Práticas de governamento em livros de formação de professores de educação infantil: sensibilidades, disposições e conscientizações em discurso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v21i1.8650981

Palavras-chave:

Educação infantil. Livro. Formação docente. Discurso. Docência.

Resumo

O artigo é decorrente de uma pesquisa cujo objetivo foi problematizar as práticas de governamento docente veiculadas pelo discurso da pedagogia escolar presente em livros de formação de professores de Educação Infantil. A materialidade investigativa da pesquisa foi composta por um conjunto de livros que defendem o ensino de conteúdos emergentes de áreas do conhecimento para bebês e crianças pequenas, além de apresentarem uma crítica ao que nomeiam processo de desescolarização e fetichização da infância. Metodologicamente, a partir das contribuições dos estudos desenvolvidos por Michel Foucault, dentre outros autores vinculados a uma perspectiva pós-estruturalista, foi analisado como os livros que constituem o corpus investigativo, por meio da defesa de uma pedagogia escolar, regulam, organizam e divulgam modos considerados adequados de exercício da docência na Educação Infantil. Dessa forma, com base nas análises, foi descrita a arquitetura formativa dos livros, bem como problematizadas as táticas discursivas presentes nos textos, cujo intuito é a produção de formas de ser docente, através da universalização de um modelo de raciocínio pautado na escolarização precoce das crianças. Nesse sentido, o exercício analítico das práticas de governamento identificadas nos livros possibilitou discutir a naturalização dos enunciados constituintes do discurso da pedagogia escolar, evidenciando seus efeitos de verdade. Isso porque assumir a dimensão constitutiva da linguagem e enfrentar o desafio de questionar os efeitos de verdade dos discursos que operam no governamento da formação docente consistem uma atitude ética na atualidade.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Saballa de Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-Doutor em Educação (UFPEL), Doutor em Educação (UFRGS), Mestre em Educação (UFRGS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGEDU/UFRGS na Linha de Pesquisa Estudos sobre Infâncias. Professor da área de Educação Infantil do Departamente de Estudos Especializados (DEE) da Faculdade de Educação da UFRGS.

Referências

ARCE, Alessandra (Org.). Interações e brincadeiras na educação infantil. Campinas, SP: Alínea, 2013.

ARCE, Alessandra. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil e o espontaneísmo: (re)colocando o ensino como eixo norteador do trabalho pedagógico com crianças de 4 a 6 anos. In: ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Quem tem medo de ensinar na Educação Infantil? em defesa do ato de ensinar. Campinas, SP: Alínea, 2010. p. 13-36.

ARCE, Alessandra (Org.). Trabalho pedagógico com crianças de até três anos. Campinas, SP: Alínea, 2014.

ARCE, Alessandra; BALDAN, Merilin. A criança menor de três anos produz cultura? criação e reprodução em debate na apropriação da cultura por crianças pequenas. In: ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas, SP: Alínea, 2009. p. 187-204.

ARCE, Alessandra; JACOMELLI, Mara Regina Martins (Org.). Educação Infantil versus Educação Escolar? entre a (des)escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas, SP: Alínea, 2009.

ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Quem tem medo de ensinar na Educação Infantil? em defesa do ato de ensinar. Campinas, SP: Alínea, 2010.

ARCE, Alessandra; SILVA, Débora A. S.; VAROTTO, Michele. Ensinando ciências na Educação Infantil. Campinas, SP: Alínea, 2011.

ARCE, Alessandra; SILVA, Janaína Cassiano. É possível ensinar no berçário? o ensino como eixo articulador do trabalho com bebês (6 meses a 1 ano de idade). In: ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas, SP: Alínea, 2009. p. 163-186.

BARBOSA, Eliza Maria. Interações, aprendizagens e desenvolvimento humano em contextos escolares para a infância. In: ARCE, Alessandra (Org.). Interações e brincadeiras na educação infantil. Campinas, SP: Alínea, 2013. p. 113-140.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Pedagogia da infância. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Cancella; VIEIRA, Lívia Fraga. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. p. 10-12.

BOCCHETTI, André; BUENO, Belmira Oliveira. Um professor (sempre) a formar: o governo das subjetividades docentes em programas especiais de formação. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 2, p. 376-392, maio/ago. 2012.

BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi; ROSA, Ester Calland de Sousa. In: ARCE, Alessandra (Org.). Trabalho pedagógico com crianças de até três anos. Campinas, SP: Editora Alínea, 2014. p. 37-58.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Manuais pedagógicos e formação docente: elos de poder/saber. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n. 1, p. 267-288, jan./jun. 2009.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Bointempo, 2016.

DEAN, Mitchell. Governamentality, power and rule in modern society. London: Thousand Oaks; New Delhi: Sage Publications, 1999.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2005.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território e população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GARCIA, Maria Manuela Alves. Pedagogias críticas e subjetivação: uma perspectiva foucaultiana. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

LARROSA, Jorge. Linguagem e Educação depois de Babel. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 35-86.

MARÍN-DÍAZ, Dora Lilia. Autoajuda e Educação: uma genealogia das antropotécnicas contemporâneas. 2012. 491 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MARÍN-DÍAZ, Dora Lilia; NOGUERA-RAMIREZ, Carlos. Educar es gobernar. In: SALCEDO, Ruth Amanda Cortés; MARÍN-DÍAZ, Dora Lilia. Gobernamentalidad y educación: discusiones contemporáneas. Bogotá: Instituto para Investigación Educativa y el Desarrollo Pedagógico (IDEP), 2011. p. 127-151.

MARTINS, Ligia M. O ensino e o desenvolvimento da criança de zero a três anos. In: ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas, SP: Alínea, 2009. p. 93-122.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução n.º 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 dez. 2009, Seção 1, p. 18.

PALAMIDESSI, Mariano Ismael. La producción del “maestro constructivista” en el discurso curricular. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 1, n. 2, p. 191-213, jul./dez. 1996.

PEREIRA, Marcos Villela; RATTO, Cléber Gibbom. Rastros del fundamentalismo pedagógico en la formación de profesores. Archivos de Ciencias de la Educación, Argentina, v. 2, n. 2, p. 121-135, nov. 2008.

POPKEWITZ, Thomas. História do currículo, regulação social e poder. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. p. 173-210.

POPKEWITZ, Thomas. Lutando em defesa da alma: a política do ensino e a construção do professor. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

PRADO, Alessandra Elizabeth Ferreira Gonçalves; AZEVEDO, Heloísa Helena Oliveira. Currículo para a educação infantil: argumentos acadêmicos e propostas de “educação” para crianças de 0 a 5 anos. In: ARCE, Alessandra; JACOMELLI, Mara Regina Martins (Org.). Educação Infantil versus Educação Escolar? entre a (des)escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. p. 33-52.

SAVIANI, Dermeval. Prefácio. In: ARCE, Alessandra; MARTINS, Ligia M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas, SP: Alínea, 2009. p. 7-14.

SILVA, Janaína. É hora de trocar a fralda! contribuições da teoria histórico-cultural para o trabalho com bebês na educação infantil. In: ARCE, Alessandra (Org.). Interações e brincadeiras na educação infantil. Campinas, SP: Alínea, 2013. p. 41-72.

SOBRAL, Antônio Luís Tubino. Sintaxes pedagógicas no fotojornalismo da Veja sobre o agronegócio. 2013. 93 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2013.

STEMMER, Márcia Regina Goulart. Educação Infantil: gênese e perspectivas. In: ARCE, Alessandra; JACOMELLI, Mara Regina Martins (Org.). Educação Infantil versus Educação Escolar? entre a (des)escolarização e a precarização do trabalho pedagógico nas salas de aula. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. p. 5-32.

VEIGA-NETO, Alfredo. A ordem das disciplinas. 1996. 230 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.

VEIGA-NETO, Alfredo. Coisas de governo. In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luz Lacerda; VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 9-12.

Downloads

Publicado

2019-01-08

Como Citar

CARVALHO, R. S. de. Práticas de governamento em livros de formação de professores de educação infantil: sensibilidades, disposições e conscientizações em discurso. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 21, n. 1, p. 84–104, 2019. DOI: 10.20396/etd.v21i1.8650981. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8650981. Acesso em: 20 out. 2021.