O efeito do capital escolar no acesso ao Programa Ciência sem Fronteiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v22i2.8654654

Palavras-chave:

Capital escolar, Mobilidade acadêmica internacional, Programa Ciência sem Fronteiras, Desigualdade

Resumo

Este artigo aborda possíveis efeitos do capital escolar no acesso à mobilidade acadêmica internacional ofertada pelo programa Ciência sem Fronteiras, e tem como objetivo analisar a influência tanto do passado escolar na determinação de um perfil ideal para a mobilidade acadêmica quanto do percurso escolar e de experiências de mobilidade nessa trajetória. Em síntese, a intenção é a de verificar a hipótese de estarmos diante de uma “elite escolar”, composta por sujeitos que passaram por um rigoroso processo de seleção escolar que, por meio de investimentos familiares e pessoais, tiveram as condições requeridas para o acesso a esse tipo de mobilidade. Tanto no contexto internacional, sobretudo na Europa, em função da amplitude do programa Erasmus, quanto no Brasil, o tema tem ganhado espaço, sobretudo após o advento do CsF, o que evidencia sua importância no cenário das políticas educacionais mundiais. A metodologia de análise fundamentou-se nos parâmetros da amostragem aleatória simples e análise de conteúdo. Os resultados comprovaram a hipótese de que o perfil do estudante considerado apto à mobilidade, sobretudo selecionado com as bolsas para instituições mais concorridas também tinham uma trajetória escolar sem percalços, até mesmo no contexto universitário. Muitos eram ligados às atividades de iniciação científica, monitoria e extensão universitária. Será designado como CsF nas próximas referências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catarina Barbosa Torres Gomes, Centro Federal de Educação Tecnológica

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora de Filosofia, Sociologia e Licenciaturas - Centro Federal de Educação Tecnológica. Belo Horizonte, MG.

 

 

Referências

ADACHI, Ana Amélia Chaves Teixeira. Evasão e evadidos nos cursos de graduação da Universidade Federal de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, UFMG, Belo Horizonte. 2009.

BALLATORE, Magaly; BLÖSS Thierry. Láutre réalité du programme Erasmus: affinité sétective entre établissements et reproduction sociale des étudiants. Formation Emploi, n.103, p.57-74, 2008a.

BALLATORE M. Échanges internationaux em Europe et apprentissages: l´exemple de la mobilité étudiante institutionnalisée para le programme Erasmus”, Cahiers de la recherche sur l‟éducation et les savoirs. Revue internationale des sciences sociales, n. 3, p.149-166, 2011.

BALLATORE M.; BLÖSS T. Le sens cache de la mobilité des étudiants Erasmus. In: DERVIN F., BYRAM M. (Dir.). Échanges et mobilités académiques. Quel bilan? Paris: L´Harmattan, 2008b. p.17-31.

BARDIN, Lawrence. Análise de Conteúdo. Lisboa:Ed. 70: LDA, 1979.

BOURDIEU, Pierre. Escritos de educação. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

BOURDIEU, Pierre. Efeitos do lugar. In: BOURDIEU, Pierre (Org.) Miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 159- 166.

BRAGA, Mauro. PEIXOTO, Maria do Carmo de Lacerda. Censo socioeconômico e étnico dos estudantes de graduação da UFMG. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

BRASIL. Decreto n. 7.642, de 13 de dezembro de 2011. Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: DF, 14 dez. 2011

BRITO, Fausto Renato Alves de. Transição demográfica e desigualdades sociais no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 5-26, jan./jun. 2008.

CANAAN, Mariana Gadoni. Quem se torna bolsista de iniciação científica na UFMG? Uma análise de fatores que influenciam no acesso à bolsa. 2014. 158f. Dissertação. (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2014.

COMMISSION EUROPÉENNE. Le programme ERASMUS: étudier en Europe et plus encore. Éducation et Formation, 2010.

DAVERNE, Carole. Efeito estabelecimento. In: VAN ZANTEN, Agnès (Coord.). Dicionário de Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

ERLICH Valerie. Les mobilités étudiantes. Paris: La Documentation Française. 2012.

MALOUTAS, Thomas. Efeitos de vizinhança e desempenhos escolares. In: VAN ZANTEN, Agnès (Org.). Dicionário de educação. Petrópolis: Vozes, 2011.

NOGUEIRA, Maria. Alice Viagens de estudo ao exterior: as experiências de filhos de empresários. In: ALMEIDA, A.M.F. et al. (Org.). Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras. Campinas: Ed. Unicamp, 2004.

NOGUEIRA, Maria Alice. A construção da excelência escolar - um estudo de trajetórias feito com estudantes universitários provenientes das camadas médias intelectualizadas. Petrópolis: Vozes. 2011.

NOGUEIRA, Maria Alice. Classes médias e escola: novas perspectivas de análise. Currículo sem fronteiras, v. 10, n. 1, p. 213-231, 2010.

NOGUEIRA, Maria Alice. Favorecimento econômico e excelência escolar: um mito em questão. Revista Brasileira de Educação, n. 26, pp. 133-184, 2004.

NOGUEIRA, Maria Alice; LACERDA, W. G. Os rankings de estabelecimentos de ensino médio e as lógicas de ação das escolas: o caso do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Viçosa. São Paulo: Cortez, 2014.

SCHWARTZMAN, Simon.; CASTRO, Cláudio de Moura. Ensino, formação profissional e a questão da mão de obra. Ensaio, p. 563-624, 2013.

TROGER, Vicent. Ensino técnico e profissionalizante. In: VAN ZANTEN, Agnès (Org.). Dicionário de educação. Petrópolis: Vozes, 2011. p.328-333.

XAVIER de BRITO, Ângela. Formação dos estudantes brasileiros na França/La formation des étudiants brésiliens en France. In: MARTINS, Carlos Benedito de Campos (Org.). DIÁLOGOS entre a França e o Brasil: formação e cooperação acadêmica. Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco: Massangana, 2005. p. 91-105.

Downloads

Publicado

2020-04-13

Como Citar

GOMES, C. B. T. O efeito do capital escolar no acesso ao Programa Ciência sem Fronteiras . ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 336–353, 2020. DOI: 10.20396/etd.v22i2.8654654. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8654654. Acesso em: 3 dez. 2021.