No “colégio dos alunos, por alunos, para alunos”: feminismo e desconstrução em narrativas das ocupações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647807

Palavras-chave:

Juventude. Escola. Gênero. Feminismo. Participação política. Desconstrução.

Resumo

A notícia das ocupações estudantis na rede pública de ensino do estado do Rio de Janeiro surpreendeu pesquisa então em andamento, em colégio de ensino médio dessa mesma rede, que apontava grande dificuldade de organização política do corpo discente. Realizam-se, então, visitas a escolas ocupadas e entrevistas com ativistas, com foco em aspectos político-pedagógicos do movimento, concebidas, desenvolvidas e problematizadas com base na abordagem narrativa proposta por Leonor Arfuch, bem como nas noções de performatividade e iterabilidade da linguagem, segundo Jacques Derrida e Judith Butler. A discussão dos registros das entrevistas evidenciou a pertinência da perspectiva interseccional para tais estudos, colocando sob rasura categorizações inicialmente assumidas pela pesquisa, como jovem e estudante, além de evidenciar a relevância da identificação de gênero na contingência pesquisada. Concluímos, ainda, pela riqueza e radicalidade das invenções desse movimento, que impõem a necessidade de abertura a novas possibilidades de ativismo político, bem como pela urgência da criação de outro vocabulário e gramática para a abordagem político-pedagógica desse novo ativismo, para o quê defendemos a pertinência de uma perspectiva desconstrutora e interseccional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miriam Soares Leite, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em História pela Universidade Federal Fluminense, mestre em Educação, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, e doutora em Educação, também pela PUC-Rio. Foi professora de História no ensino fundamental da rede pública e privada da cidade do Rio de Janeiro e atualmente é professora adjunta do Departamento de Estudos Aplicados ao Ensino e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da UERJ, onde se vincula à linha de pesquisa Infância, Juventude e Educação. Leciona e pesquisa sobre os seguintes temas: questões da diferença e da desigualdade na educação escolar da adolescência e da juventude, em que tem focalizado a formação e a participação política da juventude, com destaque para a temática do gênero e da sexualidade; didática geral.

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico. Dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro/RJ: EdUERJ, 2010. 368 p.

BILGE, Sirma. Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, n. 225, jan./mar. 2009b. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/251061656_Theorisations_feministes_de_l%27intersectionnalite. Acesso em: 16 nov. 2016.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro/RJ: Marco Zero, 1983. 290 p.

BUTLER, Judith. Repensar la vulnerabilidade y la resistencia. XV Simposio de la Asociación Internacional de Filósofas (IAPh), Alcalá de Henares, España, 2014. Disponível em: http://www.cihuatl.pueg.unam.mx/pinakes/userdocs/assusr/A2/A2_2195.pdf. Acesso em: 28 nov. 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. São Paulo/SP: Objetiva, 2008. 236 p.

BUTLER, Judith. Excitable speech. A politics of the performative. New York/USA: Routledge, 1997. 181 p.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, n. 1, jan./jul. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf. Acesso em: 16 nov. 2016.

DERRIDA, Jacques. Força de lei. São Paulo/SP: WMF Martins Fontes, 2007. 145 p.

DERRIDA, Jacques. Limited Inc. Campinas/SP: Papirus, 1991. 212 p.

GRILLO, Trina. Anti-essencialism and intersectionality: tools to dismantle the master’s house. Berkeley Journal of Gender, Law & Justice, v. 10, n. 1, set. 2013. Disponível em: http://scholarship.law.berkeley.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1093&context=bglj. Acesso em: 16 nov. 2016.

HANCOCK, Ange-Marie. When multiplication doesn’t equal quick addition: examining intersectionality as a research paradigm. Perspectives on politics, v. 5, n. 1, mar. 2007. Disponível em: http://www.lgbtfunders.org/programs/intersectionality.pdf. Acesso em: 16 nov. 2016.

MPL-MOVIMENTO PASSE LIVRE – SÃO PAULO. Não começou em Salvador, não vai terminar em São Paulo. In: MARICATO, Ermínia (org.). Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo/SP: Boitempo, Carta Maior, 2013, p. 13-18.

RETAMOZO, Martín. Las demandas sociales y el estudio de los movimientos sociales. Cinta Moebio, n. 35, 2009. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=10111909003. Acesso em: 11 nov. 2016.

SAFATLE, Vladimir. Amar uma ideia. In: HARVEY, David et al. Occupy. São Paulo: Boitempo, 2012, p. 45-55.

SOUSA, Janice Tirelli Ponte de. A experiência contemporânea da política entre jovens do sul do Brasil. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/becas/20140623015303/RELATORIOJaniceTirelli.pdf. Acesso em: 20 nov. 2016.

VEIGA-NETO, Alfredo. É preciso ir aos porões. Revista Brasileira de Educação, v. 17 n. 50 maio-ago. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v17n50/v17n50a02.pdf. Acesso em: 15 nov. 2016.

Downloads

Publicado

2017-03-11

Como Citar

LEITE, M. S. No “colégio dos alunos, por alunos, para alunos”: feminismo e desconstrução em narrativas das ocupações. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 19, p. 23–47, 2017. DOI: 10.20396/etd.v19i0.8647807. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647807. Acesso em: 25 jan. 2021.