Aplicativos móveis

uso e possibilidades para o ensino da matemática na EJA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8656231

Palavras-chave:

Aplicativos móveis, Ensino de matemática, Educação de Jovens e Adultos

Resumo

O avanço rápido das tecnologias de dispositivos móveis, com uma grande variedade de aplicativos, têm provocado mudanças na sociedade contemporânea. Nesse novo cenário, os comportamentos, as formas de comunicação e as interações, ficaram cada vez mais dinâmicas. No campo educacional, os aplicativos móveis usados como recurso didático também apresentam potencialidade para transformar os processos pedagógicos, principalmente entre os nativos digitais. Indagamos em nossa pesquisa, se o uso de aplicativos móveis educacionais em sala de aula pode favorecer o ensino e aprendizagem de Probabilidade e Estatística, especialmente, em alunos da modalidade Educação de Jovens e Adultos, Ensino Médio.  Diante desse questionamento, desenvolvemos uma pesquisa com o objetivo de avaliar a aquisição de habilidades e competências na área de matemática, a partir do uso dos aplicativos móveis educacionais. Realizou-se uma pesquisa de campo com 46 alunos do módulo IV da EJA de um colégio da Rede Estadual  do Rio de Janeiro. Os alunos foram divididos em grupos, onde um dos grupos utilizou os aplicativos móveis como recurso didático e o outro não. Os dados foram coletados por meio de testes, questionário e observações. Diante disso, verificou-se que os resultados apresentados demonstram que os aplicativos móveis educacionais podem motivar e auxiliar  os alunos a resolverem as atividades matemáticas, além de favorecer o processo de aprendizagem  de alunos da EJA Ensino Médio.  

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Werbert Augusto Coutinho, Centro Universitário Carioca

Mestrado profissional em Novas Tecnologias Digitais na Educação pelo Centro Universitário Carioca (UNICARIOCA), Rio de Janeiro, Brasil.

Veronica Eloi de Almeida, Centro Universitário Carioca

Doutora em Sociologia e Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).  Docente  - do Programa de Mestrado em Novas Tecnologias Digitais na Educação pelo Centro Universitário Carioca (UNICARIOCA), Rio de Janeiro, Brasil.

Alessandro Jatobá, Centro Universitário Carioca

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE/UFRJ. Docente do Programa de Mestrado em Novas Tecnologias Digitais na Educação pelo Centro Universitário Carioca (UNICARIOCA). Pesquisador do Grupo de Ergonomia e Novas Tecnologias da COPPE/UFRJ.

Referências

ANDRADE, Marcos Vinícius Mendonça; ARAÚJO JR, Carlos Fernando; SILVEIRA Ismar Frango. Critérios de qualidade para aplicativos educacionais no contexto dos dispositivos móveis (m-learning). Nuevas Ideas en Informática Educativa TISE, 2015. Disponível em: http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/544-549.pdf. Acesso em: 12 mar. 2018.

ARAÚJO, Ulisses Ferreira. A quarta revolução educacional: a mudança de tempos, espaços e relações na escola a partir do uso de tecnologias e da inclusão social. ETD - Educação Temática Digital, v. 12, p. 31-48, 2011. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/v/a/10046 . Acesso em: 11 ago. 2018.

BORBA, Marcelo de Carvalho; LACERDA, Hannah Dora Garcia. Políticas públicas e tecnologias digitais: um celular por aluno. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.17, n.3, p.490-507, 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/download/25666/pdf . Acesso em: 18 abr. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm . Acesso em: 12 set. 2018.

CARNEIRO, Daniela Gomes De Brito. A agenda temática da educação popular para o século XXI: uma leitura crítica das produções de educação da UNESCO (2010-2015).2015. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=3500310 . Acesso em: 2 abr. 2018.

CARNEIRO, Regina Fernando; PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. A utilização das tecnologias da informação e comunicação nas aulas de matemática: limites e possibilidades. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 8, n. 2, p. 101-119, 2014. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/ViewFile/729/328 . Acesso em: 12 ago. 2018.

CUNHA, Eugênio. Tecnologias e inteligência: novas maneiras de aprender e ensinar. PEDRO, Waldir (Org.). Guia prático de neuroeducação: neuropsicopedagogia, neuropsicologia e neurociência. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2017.

DI PIERRO, Maria Clara; HADDAD, Sérgio. Transformações nas políticas de educação de jovens e adultos no Brasil no início do terceiro milênio: uma análise das agendas nacional e internacional. Cad. Cedes, Campinas, v. 35, n. 96, p. 197-217, maio-ago. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ccedes/v35n96/1678-7110-ccedes-35-96-00197.pdf Acesso em: 12 abr. 2018.

KNITTEL, Tânia Filomena. A utilização de dispositivos móveis como ferramenta de ensino-aprendizagem em sala de aula. 2014. Dissertação (Mestrado em Tecnologias da Inteligência e do Design Digital) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/18164 . Acesso em: 12 abr. 2018.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MACEDO, Núbia Sueli Silva. A formação docente e o fenômeno da juvenilização na Educação de jovens e adultos: desafios formativos. 2017. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação de Jovens e Adultos) - Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2017. Disponível em: http://www.cdi.uneb.br/site/wp-content/uploads/2018/03/Dissert.Nubia_.pdf . Acesso em: 12 ago. 2018.

MARQUES, José Francisco Zavaglia; MARQUES, Keiciane Canabarro Drehmer. A utilização de aplicativos por meio de smartphone como possibilidades para o ensino de química. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA (ENEQ)., 18., 2016, Florianópolis. Anais eletrônicos [...]. Florianópolis, 2016. Disponível em: www.eneq2016.ufsc.br/anais/resumos/R0013-1.pdf . Acesso em: 3 abr. 2018.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

NICHELE, Aline Grunewald; SCHLEMMER, Eliane. Aplicativos para o ensino e aprendizagem de química. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, n. 2, 2014. Disponível em: www.seer.ufrgs.br/renote/article/download/53497/33014 . Acesso em: 22 set. 2018.

OLIVEIRA, Rosicler Aparecida de; NACARATO, Adair Mendes. Explorando as tecnologias do celular para aplicar conhecimentos de trigonometria no cotidiano. Ensino da Matemática em Debate, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 9-20, 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emd/article/view/29142 . Acesso em: 2 maio 2018.

PAIVA, Jane. Tramando concepções e sentidos para redizer o direito à educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p.519-539, 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782006000300012 . Acesso em 19 abr. 2019.

PRECIOSO, Lucas dos Santos. O uso de aplicativos no ensino de senos e cossenos. 2018. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática) - Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, 2018. Disponível em: https://sca.profmat-sbm.org.br/sca_v2/get_tcc3.php?id=160340122 . Acesso em:2 set. 2018.

PRENSKY, Marc. “Não me atrapalhe, mãe – estou aprendendo!”: como os videogames estão preparando nossos filhos para o sucesso no século XXI – e como você pode ajudar! São Paulo: Editora Phorte, 2010.

RIBACIONKA, Márcia Cristina dos Santos. Uma proposta de WebQuest para a introdução ao letramento estatístico dos alunos da EJA.2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/10828 . Acesso em: 12 nov. 2018.

REIS, Juliana Batista dos; JESUS, Rodrigo Edilson. Culturas juvenis e tecnologias. In: ALVES, Licinia Maria Correa; MAIA, Carla Linhares (Org.). Cadernos temáticos: juventude brasileira e ensino médio. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.p. 11- 42. Disponível em: http://observatoriodajuventude.ufmg.br/publication/view/colecao-cadernos-tematicos-culturas-juvenis-e-tecnologias/ . Acesso em: 15 ago. 2018.

RIO DE JANEIRO. Secretaria de Estadual de Educação (SEEDUC). Manual de orientação Nova EJA. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://projetoseeduc.cecierj.edu.br/eja/manual-eja.pdf . Acesso em: 16 abr. 2018.

SANTOS, Rosana dos; LORETO, Aline Brum; GONÇALVES, Juliano Lucas. Avaliação de softwares matemáticos quanto a sua funcionalidade e tipo de licença para uso em sala de aula. REnCiMa, v. 1, n. 1, p. 47-65, 2010. Disponível em: http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/artigos/pacotes/4-14-1-PB.pdf . Acesso em: 2 mar. 2018.

TRIP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n3/a09v31n3.pdf . Acesso em: 17 fev. 2018.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

COUTINHO, W. A.; ALMEIDA, V. E. de; JATOBÁ, A. . Aplicativos móveis: uso e possibilidades para o ensino da matemática na EJA. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 20–43, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8656231. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656231. Acesso em: 25 out. 2021.