras e limites geográficos. Para além de uma mera ferramenta de comunicação, esses espaços virtuais tornam-se dispositivos para constituição e fortalecimento de uma inteligência política coletiva, tão imprescindíveis quanto os movimentos operados pelos estudantes no interior das escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Bedin da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Docente da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da UFRGS.

Manuella Mattos dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do SUL

Licenciada em Ciências Biológicas pela UFRGS.

Referências

BETANCOURT, Arnobio M. El taller educativo. Santafé de Bogotá: Secretaría del Convenio Andrés Bello, 1991.

BRASIL, Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais – INEP. Censo educacional, 2015. Disponível em: http://cod.ibge.gov.br/17QNE. Acesso em: 10 nov. 2016.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais. População estimada em 2016. Porto Alegre: IBGE, 2016.

CAMPOS, Antonia M. ; MEDEIROS, Jonas; RIBEIRO, Márcio M. Escolas de luta. São Paulo: Veneta, 2016. 352 p. Coleção Baderna

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013. 271 p.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013. 325 p.

FEDOZZI, Luciano. Esfera pública e cidadania: a experiência do Orçamento Participativo de Porto Alegre. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 19, nº 2, 1998. 236 – 271 p.

FIGUEIREDO, Nébia Maria. Método e metodologia na pesquisa científica. 2a ed. São Caetano do Sul, São Paulo: Yendis, 2007. 256 p.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Isto não é um manifesto. São Paulo: n-1 edições, 2014. 144 p.

KROPOTKIN, Piotr, 1842, 1921. Apoio mútuo: um fator de evolução. São Sebastião: A Senhora Editora , 2009. 271 p.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 3. ed. São Paulo: Loyola, 2000. 212 p.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Ed. 34, 1993.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999. 264 p.

LÉVY, Pierre; AUTHIER, Michel. As árvores do conhecimento. São Paulo: Ed. Escuta, 1995. 188 p.

MUSSOI, Eunice Maria; FLORES, Maria Lúcia; BEHAR, Patrícia Alejandra. Comunidades virtuais: um novo espaço de aprendizagem. Novas Tecnologias de Educação. CINTED - UFRGS. Porto Alegre, v. 5, nº 1, julho 2007.

PALLOFF, Rena M.; PRATT, Keith. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço: estratégias eficientes para salas de aula on-line. Porto Alegre: Artmed, 2002. 248 p.

PELBART, Peter. Carta aberta aos secundaristas. São Paulo: n-1 edições, 2016. 23p.

Secretaria Municipal de Planejamento Estratégico e Orçamento. Mapa das regiões do Orçamento Participativo de Porto Alegre, 2016. Disponível em:

http://observapoa.com.br/default.php?p_secao=46. Acesso em: 30 out. 2016.

SAKAMOTO, L. et al. Cidades rebeldes: passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2013. 95 – 100 p.

Downloads

Publicado

2017-03-11

Como Citar

Costa, L. B. da, & Santos, M. M. dos. (2017). Espaços virtuais moventes das escolas ocupadas de Porto Alegre: o apoio mútuo como base da inteligência coletiva. ETD - Educação Temática Digital, 19(1), 49–72. https://doi.org/10.20396/etd.v19i1.8647802