Pluralidades e (des)qualificações

Autores

  • Antonio Carlos Dias Junior Universidade Estadual de Campinas
  • Wenceslao Machado de Oliveira Junior Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i1.8651407

Palavras-chave:

Pluralidade. Qualificação. Albert Camus.

Resumo

O historiador inglês da intelectualidade francesa Tony Judt, em um de seus ensaios, lembra que Hannah Arendt, ao visitar Paris em 1952, teria dito que o escritor Albert Camus seria “sem dúvida, o melhor homem neste momento na França. É claramente superior aos outros intelectuais”.3 Um dos heróis da Resistência francesa, editor de Combat, jornal mais influente na França pós libertação, autor de obras como O mito de Sísifo (1942) e O estrangeiro (1942) - que lhe valeriam o Nobel de literatura em 1957 (três anos antes de sua morte prematura aos 46 anos) - Camus encarnou por algum tempo, na Paris  intelectual de sua época, a imagem do homem cuja retidão moral e engajamentos políticos o colocavam na condição de intelectual público, cujo epítome definitivo seria outro filósofo de sua geração, Jean-Paul Sartre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Dias Junior, Universidade Estadual de Campinas

Professor Doutor no Departamento de Ciências Sociais na Educação e do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Unicamp. Professor colaborador do Programa de Pós-graduação em Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp. Coordenador Adjunto do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Públicas, Educação e Sociedade - GPPES/FE-Unicamp. Vice Coordenador da Linha de Pesquisa Educação e Ciências Sociais do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Unicamp (2015-2017), Membro do Conselho do Centro de Memória da Educação - CME/FE/Unicamp e Subeditor Científico da Revista ETD - Educação Temática Digital (Qualis A1 na área de Educação).Pós-doutor (2014), Doutor (2013), Mestre (2007) e Bacharel/Licenciado (2004), todos os títulos em Sociologia obtidos pela Unicamp. 

Wenceslao Machado de Oliveira Junior, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Geografia e Doutorado em Educação. Atualmente é professor no Departamento de Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte e pesquisador do Laboratório de Estudos Audiovisuais OLHO, ambos da Faculdade de Educação/Unicamp. Realizou o Pós-doutorado "As geografias menores em obras em vídeo de três artistas contemporâneos" na Universidade do Minho/Portugal. Pesquisa na interface entre imagens e educação em suas conexões com as geografias que dela se desdobram, se descobrem, se criam, se extraem... Atualmente tem focado mais nas relações e experimentações entre cinema e escola. Tem artigos publicados onde vídeos, filmes, fotografias e mapas se misturam a conceitos e autores em escritos que visam aproximações da educação visual contemporânea e(m) suas políticas e poéticas que afetam o pensamento espacial, tomando a escola como lugar. Coordenou a Rede Internacional "Imagens, Geografias e Educação" entre 2010 e 2015, da qual participa atualmente junto ao projeto "As telas da escola: cinema e professores de geografia". Desde 2016 participa do projeto "Dispositivos de criação e a experiência do cinema na escola de educação básica do município de Campinas".

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

DIAS JUNIOR, A. C.; OLIVEIRA JUNIOR, W. M. de. Pluralidades e (des)qualificações. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 1–4, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i1.8651407. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8651407. Acesso em: 27 jan. 2022.