Estudos de bebês: linhas e perspectivas de um campo em construção

  • Gabriela de Campos Tebet Universidade Estadual de Campinas
  • Anete Abramowicz Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Crianças. Recém-Nascido. Infância. Cartografia.Ciências sociais.

Resumo

Este artigo visa contribuir para os Estudos de bebês nas ciências sociais e humanas. A partir de pesquisa bibliográfica, apresenta-se contribuições da História, Antropologia, Sociologia, Filosofia e Geografia para a constituição do campo em questão e afirma-se que a criança entendida como uma figura conceitual que sustenta os Estudos da infância não abarca os bebês, motivo pelo qual aponta-se para os Estudos de bebês como um campo distinto. Os resultados da pesquisa indicam produções e debates que podem contribuir para compor a base do campo proposto. A partir das linhas traçadas, indica-se como perspectivas para este campo em construção as cartografias, mapas dos trajetos como uma abordagem promissora em Estudos de bebês, na medida em que poderia permitir aos investigadores seguir os minúsculos, mesmo que mínimos, gestos e eventos que compõem a vida de bebês, contribuindo para uma melhor compreensão deles a partir de sua perspectiva. Neste sentido este artigo se propõe a integrar e contribuir para compor o campo epistemológico e metodológico denominado Estudos de bebês.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela de Campos Tebet, Universidade Estadual de Campinas
Doutora em Educação - Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR) - São Carlos, SP - Brasil. Professora Doutora -  Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) - Campinas, SP - Brasil.
Anete Abramowicz, Universidade de São Paulo
Doutora em Educação - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) - Campinas, SP - Brasil. Professora Titular - Universidade de São Paulo (USP) - São Paulo, SP - Brasil.

Referências

ALANEN, Leena. Estudos feministas/estudos da infância: paralelos, ligações e perspectivas. In: CASTRO, L. R. (Org.). Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: NAU, 2001a. p. 69-92.

ALANEN, Leena. Childhood as a generational condition: children’s daily lives in a central Finland town. In: ALANEN, Leena; MAYALL, Berry. Conceptualizing child-adult relations. London and New York: Routledge/Falmer, 2001b. p.129-144.

ALANEN, Leena.Repensando a infância, com Bourdieu. Revista NUPEM, Campo Mourão, v. 6, n.11, p. 39-55, jul./dez. 2014.

ALDERSON, Priscilla. As crianças como pesquisadoras: os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 419-442, maio/ago. 2005.

ARIÈS, Phillipe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1981.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; DELGADO, Ana Cristina Coll; TOMÁS, Catarina. Estudos da infância, estudos da criança: quais campos? Quais teorias? Quais questões? Quais métodos?. Revista Inter-Ação, Goiânia, v. 41, n.1, p. 103-122, jan./abr. 2016.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. As especificidades da ação pedagógica com os bebês. BRASIL. Ministério da Educação. Consulta pública sobre orientações curriculares nacionais da Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2010.

BARBOSA, Denise Carvalho. A clínica psicanalítica: de crianças a bebês, uma especificidade. Estilos clin., São Paulo, v. 17, n. 2, p. 262-277, dez. 2012.

CASTELLI, Carolina Machado; DELGADO Ana Cristina Coll. Bebês que se relacionam com crianças mais velhas: cuidados e conflitos na educação infantil. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPEd, 37., 04 a 08 de outubro de 2015, UFSC – Florianópolis. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt07-3704.pdf - Acesso em: 05 jan. 2018.

CLARK, Alison; MOSS, Peter. Listening to young children: The mosaic approach. 2. ed. Londres: NCB, 2011.

COHN, Clarice. Antropologia da infância. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

COHN, Clarice. Entrevista. In: ABRAMOWICZ, Anete et al. Estudos da Infância no Brasil: temas e debates na década de 1970 a 2010. São Carlos: EdUFSCar, 2015.

CORSARO, William. Sociologia da infância. 2. ed. Tradução de Lia Gabriele R. Reis. Revisão técnica de Maria Letícia B. P. Nascimento. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin. O estudo das relações sociais dos bebês na creche: uma abordagem interdisciplinar. Zero-a-Seis, São Paulo, v. 11, n. 19, p. 17-25, 2009.

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin. A ação social dos bebês: um estudo etnográfico no contexto da creche. 2010.Tese (Doutorado) – Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2010. Disponível em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/11336/1/tese.pdf. Acesso em: 04 jan. 2018.

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin. Os bebês e a brincadeira: questões para pensar a docência. Da investigação às práticas, Lisboa, v. 4, n. 1, p. 31-43, 2014.

CUZZIOL, Ana Paula Gomes. “Pequenos-gigantes” entre si: notas etnográficas acerca da capacidade e da disponibilidade dos BEBÊS em viver socioculturalmente. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

DELGADO, Ana Cristina Coll; NÖRNBERG, Marta. Do abrir-se aos pontos de vista e forças do desejo dos bebês e crianças bem pequenas. Linhas Críticas, Brasília, v. 19, n. 38, jan./abr., p. 147-167, 2013.

DELEUZE, Gilles. A imanência: uma vida... Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/7182897/Deleuze-Gilles-A-Imanencia-Uma-Vida Acesso em: 09 mar. 2017. Publicado originalmente em Philosophie, n. 47. p. 3-7, 1995.

DELEUZE, Gilles. O que as crianças dizem. In: DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 1997. p. 73-79.

DELEUZE, Gilles. Gilbert Simondon, o indivíduo e sua gênese físico-biológica [1966]. In: DELEUZE, Gilles. A ilha deserta. São Paulo: Iluminuras, 2010.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. v. 2. São Paulo: Editora 34, 1995. Volume 2. (Coleção Trans)

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. v. 1. São Paulo: Editora 34, 2000.

DELIGNY, Fernand. L'Arachnéen et autres textes. París: Éditions l'Arachnéen, 2008.

FALK, Judith (Org). Abordagem Pikler – educação infantil. São Paulo: Omnisciência, 2016.

FOCHI, Paulo. Afinal, o que os bebês fazem no berçário? Porto Alegre: Penso, 2015.

FONTANEL, Béatrice; D'HARCOURT, Claire. L'épopée des bébés: une histoire des petits d'hommes. Paris: Ed. de La Martinière, 2010.

FORBES, Jorge. A psicanalista, a mulher, a interpretação: Françoise Dolto. Texto publicado em 06 dez. 2012. Disponível em: http://www.ipla.com.br/editorias/acontece/psicanalise-francoise-dolto.html. Acesso em: 07 jan. 2018.

GALLACHER, Lesley. ‘The terrible twos’: Gaining control in the nursery?. Children's Geographies, v. 3, n. 2, p. 243-264, 2005.

GOBBATO, Carolina. 'Os bebês estão por todos os espaços!': um estudo sobre a educação de bebês nos diferentes contextos de vida coletiva da escola infantil. 2011. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt07-2325_int.pdf - Acesso em: 05 jan. 2018.

GOTTLIEB, Alma. Do infants have religion? The spiritual lives of Beng babies. American Anthropologist, v. 100, n. 1, p.122-135, 1998.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Psicol. USP [online], v. 20, n. 3, p. 313-336, 2009.

GUATTARI, F. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1985.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

HARRISON, Linda; SUMSION, Jennifer. (Ed.). Lived spaces of infant-toddler education and care: Exploring diverse perspectives on theory, research and practice. New York, London: Springer Netherlands, 2014. (Series International Perspectives on Early Childhood Education and Development, v. 11).

HERÁCLITO. Doxografia e fragmentos. In: SOUZA, J. C. (Supervisão). Os pré-socráticos: fragmentos, doxografia e comentários. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os pensadores).

HOLT, Louise. Exploring the emergence of the subject in power: infant geographies. Environment and Planning: Society and Space, v. 31, n. 4, p. 645-663, 2013.

KOHAN, Walter. Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KUPFER, Maria Cristina Machado. Françoise Dolto: uma médica de educação. Rev. Mal-Estar Subj. [online]. v.6, n.2, 2006, pp. 561-574 . Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-61482006000200013&lng=pt&nrm=iso - Acesso em: 10 jan. 2018.

LECLERCQ, Stéfan. Deleuze e os bebês. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 27, n. 2, 2002.

LOPES, Jader Janer Moreira. Os bebês, as crianças pequenas e suas condições histórico geográficas: algumas notas para debate teórico-metodológico. Educação em Foco, Juiz de Fora, edição especial, p. 151-161, 2012.

LOPES, Jader Janer Moreira; VASCONCELLOS, Tânia de. Geografia da infância: territorialidades infantis. Currículo sem fronteiras, Porto, Portugal, v. 6, n. 1, p. 103-127, 2006.

MACEDO, Elina Elias de et al. Crianças pequenininhas e a luta de classes. 2016. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

MIGUEL, M. Guerrilha e resistência em Cévennes. A cartografia de Fernand Deligny e a busca por novas semióticas deleuzo-guattarianas. Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 57, 2015.

MORTON, Helen. Becoming Tongan. Honolulu: Univ. of Hawaii, 1996. 343 p.

MOZÈRE, Liane. “Du côté” des jeunes enfants ou comment appréhender le désir en sociologie? In: BROUGÈRE, Gilles; VANDENBROECK, Michel (Dir.). Repenser l’ éducation des jeunes enfants. Bruxelles: Éditions Scientifiques Internationales, 2007. p. 165-188.

MOZÈRE, Liane. On n’apprend pas à un enfant à marcher. Le Portique [En ligne], n. 21, 2008. Disponível em: http://journals.openedition.org/leportique/1783 Acesso em: 05 jan. 2018.

MUNARI, Silvio. Linhas de errância: vidas precárias e pedagogias. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos-PPGE/UFSCar, São Carlos, 2017.

NAFFAH NETO, Alfredo. A noção de experiência no pensamento de Winnicott como conceito diferencial na história da psicanálise. Natureza Humana, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 221-242, dez. 2007. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-24302007000200001&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 07 jan. 2018.

NASCIMENTO, Maria Letícia B. P. Como se conduz a pesquisa da infância quando a educação é mais um campo a compor seus estudos? Alguns elementos para discussão. Currículo sem Fronteiras, Porto, Portugal, v. 15, p. 79-93, 2015.

NIETZCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Lisboa: Ediclube, 1997.

NUNES, Angela. A sociedade das crianças A'uwẽ-Xavante (por uma antropologia da criança). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1999. (Coleção Temas de investigação, v. 8).

OLIVEIRA, Julia Tachikawa de. Trajetórias e caminhos: cartografias dos bebês (Texto para qualificação de dissertação de mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Carlos-PPGE/UFSCar, São Carlos, 2015.

OLSON, Liselott. Movimento e experimentação na aprendizagem de crianças pequenas. In: ABRAMOWICZ, Anete ; TEBET, Gabriela. Infância e pós-estruturalismo. São Paulo : Porto de Ideias, 2017.

PARSEVAL, Geneviève Delaisi de; BIGEARGEAL J. Objectif bébé. Une nouvelle science, la bébologie, Paris: Ed. du Seuil, 1985.

PELBART, P. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

PIKLER, Emmi. Moverse en libertad: desarrollo de la motricidad global. Narcea Ediciones, 1984.

PIRES, Flávia Ferreira; NASCIMENTO, Maria Letícia Barros Pedroso. O propósito crítico. Entrevista com Allison James. Educação e Sociedade, Campinas, v. 35, n. 128, p.931-950, jul./set. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v35n128/0101-7330-es-35-128-00931.pdf. Acesso em: 07 jan. 2018.

PLAISANCE, Eric. Para uma sociologia da pequena infância. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 86, p. 221-241, abr./ 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302004000100011. Acesso em: 04 jan. 2018.

QVORTRUP, Jens. Nove teses sobre a “infância como um fenômeno social”. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 1(64), p.199-211, 2011.

RAMOS, Tacyana. As crianças no centro da organização pedagógica: o que os bebês nos ensinam? In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 35., 21 a 24 de outubro de 2012, Porto de Galinhas-PE. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt07-2325_res.pdf. Acesso em: 04 jan. 2018.

RAMOS, Tacyana. Observação, escuta e interlocução com o bebê nas práticas cotidianas da educação infantil. In: SEMINÁRIO DE GRUPOS DE PESQUISA SOBRE CRIANÇAS E INFÂNCIAS - GRUPECI, de 24 a 27 de setembro de 2014, Goiânia- Goiás. Disponível em: http://www.grupeci.fe.ufg.br/up/693/o/RE60.PDF. Acesso em: 05 jan. 2018.

RICHTER, Sandra; BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Os bebês interrogam o currículo: as múltiplas linguagens na creche. Educação (UFSM), v. 1, n. 1, p. 85-96, 2010.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental, transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

SCHMITT, Rosinete Valdeci. O encontro com bebês e entre bebês: uma análise do entrelaçamento das relações. In: ROCHA, Eloisa; KRAMER, Sônia (Org.). Educação Infantil: enfoques em diálogo. Campinas: Papirus, 2013. p. 17-33.

SIMONDON, Gilbert. A gênese do indivíduo. In: PELBART, P. P.; COSTA, R. (Org.) Cadernos de subjetividade: o reencantamento do concreto. Tradução de Ivana Medeiros. São Paulo: Hucitec, 2003. p. 97-117.

SIROTA, Régine. A indeterminação das fronteiras da idade. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 41-56, 2007.

SUMSION, Jennifer; STRATIGOS, Tina; BRADLEY, Bem. Babies in space. In: HARRISON, Linda; SUMSION, Jennifer. Lived spaces of infant-toddler education and care: Exploring diverse perspectives on theory, research and practice. Ney York London: Springer Netherlands, 2014. (Series International perspectives on early childhood education and development, v. 11).

TEBET, Gabriela; ABRAMOWICZ, Anete. O bebê interroga a sociologia da infância. Linhas críticas, Brasília, v. 20, n. 41, 2014.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Londrina: Eduel, 2013. 248 p.

WINNICOTT, D. W. The theory of the parent-infant relationship. In: The International Journal of Psycho-Analysis, n. 41, p. 585-595, 1960. Disponível em: http://icpla.edu/wp-content/uploads/2012/10/Winnicott-D.-The-Theory-of-the-Parent-Infant-Relationship-IJPA-Vol.-41-pps.-585-595.pdf. Acesso em: 03 jan. 2018.

Publicado
2018-10-14
Como Citar
Tebet, G. de C., & Abramowicz, A. (2018). Estudos de bebês: linhas e perspectivas de um campo em construção. ETD - Educação Temática Digital, 20(4), 924-946. https://doi.org/10.20396/etd.v20i4.8649692