A autoridade docente e a complexa fabricação do comum: tensões e críticas na intervenção das famílias no trabalho dos professores

Autores

  • Luís Gouveia Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i2.8650672

Palavras-chave:

Relação pais-professores. Autoridade docente. Tensões e críticas. Regimes de envolvimento na ação.

Resumo

Com a massificação da escolarização, alunos oriundos de meios social e culturalmente mais diversificados protagonizam trajetos escolares mais prolongados. Sustentadas em diretrizes políticas transnacionais, estas mudanças ocorrem também no contexto de uma instituição escolar moldada pelo paradigma da eficácia escolar. Nesta nova conjuntura, os moldes tradicionais em que é exercida autoridade dos professores são colocados à prova. No quadro do conjunto das profundas mudanças políticas, sociais e organizacionais que marcam o sistema educativo nas últimas décadas, pretende-se neste artigo explorar diferentes sentidos críticos mobilizados pelos professores relativamente à relação com os pais/Encarregados de Educação – em que dimensões da atividade docente essa intervenção é mais suscetível de acontecer e que juízos críticos são mobilizados por estes profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Gouveia, Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais

Doutor em Sociologia - Universidade Nova de Lisboa (UNL) - Lisboa, Portugal. Investigador integrado no CICS.NOVA - Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais da Universidade Nova de Lisboa (UNL) - Lisboa, Portugal.

Referências

ABBOTT, Andrew. The system of professions. An essay on the division of expert labor. Chicago: The Univ. of Chicago, 1988. 425 p.

ALMEIDA, Ana Nunes ; VIEIRA, Maria Manuel. A escola em Portugal. Lisboa: Imprensa das Ciências Sociais, 2000, 195 p.

BARRÈRE, Anne. Les enseignants au travail. Routines incertaines. Paris: L’Harmattan, 2002, 303 p.

BARROSO, João. (Org.) A escola pública: regulação, desregulação, privatização. Porto: Asa, 2003, 191 p.

BOLTANSKI, Luc ; THÉVENOT, Laurent. On justification. Economies of worth. Princeton: Princeton Univ., 2006 [1991], 350 p.

CRUZEIRO, Maria Eduardo; ANTUNES, M. L. Marinho. Ensino Secundário: duas populações, duas escolas. Análise Social, v.55, p. 443-502, 1978.

DEROUET, Jean-Louis. & DEROUET-BESSON, Marie-Claude. Crise du projet de le démocratisation de l'ensiegnement ou crise d'un modèle de démocratisation? Les recompositions parallèles des formes de l'État et des formes de justice. In: DEROUET, J.-L. ; DEROUET-BESSON, M.C. (Dir.). Repenser la justice dans le domaine de l'éducation de la formation. Lyon: Peter Lang / INRP, 2009. p. 3-23.

DIOGO, Ana. Famílias e escolaridade: representações parentais da escolaridade, classe social e dinâmica familiar. Lisboa: Colibri, 1998, 223 p.

DUBET, François (Dir.). École, familles: le malentendu. Paris: Seuil, 167 p.

GAYET-VIAUD, Carole. La politesse dans la relation pédagogique. Éléments de réflexion sur le réglage de la distance entre maîtres et élèves. In: DESHOULIÈRES, V.; CONSTANTINESCU, M. (Dir.), Les funambules de l’affection. Maîtres et disciples. Clermont-Ferrand: Presses Universitaires Blaise Pascal, 2009. p. 113-133.

GOUVEIA, Luís. Porque se mobilizam os professores? Representações coletivas e coordenações e ações públicas dos professores do Ensino Básico e Secundário em função de juízos plurais sobre o que é um bom profissional de ensino num contexto de incerteza (Tese de Doutoramento). Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 2017.

HONNETH, Axel. Luta pelo Reconhecimento. Para uma gramática moral dos conflitos sociais. Lisboa: Edições 70, 2011. 308 p.

HUGHES, Everett C. The sociological eye: selected papers. New Brunswick: Transaction Publishers, 1985. 584 p.

LANG, Vincent. La profession enseignant en France: permanence et éclatement. Éducation et francophonie, v.29, n.1, p. 52-69, 2001.

LANTHEAUME, Françoise. Mal-estar docente ou crise do ofício? Quando o belo trabalho desaparece e é preciso trabalhar de corpo e alma. Forum Sociológico, 15/16 (2ª série), p. 141-56, 2006.

LANTHEAUME, Françoise; HÉLOU, Christophe. La souffrance des enseignants. Une sociologie pragmatique du travail enseignant. Paris: PUF, 2008, 173 p.

MAROY, Christian. Vers une régulation post-bureaucratique des systèmes d’enseignement en Europe? Sociologie et sociétés, 40 (1), p. 31-55, 2008.

MONTANDON, Cléopâtre. L’essor des relations famille-école. Problèmes et perspectives. In: PERRENOUD, P.; MONTADON, C. (Org.), Entre parents et enseignants: un dialogue impossible? Paris: Peter Lang, 1987. p. 23-47,

PERRENOUD, P. Le go-between: entre la familie et l’école, l’enfant messager et message. In: PERRENOUD, P.; MONTADON, C. (Org.), Entre parents et enseignants: un dialogue impossible? Paris: Peter Lang, p. 49-87, 1987.

RAYOU, Patrick e VAN ZANTEN, Agnès. Enquête sur les nouveaux enseignants. Changeront-ils l’école? Paris: Bayard, 2004. 301 p.

RESENDE, José Manuel. O engrandecimento de uma profissão. Os professores do ensino secundário público no Estado Novo. Lisboa: FCT/Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

RESENDE, José Manuel. A sociedade contra a escola? A socialização política escola num contexto de incerteza. Lisboa: Instituto Piaget, 2010, 372 p.

RESENDE, José Manuel; CAETANO, Pedro. Da philia à hierarquia na escola: composições da ordem escolar?. In VIEIRA, M.M. et al (Org.). Habitar a escola e as suas margens – geografias plurais em confronto. Portalegre: ESSE/IPP, p. 133-144, 2013.

SÁ, Virgínio. A Participação dos Pais na Escola Pública Portuguesa. Uma abordagem sociológica e organizacional. Braga: CIE-Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, 2004, 557 p.

SILVA, Pedro. Analise sociológica da relação escola-família: um roteiro sobre o caso português, Sociologia: Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, v.20, p. 443-464, 2010.

SILVA, Pedro; STOER, Stephen R. Do pai colaborador ao pai parceiro. A reconfiguração de uma relação. In: STOER, Stephen R. ; SILVA, Pedro (Orgs.). Escola-Família. Uma relação em processo de reconfiguração. Porto: Porto, p. 13-25, 2005.

TARDIF, Maurice ; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Editora Vozes, 2009 [1999], 317 p.

TEODORO, António. Política Educativa em Portugal. Educação, Desenvolvimento e Participação Política dos Professores. Lisboa: Texto, 1994, 347 p.

THÉVENOT, Laurent. L’action au pluriel. Sociologie des régimes d’engagement. Paris: La Découvert, 2006, 311 p.

VAN ZANTEN, AGNÈS. L’école de la périphérie. Scolarité et ségrégation en banlieue. Paris: PUF, 2001, 425 p.

VAN ZANTEN, AGNÈS. Choisir son école. Stratégies familiales et médiations locales. Paris: PUF, 2009, 304 p.

VIEIRA, Maria Manuel. Famílias e escola: Processos de construção da democratização escolar. In: VIEIRA, Maria Manuel et al (Orgs.). Democratização escolar: intenções e apropriações. Lisboa: Centro de Investigação em Educação-FC/UL, p. 75-103, 2003.

Downloads

Publicado

2018-04-11

Como Citar

Gouveia, L. (2018). A autoridade docente e a complexa fabricação do comum: tensões e críticas na intervenção das famílias no trabalho dos professores. ETD - Educação Temática Digital, 20(2), 434–454. https://doi.org/10.20396/etd.v20i2.8650672