Escola sem partido – produção de sentidos e disputas em torno do papel da escola pública no Brasil

Elvis Patrik Katz, Andresa Silva da Costa Mutz

Resumo


As disputas sociais acerca da educação vêm ocorrendo intensamente na contemporaneidade e colocam no centro da discussão a instituição escolar. A MP do Ensino Médio, a chamada PEC dos gastos, as proposições do movimento Escola Sem Partido e as diversas ocupações estudantis nas escolas são manifestações muito claras da importância que nossa sociedade dá a escola. Nesse contexto, o presente artigo debate o papel da escola básica no Brasil tendo em vista o seguinte paradoxo: como é possível que, em um cenário de tamanho descrédito para com o ensino público – na qual os discursos argumentam para a existência de uma verdadeira “crise” da educação – existam tantas articulações e confrontos que objetivem o controle dessa instituição? Ou seja, como pode a escola pública brasileira ser ao mesmo tempo apresentada como culpada por inúmeros problemas e, estranhamente, aparecer como espaço em potencial onde todos os males da sociedade serão sanados? Assim, detemos nossa análise nas falas proferidas pelo Escola Sem Partido, através de seu website oficial, e em alguns artefatos da nossa cultura, com ajuda das contribuições do campo dos Estudos Culturais e do pensamento de Michel Foucault. Nossa hipótese é que esse movimento transita entre a crítica radical da escola e, ao disputar esse espaço de exercício de poder, reafirma a potência da instituição nos dias de hoje.


Palavras-chave


Educação. História. Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AFINAL, a escola privada é melhor do que a pública? Zero Hora, Porto Alegre, 11 de nov. de 2016. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/educacao/noticia/2016/11/afinal-a-escola-privada-e-melhor-do-que-a-publica-8240055.html. Acesso em: 26.11.2016.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BRASIL. Ministério da Educação. Comerciais entram no ar hoje, 28, e focam no protagonismo do estudante. Disponível em: https://youtu.be/QA3F9k-pgYk. Acesso em: 26.11.2016.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

DÍAZ, Mario. Foucault, docentes e discursos pedagógicos. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, p. 14-29, 1998.

ESCOLA SEM PARTIDO. Apresentação. 2016. Disponível em: http://escolasempartido.org/apresentacao. Acesso em: 26.08.2016.

ESCOLA SEM PARTIDO. FAQ. 2016. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/faq. Acesso em: 26.07.2016.

ESCOLA SEM PARTIDO. Quem somos. 2016. Disponível em: http://escolasempartido.org/quem-somos. Acesso em: 26.08.2016.

ESCOLA SEM PARTIDO. Objetivos. 2016. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/objetivos. Acesso em: 26.07.2016.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa. Rio de Janeiro, n. 114, p.197-223, 2001.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Trabalhar com Foucault: arqueologia de uma paixão. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2012.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Tradução: Luiz Felipe Baeta Neves, 7 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 38 ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

LIBÂNEO, José Carlos. A escola com que sonhamos é aquela que assegura a todos a formação cultural e científica para a vida pessoal, profissional e cidadã. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). A escola tem futuro, 2 ed. p. 23-52, 2007.

MIGUEL, Luis Felipe. Da “doutrinação marxista” à" ideologia de gênero"-Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro/From “Marxist indoctrination” to “gender ideology”: Escola Sem Partido (non-partisan school) and gag laws in Brazilian congress. Revista Direito e Práxis, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.

RAMOS, Moacyr Salles; STAMPA, Inez. SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA DOCENTE: Notas sobre a ditadura militar e o movimento Escola sem Partido. Revista Espaço do Currículo, v. 9, n. 2, 2016.

ROCHA, Cristianne Maria Farmer. A escola na mídia: entre inovações e controles. Educação Temática Digital, v. 9, p. 126, 2008.

SEFFNER, Fernando. Atravessamentos de gênero, sexualidade e educação: tempos difíceis e novas arenas políticas. In: Reunião Científica Regional da ANPED. Curitiba: ANPED, 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Teoria Cultural e Educação: Um vocabulário Crítico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

SOUZA, Washington Luis. Michel Foucault e o uso filosófico da História. Páginas de Filosofia, v. 3, n. 1-2, p. 49-66, 2011. Disponível em: http://www.bibliotekevirtual.org/revistas/Metodista-SP/PF/v03n1-2/v03n1-2a02.pdf. Acesso em 23.08.2016.

VEIGA-NETO, Alfredo. Educação e governamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: PORTOCARRERO, Vera; CASTELO BRANCO, Guilherme. Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: Nau Editora, p. 179-217, 2000a.

VEIGA-NETO, Alfredo. Michel Foucault e os Estudos Culturais. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Estudos Culturais em educação: Mídia, arquitetura, brinquedo, literatura, cinema... Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 37-72, 2000b.

VEIGA-NETO, Alfredo. Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da Modernidade. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). A escola tem futuro, 2 ed. p. 97-118, 2007.




DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v19i0.8647835

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 ETD - Educação Temática Digital

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ETD - Educ. Temat. Digit., Campinas (SP) - ISSN 1676-2592.