Concepções sobre ambientalização curricular: o desafio do pensamento sistêmico

Autores

  • Lucia Ceccato de Lima Universidade do Planalto Catarinense
  • Izabel Cristina Feijo de Andrade Universidade do Planalto Catarinense
  • Marina Patricio de Arruda Universidade do Planalto Catarinense
  • Schayla Letyelle Costa Pissetti Universidade do Planalto Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i1.8648818

Palavras-chave:

Ambientalização curricular. Educação ambiental. Pensamento sistêmico.

Resumo

Esse artigo tem o objetivo de apresentar concepções sobre ambientalização curricular de gestores e professores coordenadores de cursos de graduação de uma Universidade comunitária do interior de Santa Catarina. A abordagem metodológica desse estudo caracterizou - se pelo enfoque quanti-qualitativo que articulou pesquisa-ação participante (THIOLLENT, 2008; HAGUETTE, 2003), técnicas de análise documental e de análise de conteúdo (BARDIN, 2008; FRANCO, 2008). Para análise documental contou - se com o software MAXQDA 12 para análise quantitativa dos Planos de Desenvolvimento Institucional (PDI), Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação (PPC) e Planos de Ensino (PE) dos cursos  que apresentassem três ou mais Indícios de Ambientalização.  Foram entrevistados gestores, coordenadores de curso e professores das disciplinas dos cursos que apresentaram os indícios acima citados. Dessas entrevistas emergiram a concepção de ambientalizalização de um grupo de 10 entrevistados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Ceccato de Lima, Universidade do Planalto Catarinense

Doutora em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina (2007). Mestre em Educação/Educação e Ciência pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999). Especialista em Metodologia da Pesquisa pela Universidade do Planalto Catarinense (1996). Especialista em Educação pela Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC (1993). Possui Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Santa Catarina (1984). É professora e coordenadora adjunta do Mestrado em Educação - PPGE/UNIPLAC e professora do Mestrado em Ambiente e Saúde - PPGAS/ UNIPLAC. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Ambiente, Educação e Saúde - GEPES AMBIENS.

Izabel Cristina Feijo de Andrade, Universidade do Planalto Catarinense

Doutora em Educação, Bolsista de Pós Doutoramento do PPGE/UNIPLAC

Marina Patricio de Arruda, Universidade do Planalto Catarinense

Graduada em ciências Sociais, mestre e doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul(2003). Pós-doutora em Educação (PUCRS/2012). Atualmente é professora e pesquisadora nos Programas de Pos-graduação em Educação (PPGE) e em Ambiente e Saúde (PPGAS) da Universidade do Planalto Catarinense (UNIPLAC) integrando as Linhas de pesquisa Educação, Processos-socioculturais e Sustentabilidade (PPGE) e Meio Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida(PPGAS).

Schayla Letyelle Costa Pissetti, Universidade do Planalto Catarinense

Mestranda em Educação do PPGE/UNIPLAC. Bolsista FAPESC.

Referências

ARRUDA, MP; ANDRADE; ICF; PORTAL, LLF Educação para inteireza: um caminho para a reforma da educação e do pensamento. Revista Impulso, v. 26, n. 65 (2016) Disponível em https://www.metodista.br/revistas/revistas-unimep/index.php/impulso/article/view/2427 site visitado em 9/4/2017.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Tradução de Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2008.

BRASIL. Decreto-lei n. 9795, de 27 de abril de 1999. Dispões sobre a Educação ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambienta e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1999.

CALLONI, Humberto. Os sentidos da interdisciplinaridade. Pelotas: Seiva, 2006a.

CAPRA, Frijof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 2006.

CARVALHO, I. C. M. e TONIOL, Rodrigo. Ambientalização, cultura e educação: diálogos, traduções e inteligibilidades possíveis desde um estudo antropológico da educação ambiental. Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient. ISSN 1517-1256, v. especial, setembro de 2010,PP.28-39.

FIGUEIREDO, M. L. (COORD. Geral) Projeto de Pesquisa: Ambientalização e Sustentabilidade na Educação Superior: Subsídios às Políticas Institucionais em Santa Catarina – Chamada Pública FAPESC nº 01/2014. Florianópolis, 2014.

FRANCO, Maria Laura P. B. Análise de Conteúdo. Brasília: Liber livro editora, 2008.

GUERRA, A. F. S.; FIGUEIREDO, M. L. . Ambientalização curricular na Educação Superior: desafios e perspectivas. Educar em Revista (Impresso), v. 3, p. 109-126, 2014.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. 10ª ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

JAPIASSU, Hilton. O sonho transdisciplinar e as razões da Filosofia. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

JUNYENT, M.; GELI, A.M. E E. ARBAT (2003). Ambientalización curricular de los estudios superiores: Proceso de Caracterización de la Ambientalización Curricular de los Estudios Superiores 2. Girona: Diversitas.

KITZMANN, D. Ambientalização de Espaços Educativos: aproximações metodológicas. Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient., v. 18, p. 553-574, 2007.

MARCOMIM, F. E; SILVA, A. D. V. A sustentável leveza da universidade. In: GUERRA, A. F. S.; FIGUEIREDO, M. L. (Org.). Sustentabilidades em diálogos. Itajaí: Univali, 2010. p. 171-189.

MAXQDA [computer software] (2007). Marburg, Germany: VERBI Software. Consult. Sozialforschung. GmbH.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

MORIN, E.; KERN, A. Terra Pátria. 5ª Ed. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários para a educação do futuro. Trad. Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2010.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas: Papirus, 1998.

OLIVEIRA, H.T. e FREITAS, D. Uma reflexão sobre o valor do trabalho desenvolvido pela REDE ACES no período de sua implementação. In: GELI, A. M.; JUNYENT M.; SÁNCHEZ, S. (Org.). Ambientalización Curricular de los Estudios Superiores. 4 – Acciones de Intervención y labance final del proyecto de Amientalización Curricular de los Estudios Superiores. Girona: UdG, 2004, v. 4, p. 305-319.

RIBEIRO, VC; VARELA, S Acessibilidade nas calçadas urbanas de uma cidade da serra catarinense in Revista GEPESVIDA, V1, Nº 2, 2015 disponível em http://www.icepsc.com.br/ojs/index.php/gepesvida/article/view/61/36 site visitado 9/4/2017

ROSALEM, Bruna Monize; BAROLLI, Elisabeth. Ambientalização curricular na formação inicial de professores: o curso de pedagogia da Fe-unicamp. Revista Brasileira de Educação Ambiental, v. 5, n. 1, p. 26-36, 2010.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2008.

WILBER, K. Uma teoria de tudo: uma visão integral para os negócios, a política, a ciência e a espiritualidade. São Paulo: Cultrix, Amaná-Key, 2007.

WILBER, K. Psicologia Integral: consciência, espírito, psicologia, terapia. São Paulo: Cultrix, 2011.

WILBER, Ken; PATTEN, Terry; LEONARD Adam.; MORELLI, Marco. A Prática de Vida Integral: um guia do século XXI para saúde física, equilíbrio emocional, clareza mental e despertar espiritual. São Paulo: Cultrix, 2011.

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

LIMA, L. C. de; ANDRADE, I. C. F. de; ARRUDA, M. P. de; PISSETTI, S. L. C. Concepções sobre ambientalização curricular: o desafio do pensamento sistêmico. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 193–209, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i1.8648818. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8648818. Acesso em: 7 dez. 2021.