Existe um currículo museal ? As teorias curriculares na compreensão da educação em museus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i3.8651729

Palavras-chave:

Currículo. Educação. Museu. Teorias do currículo.

Resumo

O conceito de currículo é multifacetado e no universo da educação escolar tem um longa trajetória de debates e teorizações. Sua compreensão é alvo de diferentes abordagens teóricas, mais técnicas, trazendo o currículo como prescrição de conteúdos, organização do tempo e espaços da educação, ou abordagens mais críticas, enfatizando as escolhas sociais e políticas na construção curricular. A utilização do conceito de currículo para a compreensão de outros contextos educacionais, como os museus, não é consensual, mas vem sendo cada vez mais explorada. Este artigo tem como objetivo propor uma reflexão sobre a especificidade da educação museal a partir das teorias curriculares, enfatizando seu potencial não só para a compreensão dos elementos que compõem a educação em museus, como para o entendimento das escolhas efetuadas e das tensões existentes na definição dos processos educacionais museais. Para isso, são trazidos autores do campo da educação em museus que utilizam as teorias curriculares, enfatizando os avanços e limites das análises propostas. Como forma de superar os aspectos normativos e prescritivos dessas análises, é proposta a utilização das teorias críticas do currículo, em especial o conceito de dispositivo pedagógico de Basil Bernstein. Utilizando a estrutura teórica estabelecida por esse autor, são elucidados alguns aspectos da constituição e do funcionamento da educação nos museus, entendendo a prática educacional museal como currículo em processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Conrado Martins, Percebe Educa

Doutora em Educação - Universidade de São Paulo. Coordenadora de projeto do PERCEBE - Pesquisa, Consultoria e Treinamento Educacional.

Referências

ALLARD, Michel; LEFEBVRE, Bernard. (Ed.). Le musée, un lieu éducatif. Montréal: Musée d’Art Contemporain de Montréal, 1997.

APPLE, Michel W. Ideologia e currículo. Porto Alegre: Artmed, 2006.

APPLE, Michel W. Repensando ideologia e currículo. In: MOREIRA, Antonio Flávio (Org.); SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, p. 39-58, 1995.

BEER, Valorie; MARSH, David D. A non-school curriculum model illustrated in a museum setting. Journal of Curriculum and Supervision. v.3, n.3, p. 221-239, 1998.

BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico. Classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes, 1996.

BERNSTEIN, Basil. Pedagogía, control simbólico e identidad. Madrid: Morata, Paideia, 1998.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto, 1994.

COHEN, Louis; MANION, Lawrence; MORRISON, Keith. Research methods in education. New York: Routledge, 2007.

DOMINGOS, Ana M. et al. A teoria de Bernstein em sociologia da educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura. As bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Beatriz M. O encontro museu/Escola: o que se diz e o que se faz. Rio de Janeiro. 1992. Dissertação (Mestrado) - Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica, 1992.

GOODLAD, John I.; KLEIN, M. Frances.; TYE, Kenneth A. Curriculum inquiry. New York: McGraw-Hill, 1979.

HEIN, George. Learning in the museums. London: Routledge, 1998.

HOOPER-GREENHILL, Eilean. Education, communication and interpretation: towards a critical pedagogy in museums. In: The educational role of the museum. London: Routledge, 1994, p. 3-25.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1990.

LOPES, Alice C. e MACEDO, Elizabeth. O pensamento curricular no Brasil. In: LOPES, A. C. e MACEDO, E. (orgs.) Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002, p. 13-54.

LOPES, Alice C. e MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

MARTINS, Luciana Conrado. A constituição da educação em museus: o funcionamento do dispositivo pedagógico museal por meio de um estudo comparativo entre museus de artes plásticas, ciências humanas e ciência e tecnologia. 2011. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MARTINS, Luciana Conrado. Como é criado o discurso pedagógico dos museus? Fatores de influência e limites para a educação museal. Museologia & Interdisciplinaridade. v. 1II, no. 6, mar. /abr., 2015, p. 14-20.

MARTINS, Luciana Conrado; MARANDINO, Martha. Políticas de financiamento da educação em museus: a constituição das ações educacionais em museus de artes plásticas, ciências humanas e ciência e tecnologia. Ensino Em Re-Vista, v.20, n.1, p.57-68, jan./jun. 2013.

MARANDINO, M. O conhecimento biológico nos museus de ciências: análise do processo de construção do discurso expositivo. 2001. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

MOREIRA, Antonio Flávio.; SILVA, Tomaz Tadeu. Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In: MOREIRA, Antonio Flávio (Org.); SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1995.

OLIVEIRA, Adriano Dias. Biodiversidade e museus de ciências: um estudo sobre transposição museográfica nos dioramas. 2010. Dissertação (Mestrado) - Interunidade em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ROBERTS, Lisa C. From knowledge to narrative: educators and the changing museum. Washington, London: Smithsonian Institution, 1997.

ROSE, Julia. Expanding conversations. How curriculum theory can inform museum education practice, Journal of Museum Education, v. 31, n. 2, 2006, p.75-76.

SADOVNIK, Alan R. Basil Bernstein’s theory of pedagogic practice. In: SADOVNIK, Alan R. (Org.) Knowledge and pedagogy: the sociology of Basil Bernstein. Norwood: Ablex Publishing Corporation, p.3-35, 1995.

SCHWAB, Joseph J. The practical 3: translation of curriculum. In: School Review 81, n.4, 1973, p.501-522.

SCHWAB, Joseph J. The practical 4: something for curriculum professors to do. In: Curriculum Inquiry 13, n.3, 1983, p. 239-265.

SEIBEL-MACHADO, Maria Iloni. O papel do setor educativo nos museus: análise da literatura (1987 a 2006) e a experiência do Museu da Vida. Campinas, 2009. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

SILVA, Tomaz Tadeu. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

SOUZA, Maria P. C. O discurso sobre Biodiversidade e Conservação em exposições de imersão. 2017. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

SOREN, Barbara. The museum as curricular site. Journal of Aesthetic Education, v.26, n.3, 1992, p. 91-101.

VALLANCE, Elizabeth. The public curriculum of orderly images. In: Educational Researcher, v. 24, n. 2, 1995, p. 4-13.

VALLANCE, Elizabeth. Museum education as curriculum: four models, leading to a fifth. In: Studies in Art Education, v.45, n.4, 2004, p. 343-358.

VALLANCE, Elizabeth. Finding order : curriculum theory and the qualities of museum education. In: Journal of Museum Education, v.31, n.2, 2006, p. 133-142.

VALENTE, Maria Ester Alvarez. Museus de Ciências e Tecnologia no Brasil: uma história da museologia entre as décadas de 1950-1970. Campinas, 2008. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

Downloads

Publicado

2018-07-16

Como Citar

MARTINS, L. C. Existe um currículo museal ? As teorias curriculares na compreensão da educação em museus. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 3, p. 640–661, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i3.8651729. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8651729. Acesso em: 3 dez. 2021.